Um tratamento centenário foi aprovado para a COVID-19 nos EUA. Veja como ele funciona

0
167
Transferência de plasma humano. Crédito: Getty Images.

Por Aria Bendix
Publicado no Business Insider

Durante a pandemia de gripe espanhola de 1918, os médicos descobriram que podiam tratar pacientes doentes com o sangue daqueles que já haviam se recuperado. A terapia, conhecida como terapia com plasma convalescente, ajudou a reduzir a mortalidade entre pessoas com infecções agudas.

Agora, o Food and Drug Administration (FDA) emitiu uma autorização de emergência para o uso da terapia em pacientes com COVID-19.

Os anticorpos se desenvolvem no plasma, a porção líquida do sangue – eles fazem parte da resposta natural do nosso corpo a um patógeno estranho. Portanto, a ideia por trás do tratamento é ajudar as pessoas doentes a formar uma resposta de anticorpos ao vírus, transferindo plasma por via intravenosa de quem já tem anticorpos.

“O que realmente precisamos são drogas que, quando usadas cedo, possam impedir uma pessoa sintomática de exigir hospitalização ou muito dramaticamente diminuir a duração dos sintomas”, disse o Dr. Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID), ao fundador do Facebook Mark Zuckerberg, no mês passado.

O plasma convalescente é especialmente promissor nesse aspecto.

A autorização de uso de emergência do FDA permitirá que os médicos administrem o tratamento no início do curso de uma infecção, quando se acredita ser mais eficaz. Esperava-se que a agência autorizasse o tratamento com plasma na semana passada, mas foi adiado de última hora depois que autoridades de saúde federais, incluindo Fauci, pediram mais dados de testes de controle randomizados, relatou o New York Times.

O Dr. Thomas File, presidente da Sociedade de Doenças Infecciosas da América, disse que os dados disponíveis sobre o tratamento ainda são insuficientes.

“Embora os dados até o momento mostrem alguns sinais positivos de que o plasma convalescente possa ser útil no tratamento de indivíduos com COVID-19, especialmente se administrado no início da trajetória da doença, não temos os dados do ensaio clínico randomizado de que precisamos para entender melhor sua utilidade no tratamento da COVID”, disse ele em um comunicado no domingo.

Na segunda-feira, mais de 2.700 hospitais já administraram a terapia de plasma por meio de um programa de acesso expandido liderado pela Mayo Clinic. O programa tratou mais de 100.000 pacientes com plasma, de acordo com o site do programa.

No entanto, ainda existem limitações importantes para o uso generalizado da terapia de plasma. O plasma deve ser transferido rapidamente de um doador para um receptor – e ambos devem ter tipos de sangue compatíveis. A quantidade também é limitada, pois depende das doações de sangue.

Isso significa que o plasma provavelmente não será um tratamento de longo prazo para o vírus. Em vez disso, pesquisadores e empresas farmacêuticas veem isso como uma terapia provisória até que uma vacina esteja prontamente disponível.

Pesquisas iniciais são promissoras

Um estudo dos EUA em nível nacional com 35.000 pacientes hospitalizados com coronavírus, que ainda está aguardando revisão por pares, descobriu que pacientes com menos de 80 anos que não estavam usando respirador e receberam plasma contendo altos níveis de anticorpos dentro de três dias após o diagnóstico tiveram uma redução de 35 por cento da taxa de mortalidade em relação àqueles que foram tratados quatro ou mais dias após o diagnóstico.

Em uma reunião na Casa Branca no domingo, o secretário de Saúde e Serviços Humanos, Alex Azar, chamou isso de “um grande avanço no tratamento de pacientes”.

Mas os pesquisadores idealmente precisariam comparar pacientes que receberam plasma com pacientes não tratados para saber se a terapia realmente afeta a sobrevivência.

Um estudo de maio de pesquisadores do Hospital Mount Sinai – que ainda está aguardando revisão por pares – descobriu que pacientes hospitalizados com coronavírus que receberam plasma convalescente tinham uma chance maior de sobrevivência do que aqueles que não receberam o tratamento: apenas 18 por cento dos receptores de plasma viram seus as condições pioraram duas semanas após a transfusão em comparação com 24 por cento dos pacientes que não receberam o tratamento.

No dia 1º de maio, quase 72% dos receptores de plasma haviam recebido alta do hospital, em comparação com 67% dos outros pacientes. Mas o estudo foi pequeno – apenas 39 pacientes receberam transfusões – e os resultados foram significativos apenas para pacientes que não precisaram de um ventilador.

Em outro estudo (também não revisado por pares), pesquisadores da Mayo Clinic descobriram que o plasma convalescente reduziu a taxa de mortalidade entre os pacientes hospitalizados com coronavírus em 57 por cento.

A maioria das pesquisas até agora sugeriu que os pacientes tratados no início do curso da infecção apresentam melhores resultados.

Um estudo recente de 316 pacientes nos hospitais da Houston Methodist descobriu que os pacientes que receberam transfusões de plasma dentro de 72 horas após serem admitidos no hospital tiveram um risco menor de mortalidade nos 28 dias seguintes em relação aos pacientes que receberam transfusões após 72 horas.

“Agora temos mais evidências do que nunca de que esta terapia de plasma centenária tem seu mérito, é segura e pode ajudar a reduzir a taxa de mortalidade desse vírus”, disse Dr. James Musser, chefe do Departamento de Patologia e Medicina Genômica da Houston Methodist, em um comunicado.

Os pesquisadores da Mayo Clinic também determinaram que o tratamento era relativamente seguro quando utilizado em 5.000 adultos com casos graves ou com risco de vida. Menos de 1 por cento dos pacientes desenvolveram efeitos colaterais graves quatro horas depois de receber uma transfusão de sangue. Embora as transfusões sempre representem algum risco para pacientes gravemente enfermos, apenas quatro mortes foram relacionadas à terapia de plasma.

As empresas farmacêuticas estão convertendo plasma em medicamentos

Em maio, uma coalizão de instituições médicas, empresas farmacêuticas, organizações sem fins lucrativos e sobreviventes da COVID-19 lançou a “The Fight Is In Us” – uma campanha para fazer com que mais pacientes recuperados do coronavírus doassem sangue. Parte desse sangue será usado para transfusões diretas e o resto irá para a fabricação de globulina hiperimune, uma droga feita a partir do plasma convalescente.

O processo de criação da globulina hiperimune envolve o acúmulo de plasma de pacientes recuperados e um tratamento térmico para que quaisquer patógenos remanescentes sejam destruídos. O resultado é um frasco de medicamento com níveis consistentes de anticorpos que podem ser facilmente administrados aos pacientes. A droga se concentra no anticorpo mais comum encontrado no sangue – imunoglobulina G (IgG) – que geralmente confere imunidade de longo prazo.

“É basicamente feito de uma forma que reduz a probabilidade de transmitir qualquer infecção”, disse David Reich, presidente e diretor operacional do Hospital Mount Sinai, ao Business Insider em abril. “Algo assim pode ser potencialmente útil para pessoas na fase inicial da doença ou ter o potencial até de profilaxia contra a doença”.

A Mount Sinai está trabalhando com a Emergent BioSolutions, uma empresa biofarmacêutica sediada em Maryland, EUA, para desenvolver um produto de globulina hiperimune. O grupo vai estudar se a droga pode proteger primeiramente os indivíduos com alto risco de exposição, como profissionais de saúde, de serem infectados.

Uma coalizão de 10 empresas farmacêuticas envolvidas na campanha “The Fight Is In Us” também está criando uma droga de globulina hiperimune. A pesquisa é liderada pela Takeda, a maior empresa farmacêutica do Japão, e pela CSL Behring, uma empresa de biotecnologia com sede na Pensilvânia, EUA. Eles esperam determinar se a globulina hiperimune melhora os resultados de pacientes com casos graves de coronavírus.

“Nosso objetivo aqui não é continuar a produzir globulina hiperimune ad infinitum“, disse Christopher Morabito, chefe de pesquisa e desenvolvimento de terapias baseadas em plasma da Takeda, anteriormente ao Business Insider. “Nosso objetivo aqui é ter uma terapia eficaz para nos levar a um ponto onde a pandemia acabou porque diminuiu até desaparecer, ou porque há uma vacina disponível, ou até que haja muitos tratamentos mais eficazes para pacientes com esta doença”.

A coalizão espera obter a aprovação regulatória do FDA até o final de 2020. Mas há muitos obstáculos: as quantidades de medicamentos ainda são limitadas pela quantidade de plasma que as pessoas doam.

As empresas que pesquisam globulina hiperimune e tratamentos diretos com plasma convalescente também precisam provar que as abordagens são seguras.