Um dinossauro espirrando? Fóssil revela doença mortal semelhante à gripe em um saurópode

0
375
Paleoarte de 'Dolly' espirrando. Crédito: Corbin Rainbolt.

Por Mindy Weisberger
Publicado na Live Science

Tosse, espirros incontroláveis, febre alta e dores de cabeça podem deixar qualquer um mal – até mesmo um dinossauro.

Recentemente, pesquisadores identificaram a primeira evidência de doença respiratória em um tipo de dinossauro herbívoro de pescoço longo conhecido como saurópode, que viveu cerca de 150 milhões de anos atrás durante o período Jurássico (201,3 milhões a 145 milhões de anos atrás) onde hoje é o estado de Montana, nos EUA.

O fóssil, apelidado de “Dolly”, continha estruturas deformadas nos ossos do pescoço. Essas vértebras já foram acopladas a sacos aéreos que se conectavam aos pulmões e faziam parte do sistema respiratório do saurópode, e a aparência anormal dos ossos provavelmente foi causada por uma infecção respiratória que pode ter levado à morte do animal quando ele tinha 15 a 20 anos, descobriram os pesquisadores.

Embora os paleontólogos não saibam que tipo de microrganismo adoeceu o saurópode, o dinossauro provavelmente experimentou sintomas semelhantes aos da gripe, parecido com os que afetam pássaros modernos (e pessoas) com doenças respiratórias graves, de acordo com um estudo publicado na revista Scientific Reports.

O complexo pulmonar do saurópode. Créditos: Woodruff et al., 2022 / Francisco Bruñén Alfaro.

Paleontólogos encontraram o fóssil – um crânio e um pescoço parcial – perto de Bozeman, Montana, em 1990. Depois de envolver em uma camada protetora de gesso, eles o levaram para o Museu das Montanhas Rochosas, nas proximidades.

O fóssil, agora conhecido como MOR 7029, permaneceu sem ser analisado no museu por mais de uma década, disse o principal autor do estudo, Cary Woodruff, diretor de paleontologia do Museu dos Dinossauros das Grandes Planícies em Malta, Montana.

Woodruff começou a estudar Dolly em meados dos anos 2000 como candidato ao mestrado no Museu das Montanhas Rochosas, e percebeu que o fóssil era de uma espécie não descrita da família Diplodocidae dos Diplodocos (o apelido não oficial de Dolly começa com a mesma letra de “diplodoco”, e também é uma homenagem à cantora e compositora country Dolly Parton, disse Woodruff à Live Science).

Ele voltou ao local onde Dolly foi originalmente escavado, para ver se havia mais ossos a serem encontrados, e levou até 2018 para Woodruff coletar todo o material disponível e examiná-lo juntos.

No início de sua investigação, “essas estruturas patológicas nas vértebras simplesmente ficaram evidentes”, e as anomalias ósseas eram diferentes de tudo que ele ou qualquer especialista em saurópodes já tinha visto, disse ele.

Ossos parecidos com brócolis

Os sistemas respiratórios dos saurópodes, como os de seus parentes modernos, eram diferentes dos mamíferos, com redes de sacos aéreos que se ligavam aos pulmões e funcionavam como um fole, circulando oxigênio durante a expiração e a inspiração, de acordo com o estudo. Nos saurópodes, o tecido respiratório estava conectado às vértebras do pescoço em torno de grandes orifícios nas laterais dos ossos, conhecidos como pleuroceles.

O tecido da pleurocele é geralmente muito liso – quase como vidro. Mas em três das vértebras de Dolly, a tomografia computadorizada (TC) de raios-X revelou que os limites da pleurocele eram irregulares e ásperos, com saliências irregulares “como a cabeça de uma flor de brócolis”, disse Woodruff.

“O fato de termos essas estruturas estranhas naquela junção onde o tubo respiratório se conecta às vértebras foi um ponto muito bom para nos indicar o fato de que isso pode estar relacionado à respiração”, disse ele.

Uma infecção que causou aerossaculite – inflamação ou infecção dos sacos aéreos – poderia ter se espalhado para o osso e produzido as lesões que foram preservadas nos fósseis, relataram os autores do estudo.

Mapa esquemático do pescoço do diplodoco e um close da estrutura. Créditos: Woodruff et al., Scientific Reports, 2022.

Um fungo entre nós

As infecções respiratórias podem ser causadas por bactérias, vírus, fungos e parasitas. Para delimitar o que pode ter desencadeado o desconforto respiratório de Dolly, os autores do estudo compararam as cicatrizes dos fósseis com lesões de doenças respiratórias em pássaros modernos, que são uma linhagem viva de dinossauros. (Os saurópodes ocupam um ramo diferente da árvore genealógica dos dinossauros e são um tipo de dinossauro não aviário.)

Os pesquisadores também consideraram distúrbios respiratórios que afetam os répteis modernos, que são parentes distantes dos dinossauros.

Eles identificaram uma doença respiratória fúngica que afeta tanto répteis quanto aves: a aspergilose, causada pelo fungo Aspergillus e a causa mais comum de doença respiratória em aves modernas. Se o distúrbio respiratório mais comum em um dinossauro vivo é uma infecção fúngica, “isso dá suporte ao fato de que um dinossauro no passado também poderia ter sido suscetível a doenças fúngicas”, disse Woodruff à Live Science.

Aves com doenças respiratórias exibem muitos dos mesmos sintomas causados ​​por gripe e pneumonia em pessoas, incluindo espirros, tosse, dor de cabeça, febre, diarreia e perda de peso, o que torna muito fácil imaginar o quão mal um dinossauro doente pode ter se sentido milhões de anos atrás, disse Woodruff.

“Você pode segurar aquele fóssil de Dolly em sua mão e saber que 150 milhões de anos atrás, aquele dinossauro estava se sentindo tão mal quando estava doente quanto você quando está doente”, disse ele. “Pessoalmente, não conheço nenhum fóssil com o qual tenha interagido com o qual tenha sido capaz de simpatizar e sentir tão mal pelo animal”.

A doença de Dolly era grave o suficiente para ser mortal?

Embora seja impossível dizer com certeza, a aspergilose em aves modernas pode ser letal se não for tratada, e estar doente pode ter diminuído ainda mais as chances de sobrevivência do dinossauro, relataram os autores do estudo.

Em animais de manada, como os saurópodes, os indivíduos doentes podem se auto-isolar do grupo ou podem ficar para trás quando o grupo se desloca, o que pode torná-los alvos fáceis para predadores – especialmente quando os animais já estão enfraquecidos pela doença.

“Independentemente de exatamente como a morte ocorreu, acho que essa doença definitivamente contribuiu para a morte do animal de uma forma ou de outra”, disse Woodruff.