Um estranho fóssil no sul da China revela uma ligação intrigante com os primeiros americanos

0
58
Fragmento de crânio desenterrado da Caverna do Veado Vermelho. (Créditos: Xueping Ji)

Traduzido por Julio Batista
Original de Mike McRae para o ScienceAlert

Restos mortais recuperados de uma caverna na província chinesa de Yunnan há mais de 10 anos finalmente revelaram seus segredos, com uma análise de DNA revelando não apenas quem os deixou, mas também para onde seus ancestrais iriam.

Pesquisadores da Academia Chinesa de Ciências avaliaram sequências nucleares e mitocondriais extraídas de um crânio de 14.000 anos, descobrindo que a mulher a quem pertenceu – apelidada de Mengzi Ren – estava intimamente relacionada a populações que acabariam sendo as primeiras a pisar nas Américas.

Desde sua descoberta em 2008, dezenas de ossos humanos do Paleolítico tardio deixados para trás em Malu Dong (Caverna do Veado Vermelho) no sudoeste da China deixaram os antropólogos coçando a cabeça sobre a quem eles poderiam ter pertencido.

Sem colágeno suficiente para basear uma análise de datação por carbono, sua idade só pode ser estimada a partir das características circundantes de seus locais de descanso. Não está claro se a mistura de ossos que inclui um fragmento de crânio e a extremidade superior de um fêmur vem do mesmo indivíduo.

O que está claro é que quem os deixou para trás representou uma mistura única de características arcaicas e modernas.

Talvez, não muito diferente das populações mais antigas de Homo floresiensis, eles fossem um humano ancestral que tentava sobreviver no sudeste da Ásia. Ou talvez fossem uma mistura híbrida de humanos muito mais velhos e uma população mais moderna.

Também é possível que alguns traços ancestrais tenham simplesmente ficado em seus genes, apesar de milhares de anos de evolução.

Para descobrir exatamente onde Mengzi Ren estava em nossa extensa árvore genealógica, os pesquisadores sequenciaram o DNA que poderiam extrair, mapeando-o de acordo com um modelo padrão de referência genômica.

Como o DNA mitocondrial só é transmitido através do óvulo de uma mãe, eles poderiam identificar sua linhagem matriarcal como um ramo agora extinto que agora é representado por apenas duas subpopulações modernas.

Um olhar mais atento em seu DNA nuclear verificou os laços estreitos de Megzi Ren com humanos anatomicamente modernos, quase descartando sua herança entre um ramo mais antigo.

“A antiga técnica de DNA é uma ferramenta realmente poderosa”, disse Bing Su, arqueólogo da Academia Chinesa de Ciências.

“Isso nos diz definitivamente que o povo da Caverna do Veado Vermelho eram humanos modernos em vez de uma espécie arcaica, como neandertais ou denisovanos, apesar de suas características morfológicas incomuns”.

Embora Mengzi Ren esteja mais intimamente relacionada às populações do sul da China de hoje do que às do norte, ela tem menos em comum com as pessoas que agora vivem no sudeste da Ásia, sugerindo que já havia populações bem estruturadas e diversificadas na região há milhares de anos.

Isso não quer dizer que a Ásia foi povoada de baixo para cima. Há fortes evidências de que uma população relativamente pequena de humanos também se aventurou do norte para se estabelecer no leste, sendo que um grupo que se dividiria para se aventurar pelo trecho coberto de gelo do Estreito de Bering para colonizar a vasta região selvagem das Américas.

Ligar o DNA de Mengzi Ren com sequências dessa população do norte significa que agora há fortes evidências de laços entre não apenas as populações asiáticas modernas e as Primeiras Nações da América, mas também as antigas linhagens asiáticas.

“Esses dados não apenas nos ajudarão a pintar um cenário mais completo de como nossos ancestrais migraram, mas também contêm informações importantes sobre como os humanos mudam sua aparência física ao se adaptar aos ambientes locais ao longo do tempo, como as variações na cor da pele em resposta a mudanças na exposição à luz solar”, disse Su.

Se tudo correr como planejado, Mingzi Ren não estará sozinha em ter seus genes decifrados. Não só a Caverna do Veado Vermelho tem mais segredos para revelar, mas também muitos outros locais do Pleistoceno Superior em toda a Ásia.

Dentro desses ossos, sem dúvida, descobriremos mais detalhes de como a população humana de hoje viajou, se estabeleceu e explorou cada centímetro do nosso planeta.

Esta pesquisa foi publicada na Current Biology.