A Peste Negra não matou metade da Europa, afirma novo estudo

0
452
Uma amostra de pólen sob o microscópio com ampliação de 40x. Crédito: Lucrezia Masci.

Por Adam Izdebski
Publicado no The Conversation

Na imaginação popular, a Peste Negra é a pandemia mais devastadora que já atingiu a Europa. Entre 1346 e 1353, acredita-se que a peste tenha atingido quase, se não todos os cantos do continente, matando 30-50 por cento da população.

Este relato é baseado em textos e documentos escritos por oficiais do estado ou da igreja e outras testemunhas alfabetizadas.

Mas, como em todas as fontes medievais, a cobertura geográfica desta documentação é desigual. Enquanto alguns países, como Itália ou Inglaterra, podem ser estudados em detalhes, existem apenas pistas vagas para outros, como a Polônia.

Sem surpresa, os pesquisadores trabalharam para corrigir esse desequilíbrio e descobrir diferentes maneiras de descobrir a extensão da mortalidade da Peste Negra.

Em nosso novo estudo, usamos 1.634 amostras de pólen fossilizado de 261 lagos e pântanos em 19 países europeus. Essa vasta quantidade de material nos permitiu comparar o impacto demográfico da Peste Negra em todo o continente.

O resultado? A taxa da mortalidade da pandemia não foi tão universal quanto atualmente é reivindicada e, também, nem foi sempre catastrófica.

Arquivos naturais

Lagos e pântanos são maravilhosos arquivos históricos da natureza. Eles acumulam continuamente restos de organismos vivos, solo, rochas e poeira. Esses depósitos (muitas vezes “lamacentos”) podem registrar centenas ou milhares de anos de mudanças ambientais.

Podemos explorar esses arquivos separando núcleos e analisando amostras retiradas dos núcleos em intervalos regulares, do topo (presente) ao fundo (passado).

Confiamos na análise de pólen em nosso estudo. Como os grãos de pólen são construídos com polímeros duráveis ​​e diferem em forma entre as plantas, eles podem ser contados e identificados em cada amostra de sedimento. Esses grãos nos permitem reconstruir a paisagem local e as mudanças ao longo do tempo. Eles ajudam a esclarecer o uso humano da terra e a história da agricultura.

Por mais de um século, paleoecologistas – pessoas que estudam ecossistemas do passado – vêm acumulando dados. Em várias regiões do mundo, a quantidade de evidências disponíveis é esmagadora e certamente suficiente para fazer perguntas sobre grandes eventos históricos, como a Peste Negra. Sua mortalidade afetou o uso da terra? Os campos aráveis ​​foram transformados em pastagens ou desertos e deixados à natureza?

Se um terço ou metade da população da Europa morresse em poucos anos, seria de esperar um quase colapso da paisagem cultivada medieval. Ao aplicar técnicas estatísticas avançadas aos dados de pólen disponíveis, testamos esse cenário, região por região.

Abordagem paleoecológica usada para verificar a mortalidade da Peste Negra.

A ecologia da Peste Negra

Descobrimos que havia de fato partes da Europa onde a paisagem humana recuou dramaticamente após a chegada da Peste Negra. Este foi o caso, por exemplo, no sul da Suécia, na Itália central e na Grécia.

Em outras regiões, como a Catalunha ou a República Tcheca, no entanto, não houve diminuição perceptível da influência humana sobre a paisagem. Em outras ainda, como a Polônia, os países bálticos e a Espanha central, o cultivo intensivo de mão-de-obra ainda aumentou, à medida que a colonização e a expansão agrícola continuaram ininterruptas ao longo do final da Idade Média.

Isso significa que a mortalidade da Peste Negra não foi universal nem universalmente catastrófica. Se fosse, os registros de sedimentos da paisagem da Europa diriam isso.

O impacto demográfico da Peste Negra

Cenários do impacto demográfico da Peste Negra. Créditos: Izdebski et al., Nature Ecology & Evolution, 2022.

Essa nova narrativa de uma Peste Negra regionalmente variável se encaixa bem com o que sabemos sobre como a peste pode se espalhar para e entre as pessoas e como pode circular em roedores urbanos e selvagens e suas pulgas. Essa peste não devastou igualmente todas as regiões europeias e isso não deveria nos surpreender.

Não apenas as sociedades são afetadas e podem responder de maneira diferente, mas não devemos esperar que a peste se espalhe sempre da mesma maneira ou que as pandemias de peste sejam facilmente sustentadas.

A peste é uma doença de roedores selvagens e suas pulgas. Os seres humanos são hospedeiros acidentais, que geralmente são considerados incapazes de sustentar a doença por muito tempo. Embora como os surtos de peste se espalhem de reservas de roedores selvagens e se espalhem para e dentro das populações humanas seja um assunto de estudo contínuo, nas sociedades humanas sabemos que pode se espalhar por vários meios.

As pessoas podem contraí-lo na maioria das vezes através de picadas de pulgas, mas uma vez que ocorram transbordamentos patogênicos bem-sucedidos, vários meios de transmissão podem desempenhar um papel e, portanto, o comportamento humano, bem como as condições de vida, estilo de vida e ambiente local, afetarão a capacidade de disseminação da praga.

Embora a transmissão da peste na Peste Negra continue a ser estudada, os historiadores tendem a se concentrar em ratos e suas pulgas desde o início do século 20, e costumam esperar que a peste tenha se comportado na Peste Negra de maneiras muito semelhantes em muitos lugares.

Mas, como os acadêmicos repensarammapa e a linha do tempo da pandemia, também devemos repensar como ela se espalhou. As condições locais teriam influenciado a difusão da praga por uma região e, portanto, sua mortalidade e efeito na paisagem.

O modo como as pessoas viviam – 75% a 90% dos europeus viviam no campo – ou por quanto tempo, quão longe e por quais meios eles se deslocavam, poderia ter influenciado o curso da pandemia. Os padrões de comércio de grãos, que teriam ajudado os ratos a se locomover, podem ter sido outro fator importante, assim como as condições meteorológicas e o clima quando a praga começou.

A saúde das vítimasas cargas de doenças regionais foram outras variáveis, duas também parcialmente moldadas pelo clima, para não mencionar a nutrição e a dieta, incluindo a disponibilidade de alimentos e como eles foram distribuídos.

Lições da pandemia

Nossa descoberta da impressionante variabilidade regional na Peste Negra tem consequências,  potencialmente dentro e além do estudo do passado da peste. Deve nos impedir de fazer generalizações rápidas sobre a propagação e o impacto da pandemia mais infame da história.

Também deve mudar a forma como a Peste Negra é usada como modelo para outras pandemias. Ainda pode ser a “mãe de todas as pandemias”, mas o que pensamos que foi a Peste Negra está mudando. Nossa descoberta também pode nos impedir de tirar conclusões simples sobre outras pandemias, principalmente aquelas menos estudadas e com narrativas baseadas em evidências fragmentárias.

O contexto importa. A atividade econômica pode determinar as rotas de disseminação, a densidade populacional pode influenciar a rapidez e a amplitude da propagação de uma doença e o “comportamento” do patógeno pode diferir entre climas e paisagens.

As teorias médicas e populares sobre a causa da doença moldarão o comportamento humano, pois a confiança nas autoridades afetará sua capacidade de gerenciar a propagação da doença, e as desigualdades sociais garantirão as disparidades no número de um surto.

Embora não haja duas pandemias iguais, o estudo do passado pode nos ajudar a descobrir onde procurar nossas próprias vulnerabilidades e como nos preparar melhor para futuros surtos. Para começar a fazer isso, porém, precisamos reavaliar epidemias passadas com todas as evidências que pudermos.