Três mundos habitáveis​ em torno da mesma estrela

Por Lisa Grossman
Publicado na New Scientist

Alienígenas podem estar assistindo alienígenas assistindo alienígenas. Essa é uma perspectiva realista, agora que três planetas potencialmente habitáveis ​​(recorde) foram encontrados orbitando a mesma estrela.

Estudos anteriores haviam sugerido que uma estrela vizinha, Gliese 667C, tinham três planetas, dos quais apenas um poderia suportar a vida. Mas a própria presença de vários planetas fizeram o seu número exato ser difícil de acertar.

Agora Guillem Anglada-Escudé, da Universidade de Göttingen, na Alemanha, e seus colegas reanalisaram ​​os dados originais e adicionaram algumas novas observações. Eles encontraram fortes indícios da existência de até sete novos planetas, incluindo três planetas rochosos na zona habitável de sua estrela-mãe, onde as temperaturas devem se adequar a vida.

“Cinco são muito solidamente detectados por qualquer padrão”, diz Anglada-Escudé. “Isso inclui todos os três candidatos na zona habitável”. Localizado a cerca de 22 anos-luz de distância, Gliese 667C é parte de um sistema de três estrelas, tornando-se um dos mais lotados “bairros” planetários

Alienígenas na porta ao lado

A equipe usou dados a partir de três espectrógrafos diferentes que podem detectar como uma estrela é puxada para a frente e para trás pela gravidade de um planeta em órbita. Os cinco sinais mais fortes foram de planetas entre 1,94 e 5,94 vezes a massa da Terra, tornando-os susceptíveis de serem rochosos. Mas apenas três estão na zona habitável.

Estes três planetas estão perto o suficiente um do outro, que se existir vida inteligente lá com a capacidade de construir foguetes, eles poderiam facilmente visita-los. “Foguetes maiores iriam levá-los muito rapidamente de um planeta para o outro – um a dois meses, no máximo”, diz Anglada-Escudé.

“Esta descoberta acrescenta mais alvos para os muitos mundos emocionantes que estamos descobrindo lá fora”, diz Lisa Kaltenegger do Centro Harvard-Smithsonian de Astrofísica, em Cambridge, Massachusetts. Ela já tinha relatado o primeiro par de mundos habitáveis em abril. O próximo passo será encontrar uma forma de examinar esses mundos pela procura de sinais de vida, acrescenta.

Isso supondo que o novo trio de planetas habitáveis ​​sejam reais. Em 2010, dois co-autores do journal foram aclamados e então criticados quando alegaram ter encontrado o primeiro planeta rochoso potencialmente habitável em torno da estrela Gliese 581 – uma descoberta que outros não foram capazes de confirmar. Anglada-Escudé não está preocupada: “Tivemos muito cuidado neste momento.”

CONTINUAR LENDO
Artigo anteriorUm Ano do Bóson de Higgs
Próximo artigoSeríamos nós descendentes dos porcos?!
Douglas Rodrigues Aguiar de Oliveira
Sou fundador da Universo Racionalista | Graduando em Tecnologia em Redes de Computadores pela Universidade de Franca | Especialista em Fundamentals of Computing Network Security ( • Design and Analyze Secure Networked Systems • Basic Cryptography and Programming with Crypto API • Hacking and Patching • Secure Networked System with Firewall and IDS ) pela University of Colorado | Especialização em andamento em Cybersecurity ( • Computer Forensics • Network Security • Cybersecurity Fundamentals • Cybersecurity Risk Management • Cybersecurity Capstone ) pela Rochester Institute of Technology | Certificação em Information Security Specialist ( • InfoSec Foundation • Ethical Hacking Essentials • Computer Forensics Foundation ) pela ITCERTS | Certificação em Information Security Analyst ( • Information Security Policy Foundation • Vulnerability Management Foundation ) pela ITCERTS | Cursei integralmente as disciplinas teóricas em Licenciatura em Filosofia pela Universidade de Franca, mas não realizei o estágio supervisionado para a obtenção do diploma de Ensino Superior | Especialista em Journey of the Universe: A Story for Our Times pela Yale University | Colaborador do Instituto Ética, Racionalidade e Futuro da Humanidade | Colunista da Climatologia Geográfica | Membro da Rede Brasileira de Astrobiologia | Abaixo, segue o endereço do currículo na plataforma Lattes e LinkedIn.