Um bispo mumificado do século 17 foi enterrado com um feto. Finalmente sabemos por quê

0
220
O embrulho pequeno e triste do feto, espremido no forro do caixão. (Créditos: Gunnar Menander)

Traduzido por Julio Batista
Original de Michelle Starr para o ScienceAlert

O bispo de Lund Peder Pedersen Winstrup, das Igrejas da Suécia e da Dinamarca, morreu em 1679. Homem importante e respeitado, seu corpo foi mumificado e colocado para jazer em uma tumba abobadada da família na Catedral de Lund. Além da preservação excepcional de seus restos mortais, nada parecia incomum em sua morte ou sepultamento.

Em 2012, quando foi tomada a decisão de mover o caixão de Winstrup, os cientistas aproveitaram a chance de estudar seus restos mortais. Foi então que o encontraram – o minúsculo cadáver de um feto, natimorto com não mais de cinco ou seis meses de gestação, cuidadosamente colocado entre as panturrilhas do bispo.

Encontrar um feto ou bebê com os restos mortais de uma mulher, geralmente presumido como a mãe, não é incomum na arqueologia. Registros mostram que os restos mortais de crianças também foram sepultados na Catedral de Lund – às vezes até sem relação com os outros corpos com os quais foram colocados, já que a tumba às vezes era usada como um depósito provisório para os restos mortais.

Mas colocado no caixão de um bispo? Um bispo importante que morreu com a idade respeitável de 74 anos? E não apenas colocado, mas escondido no forro do caixão, como se tivesse sido colocado apressada e secretamente? Este foi um quebra-cabeça que os arqueólogos tiveram que resolver.

“Não era incomum para crianças pequenas serem colocadas em caixões com adultos. O feto pode ter sido colocado no caixão após o funeral, quando estava em uma tumba abobadada na Catedral de Lund e, portanto, acessível”, disse o arqueólogo Torbjörn Ahlström de Universidade na Suécia em Lund.

“Colocar um caixão em um tumba abobadada é uma coisa, mas colocar o feto no caixão do bispo é outra completamente diferente. Isso nos fez questionar se havia alguma relação entre a criança e o bispo.”

Winstrup e o feto colocado em seu caixão. (Créditos: Krzewinska et al., J. Archaeol. Sci. Rep., 2021)

A equipe coletou amostras de ambos os conjuntos de restos mortais e conduziu sequências genéticas completas do DNA extraído.

Lá, a resposta estava. Aproximadamente 25% de seus genes eram compatíveis. Isso indica uma relação secundária entre os dois, como aquela entre um tio e sobrinho, meio-irmãos, primos de segundo grau – ou, muito mais provavelmente dada a idade relativa dos restos mortais, um avô e um neto.

Isso também é apoiado por evidências cromossômicas. Winstrup e o feto não compartilham DNA mitocondrial, que é transmitido pela mãe; isso significa que a mãe não era filha de Winstrup. Além disso, os dois cadáveres compartilhavam um cromossomo Y, que só pode ser transmitido pelo pai.

Isso sugere que o pai da criança era filho de Winstrup. Do primeiro casamento do bispo, ele teve um filho que sobreviveu à idade adulta, também chamado Peder Pedersen Winstrup.

De acordo com registros históricos, o jovem Winstrup estudou engenharia de fortificação – em vez de teologia – quando passou pela Universidade de Leiden, na Holanda, durante a juventude. Ele se casou posteriormente em 1679 com uma jovem nobre chamada Dorothea Sparre, que trouxe com ela Södertou, a propriedade de seu falecido pai.

Em 1680, durante a Grande Redução, na qual a coroa sueca recuperou terras doadas à aristocracia, o jovem Winstrup perdeu suas propriedades, incluindo a propriedade Lundagård do avô Winstrup. Ele passou o resto de sua vida na miséria, nunca tendo um filho; a linhagem masculina morreu com ele em algum momento do início do século XVIII.

O feto, portanto, parece ser um pedaço da triste história do homem – talvez colocado no caixão de seu pai como um ato simbólico, disseram os pesquisadores – o último herdeiro Winstrup masculino enterrado com seu avô.

“Com os resultados da análise [do DNA antigo] em mãos e a genealogia, a única pessoa capaz de fornecer um parente de segundo grau para Peder Winstrup através da linhagem paterna foi seu filho, Peder. O feto de um menino colocado no caixão poderia, portanto, ser neto do bispo”, escreveram os pesquisadores em seu paper.

“Parece provável que os parentes tivessem acesso à cripta onde estavam guardados os caixões dos Winstrup e, portanto, a possibilidade de depositar o feto em um dos caixões, no caso o de Peder Winstrup.”

É possível que alguém quisesse garantir que a criança que havia perdido a oportunidade de experimentar a vida estivesse pelo menos com a família na morte.

A pesquisa da equipe foi publicada no Journal of Archaeological Science: Reports.