Última refeição de “múmia do pântano” de 2.400 anos aponta para sacrifício humano

0
122
Um close do rosto do Homem de Tollund. Crédito: Sven Rosborn.

Por Carly Cassella
Publicado na ScienceAlert

O Homem de Tollund é uma das mais famosas “múmias do pântano” já descobertas no norte da Europa.

Embora o ser humano de 30 a 40 anos tenha sido enterrado em um pântano há mais de 2.400 anos, a turfa ácida mumificou seu corpo em um grau notável, preservando seu cabelo, cérebro, pele, unhas e intestinos – até mesmo um laço de couro em volta do pescoço.

Apesar de todas as evidências, ainda não sabemos por que ele foi morto. Uma análise atualizada do intestino do homem revelou agora todo o conteúdo de sua última refeição, e parece cada vez mais como se ele fosse algum tipo de sacrifício humano.

Quase um dia antes do Homem de Tollund ser enforcado e enterrado no pântano, os pesquisadores dizem que ele comeu mingau, contendo cevada, linho, sementes de plantas e ervas daninhas.

Isso é semelhante ao que os cientistas descobriram no início da década de 1950, quando o corpo foi descoberto pela primeira vez onde hoje é a moderna Dinamarca. Mas, ao contrário das análises anteriores, esta também notou alguns novos ingredientes, como as proteínas gordurosas do peixe e também os restos de resíduos da debulha, que vêm da separação dos grãos.

Essa é uma descoberta intrigante, pois uma análise recente de outro corpo de pântano, conhecido como o Homem de Grauballe, também revelou uma quantidade surpreendentemente grande de resíduos de debulha não notados antes.

O Homem de Grauballe também foi morto e enterrado em um pântano ácido, e o conteúdo semelhante de sua última refeição à última refeição do Homem de Tollund pode indicar uma espécie de ritual.

Homem de Tollund em exibição no Museu de Silkeborg. Crédito: Museu de Silkeborg.

Enquanto outros corpos de pântano parecem ter comido mingau ou pão com carne ou frutas silvestres, resíduos de debulha e uma abundância de sementes podem indicar uma ocasião especial. Ou isso, ou esses ingredientes foram simplesmente adicionados para dar sabor ou nutrição.

“Embora a refeição possa refletir a comida comum da Idade do Ferro, a inclusão de resíduos de debulha pode estar relacionada a práticas rituais”, escreveram os autores.

Esta não é a primeira vez que o Homem de Tollund ou o Homem de Grauballe são vítimas suspeitas de sacrifício.

Embora outros corpos encontrados no pântano possam ter caído mortos ou afogados na turfa por acidente, a forma como o Homem de Tollund foi morto e depois cuidadosamente enterrado, com os olhos e a boca fechados e o corpo em posição fetal, leva alguns cientistas a pensar que ele estava um sacrifício aos deuses.

Considerando que o Homem de Tollund foi enterrado perto de um local onde as pessoas da Idade do Ferro cavavam para obter turfa, é possível que seu corpo representasse uma forma de gratidão pela terra.

Alguns relatos de historiadores romanos da época até escreveram sobre sacrifícios humanos semelhantes no noroeste da Europa, embora esses fossem relatos frequentemente tendenciosos que poderiam ter maquiado a verdade sobre certas tribos.

O rosto notavelmente preservado do Homem de Tollund. Crédito: Museu de Silkeborg.

Além da maneira como o Homem de Tollund foi enterrado, seu intestino é uma das pistas mais interessantes que temos.

Mais pesquisas serão necessárias para determinar se outras múmias de pântano também comeram refeições contendo resíduos de debulha ou sementes, ou se estes eram, de fato, ingredientes especiais dados a humanos antes de serem sacrificados.

O Homem de Tollund pode estar morto há muito tempo, mas seu mistério continua vivo.

O estudo foi publicado na Antiquity.