Um antigo coronavírus se espalhou pelo Leste Asiático há 25.000 anos

Os humanos têm lutado contra vírus perigosos desde o início dos tempos.

0
143
(Créditos: Shutterstock)

Traduzido por Julio Batista
Original de  para a Live Science

Um antigo coronavírus pode ter infectado os ancestrais de pessoas que vivem na Ásia Oriental moderna, se espalhando 25.000 anos atrás e perdurando por milênios, de acordo com um novo estudo.

A pandemia de COVID-19, que já ceifou mais de 3 milhões de vidas, revelou o quão vulneráveis ​​somos a novos vírus. Mas por mais nova que essa ameaça pareça, os humanos têm lutado contra vírus perigosos desde o início dos tempos.

“Sempre houve vírus infectando populações humanas”, disse o autor sênior do estudo David Enard, professor assistente de ecologia e evolução da Universidade do Arizona. “Os vírus são realmente um dos principais motores da seleção natural nos genomas humanos.”

Isso porque os genes que aumentam as chances das pessoas de sobreviverem aos patógenos têm maior probabilidade de serem transmitidos às novas gerações.

Usando ferramentas modernas, os pesquisadores podem detectar os vestígios desses patógenos antigos – identificando como eles impulsionaram a seleção natural – no DNA das pessoas que vivem hoje. Esta detecção, por sua vez, pode fornecer informações valiosas para ajudar a prever futuras pandemias, disse Enard à Live Science. “Quase sempre é verdade que coisas que ocorreram com frequência no passado têm maior probabilidade de ocorrer novamente no futuro.”

Usando informações disponíveis em um banco de dados público, Enard e sua equipe analisaram os genomas de 2.504 pessoas em 26 diferentes populações humanas em todo o mundo. As descobertas, que ainda não foram revisadas por pares, foram postadas em 13 de janeiro no banco de dados de pré-impressão bioRxiv, e o estudo está em processo de revisão para publicação em um periódico científico.

Quando os coronavírus penetram nas células humanas, eles sequestram o mecanismo das células para se replicar. Isso significa que o sucesso de um vírus depende de suas interações com centenas de proteínas humanas diferentes. Os pesquisadores analisaram um conjunto de 420 proteínas humanas conhecidas por interagirem com os coronavírus, 332 das quais interagem com o SARS-CoV-2, o vírus que causa a COVID-19. A maioria dessas proteínas ajuda o vírus a se replicar dentro das células, mas algumas ajudam a célula a lutar contra o vírus.

Os genes que codificam essas proteínas sofrem mutação constante e aleatória, mas se uma mutação der uma vantagem a um gene – como uma melhor capacidade de combater um vírus – ele terá uma chance melhor de ser transmitido à próxima geração ou de ser selecionado para isso.

Na verdade, os pesquisadores descobriram que, em pessoas de ascendência asiática, certos genes conhecidos por interagirem com os coronavírus foram selecionados. Em outras palavras, com o tempo, certas variantes apareceram com mais frequência do que seria esperado ao acaso. Esse conjunto de mutações provavelmente ajudou os ancestrais dessa população a se tornarem mais resistentes ao vírus antigo, alterando a quantidade dessas proteínas produzida pelas células.

Os pesquisadores descobriram que as variantes do gene que codificavam 42 das 420 proteínas que analisaram começaram a aumentar em frequência cerca de 25.000 anos atrás. A disseminação de variantes vantajosas continuou até cerca de 5.000 anos atrás, sugerindo que o antigo vírus continuou a ameaçar essas populações por um longo tempo.

Proteção desconhecida

“Os vírus exercem algumas das pressões seletivas mais fortes sobre os humanos para se adaptarem, e os coronavírus provavelmente já existiam há muito tempo antes da existência dos humanos”, disse Joel Wertheim, professor associado do Departamento de Medicina da Universidade da Califórnia em San Diego, Estados Unidos, que não fez parte do estudo. “Portanto, embora não seja inesperado que os coronavírus tenham conduzido a adaptação em humanos, este estudo apresenta uma investigação fascinante sobre como e quando isso aconteceu.”

Ainda assim, “é muito difícil dizer se o vírus que causou essa evolução também era ou não um coronavírus, mas parece uma teoria plausível de trabalho”, disse Wertheim à Live Science por e-mail.

Enard concordou que o antigo patógeno que atormentou nossos ancestrais pode não ter sido um coronavírus; em vez disso, pode ter sido outro tipo de vírus que por acaso interage com as células humanas da mesma forma que os coronavírus.

Outro grupo de pesquisadores descobriu recentemente que os sarbecovírus, a família dos coronavírus que inclui o SARS-CoV-2, evoluíram pela primeira vez 23.500 anos atrás, na mesma época em que as variações genéticas que codificam proteínas associadas ao coronavírus surgiram nas pessoas. As descobertas do sarbecovírus também foram pré-publicadas no bioRxiv em 9 de fevereiro, e ainda não foram revisadas por pares.

Esse segundo estudo fornece uma confirmação “nítida” para toda a história, disse Enard.

Embora as descobertas sejam intrigantes, elas não mudam nossa compreensão de quais populações sobrevivem melhor às infecções por SARS-CoV-2, disse Enard. Não há evidências de que essas antigas adaptações de genes ajudem a proteger as pessoas modernas do SARS-CoV-2. Na verdade, é “quase impossível fazer esse tipo de afirmação”, disse Enard.

Em vez disso, fatores sociais e econômicos, como acesso a cuidados de saúde, provavelmente desempenham um papel muito maior do que os genes em quem adoece de COVID-19, acrescentou.

Enard e sua equipe agora esperam colaborar com os virologistas para entender como essas adaptações ajudaram os humanos antigos a sobreviver à exposição a este coronavírus primitivo. A equipe também espera que, eventualmente, esses estudos do genoma antigo possam ser usados ​​como um “sistema de alerta precoce” para futuras pandemias. Por exemplo, os pesquisadores podem primeiro pesquisar os vírus na natureza que ainda não infectaram as populações humanas e, em seguida, procurar seus vestígios no DNA humano. Se eles descobrirem que um vírus causou muitas epidemias antigas, pode ser um bom motivo para vigiá-lo de perto, disse Enard.

Embora tenhamos vislumbres do impacto deste vírus antigo nos ancestrais de pessoas que vivem hoje, as gerações futuras provavelmente não serão capazes de ver os traços do SARS-CoV-2 em nosso genoma, acrescentou Enard. Graças à vacinação, o vírus não terá tempo de conduzir uma adaptação evolutiva, disse ele.