DNA revela que humanos modernos cruzaram com neandertais há um tempo surpreendentemente recente

0
26
Crânio de um humano moderno de Zlatý kůň. (Créditos: Marek Jantač)

Traduzido por Julio Batista
Original de Sara Hussein (AFP) para o ScienceAlert

O sequenciamento genético de restos mortais humanos datando de 45.000 anos revelou uma migração até então desconhecida para a Europa e mostrou que o cruzamento com Neandertais naquele período era mais comum do que se pensava anteriormente.

A pesquisa é baseada na análise de vários restos humanos antigos – incluindo um dente inteiro e fragmentos de ossos – encontrados em uma caverna na Bulgária no ano passado.

O sequenciamento genético descobriu que os restos mortais vieram de indivíduos que estavam mais intimamente ligados às populações atuais no Leste Asiático e nas Américas do que as populações da Europa.

“Isso indica que eles pertenciam a uma migração humana moderna para a Europa que não era conhecida anteriormente pelo registro genético”, disse a pesquisa, publicada na quarta-feira na revista Nature.

Também “fornece evidências de que houve pelo menos alguma continuidade entre os primeiros humanos modernos na Europa e os povos posteriores na Eurásia”, acrescentou o estudo.

Segundo molar inferior de um humano moderno encontrado na caverna Bacho Kiro. (Créditos: MPI-EVA/Rosen)

As descobertas “mudaram nossa compreensão anterior das primeiras migrações humanas para a Europa”, disse Mateja Hajdinjak, pesquisadora associada do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva da Alemanha, que ajudou a liderar a pesquisa.

“Isso mostrou como até mesmo a história mais antiga dos europeus modernos na Europa pode ter sido conturbada e envolvido substituições de população”, disse ela à AFP.

Uma possibilidade levantada pelas descobertas é “uma dispersão de grupos humanos que então foram substituídos (por outros grupos) posteriormente na Eurásia Ocidental, mas continuaram vivendo e contribuindo com a ancestralidade do povo na Eurásia Oriental”, acrescentou ela.

Os restos mortais foram descobertos no ano passado na caverna Bacho Kiro, na Bulgária, e foram reivindicados na época como evidência de que os humanos viviam ao lado dos neandertais na Europa muito mais cedo do que se pensava.

A análise genética dos restos mortais também revelou que os humanos modernos na Europa naquela época cruzaram mais com os Neandertais do que se supunha anteriormente.

Todos os “indivíduos da caverna Bacho Kiro têm ancestrais neandertais de cinco a sete gerações antes deles, sugerindo que a mistura (cruzamento) entre esses primeiros humanos na Europa e os neandertais era comum”, disse Hajdinjak.

Evidências anteriores para o cruzamento humano moderno-neandertal na Europa vieram de um único indivíduo chamado Oase 1, datado de 40.000 anos e encontrado na Romênia.

“Até agora, não podíamos excluir que fosse um achado fortuito”, disse Hajdinjak.

História humana ‘perdida no tempo’

As descobertas foram acompanhadas por uma pesquisa separada publicada na quarta-feira na revista Nature Ecology and Evolution envolvendo o sequenciamento do genoma de amostras de um crânio encontrado na República Tcheca.

O crânio foi encontrado na área de Zlatý kůň em 1950, mas sua idade tem sido objeto de debate e descobertas contraditórias nas décadas seguintes.

A análise inicial sugeriu que tinha mais de 30.000 anos, mas a datação por radiocarbono indicou uma idade mais próxima dos 15.000 anos.

A análise genética agora parece ter resolvido o problema, sugerindo uma idade de pelo menos 45.000 anos, disse Kay Prufer, do departamento de arqueogenética do Instituto Max Planck, que liderou a pesquisa.

“Aproveitamos o fato de que todos que traçam sua ancestralidade até os indivíduos que deixaram a África há mais de 50.000 anos carregam um pouco da ancestralidade neandertal em seus genomas”, disse ele à AFP.

Esses vestígios de Neandertal aparecem em blocos curtos nos genomas humanos modernos, e em blocos cada vez mais longos no passado.

“Em indivíduos mais velhos, como o homem de Ust’-Ishim de 45.000 anos da Sibéria, esses blocos são muito mais longos”, disse Prufer.

“Descobrimos que o genoma da mulher de Zlatý kůň tem blocos ainda mais longos do que os do homem de Ust’-Ishim. Isso nos dá a certeza de que ela viveu na mesma época, ou até antes.”

Apesar de ser datado aproximadamente do mesmo período em que os restos de Bacho Kiro, o crânio de Zlatý kůň não compartilha ligações genéticas com as populações asiáticas ou europeias modernas.

Prufer agora espera estudar como as populações que produziram os dois conjuntos de restos mortais estavam relacionadas.

“Não sabemos quem foram os primeiros europeus que se aventuraram em uma terra desconhecida”, disse ele.

“Ao analisar seus genomas, estamos descobrindo uma parte de nossa própria história que se perdeu no tempo.”

© Agence France-Presse