Túmulos de dezenas de reis da época do Rei Artur são descobertos na Grã-Bretanha

Até 65 sepulturas de reis e rainhas foram descobertos.

0
221
O novo estudo identifica túmulos reais britânicos da era do mítico Rei Artur. Vários lugares na Grã-Bretanha são considerados o local de seu enterro; mas de acordo com algumas lendas Artur foi levado por um barco mágico para a mística Ilha de Avalon depois de ser mortalmente ferido em batalha. Créditos: A Morte de Artur, John Garrick, 1862.

Por Tom Metcalfe
Publicado na Live Science

Os túmulos de dezenas do que podem ter sido os primeiros reis, rainhas, príncipes e princesas britânicos da era do mítico Rei Artur foram revelados por um novo estudo.

Isso sugere que as sepulturas reais britânicas que datam entre os séculos V e VII d.C. foram negligenciadas até agora, possivelmente porque não eram elaboradas e não continham bens valiosos.

A pesquisa reconsidera evidências arqueológicas de um período pouco compreendido da história britânica, entre o fim do domínio romano e os últimos reinos anglo-saxões — uma época tradicionalmente descrita pelas lendas do Rei Artur.

O novo estudo de Ken Dark, professor emérito de arqueologia e história da Universidade de Reading, no Reino Unido, identifica o que pode ser até 65 túmulos de reis britânicos pós-romanos e suas famílias em cerca de 20 locais de sepultamento no oeste de Inglaterra e País de Gales, incluindo os modernos condados ingleses de Somerset e Cornualha.

Os britânicos continuaram a governar no que hoje é o oeste da Inglaterra, País de Gales e partes da Escócia nos séculos após o fim do domínio romano na Grã-Bretanha no início do século V, enquanto os invasores anglo-saxões se estabeleceram no leste.

Mas enquanto os governantes anglo-saxões da época eram enterrados de forma elaborada com presentes valiosos e ornamentados, os britânicos cristãos podem ter visto isso como uma prática pagã, disse Dark.

O estudo sugere que as sepulturas “perdidas” da realeza britânica pós-romana são como as sepulturas encontradas em vários cemitérios cristãos primitivos em todo o oeste da Inglaterra e País de Gales. Créditos: Ken Murphy / Dyfed Archaeological Trust.

Em vez disso, os britânicos pareciam ter enterrado sua realeza sem bens funerários em túmulos simples sem inscrições em pedra ao lado dos túmulos dos cristãos comuns – embora muitos dos túmulos reais fossem cercados por uma vala retangular e provavelmente cercados por uma cerca que desde então apodreceu, disse ele.

Dark, que agora está na Universidade de Navarra, na Espanha, é o autor do estudo publicado este mês no Journal of the Royal Society of Antiquaries of Ireland.

“As sepulturas reais são muito padronizadas”, disse ele à Live Science. “Elas têm alguma variação, assim como os túmulos comuns – algumas são maiores, algumas são menores, algumas têm apenas um túmulo no centro, enquanto outras têm dois ou três”.

Grã-Bretanha pós-romana

O domínio romano na Grã-Bretanha durou de 43 d.C., após uma invasão romana sob o imperador Cláudio, até cerca de 410 d.C., quando as últimas tropas romanas foram convocadas para a Gália (França moderna) em meio a rebeliões internas no Império Romano e invasões de tribos germânicas. (O general romano Júlio César invadiu o sul da Grã-Bretanha em 55 a.C. e 54 a.C., mas não estabeleceu um domínio romano permanente.)

Entre os séculos V e VII, os britânicos cristãos governaram o que hoje são o oeste da Inglaterra e do País de Gales como uma colcha de retalhos de pequenos reinos que tentaram continuar as tradições romanas cristãs. No mesmo período, tribos germânicas pagãs — os anglos, saxões e jutos, originários do norte da Europa — invadiram e se estabeleceram no leste do país.

Túmulos que se acredita serem de reis britânicos, cobertos com montes de terra, também foram encontrados em Tintagel, na costa da Cornualha – um local há muito tempo associado à realeza britânica e especialmente a algumas lendas do Rei Artur. Crédito: David Slauson.

As lendas do Rei Artur, que supostamente era britânico e cristão, se passam nesse período, embora a maioria dos historiadores pense que Arthur não existiu. (Dark, no entanto, sugere que uma pessoa real ou um herói fictício com esse nome era famoso já no século VI, porque os estudos anteriores de Dark sugeriram que houve um aumento repentino no uso do nome “Artur” entre famílias reais britânicas e irlandesas da época.)

Dark começou sua investigação para resolver um mistério arqueológico de longa data: embora se saiba que muitos reis britânicos viveram durante esse período, quase nenhum de seus túmulos foi encontrado.

Até este estudo, a sepultura de apenas um rei britânico dessa época era conhecida após ser descoberta no noroeste do País de Gales; uma inscrição em uma lápide nomeia a pessoa enterrada lá como Catamanus (Cadfan em galês) e declara que ele era um rei (rex em latim).

Mas Cadfan pode ter se aposentado da realeza para se tornar um monge antes de sua morte, e o fraseado da inscrição implica que seu túmulo estava sendo venerado por causa de seu status de monge, disse Dark.

Enquanto isso, os túmulos de pelo menos nove governantes anglo-saxões do período foram encontrados, incluindo um no famoso navio funerário em Sutton Hoo, perto da costa leste da Inglaterra.

Sepulturas reais

Para chegar ao fundo do mistério, Dark revisou o trabalho arqueológico feito anteriormente em milhares de cemitérios desse período no oeste da Grã-Bretanha e da Irlanda.

Seu estudo sugere que as sepulturas reais britânicas foram colocadas em cemitérios cristãos primitivos; e enquanto elas foram marcadas como pessoas de status elevado, elas parecem muito humildes em comparação com túmulos pagãos ornamentados e nenhum tem pedras com inscrições informando quem foi enterrado lá.

Os recintos externos variam em tamanho e alguns contêm até quatro sepulturas, mas geralmente têm cerca de 4 a 9 metros de diâmetro e até 9 metros de comprimento.

“Temos um monte de sepulturas que são todas iguais, e uma pequena minoria dessas sepulturas é marcada como sendo de status mais elevado do que as outras”, disse Dark. “Quando não há outros candidatos possíveis, isso me parece ser um bom argumento para estes serem os túmulos reais ‘perdidos'”.

Em um local em Tintagel, uma península fortificada na costa da Cornualha que há muito tempo é associada à realeza britânica pós-romana e às lendas do Rei Artur, o que se acredita ser cinco túmulos reais britânicos em um cemitério cristão primitivo assume outra forma. Cada um foi coberto por um monte de terra, possivelmente porque as sepulturas reais irlandesas também são cobertas com montes chamados “ferta”, disse ele. (Os britânicos pós-romanos tinham fortes ligações com a Irlanda celta; os antigos irlandeses e britânicos eram ambos de origem celta e tinham línguas semelhantes.)

Mas o padrão de colocar os túmulos reais no centro de um recinto – geralmente retangular, mas às vezes circular – parece ser um estilo de sepultamento desenvolvido pelos cristãos na Grã-Bretanha romana tardia, disse ele.

“A tradição da sepultura fechada vem diretamente das práticas funerárias romanas tardias”, disse ele. “E essa é uma boa razão pela qual as temos na Grã-Bretanha, mas não na Irlanda – porque a Grã-Bretanha era parte do império romano, e a Irlanda não”, disse ele.

Embora estudos anteriores tivessem sugerido que as sepulturas fechadas abrigavam pessoas de alto status social, em vez da realeza; e os arqueólogos esperavam que as sepulturas reais fossem cobertos por montes de terra ou marcadas com inscrições em pedra, disse ele. “Já eu estou sugerindo que essa prática de sepultamento era especificamente real”.