Esquecidas pela história: cientistas mulheres inovadoras que tiveram suas descobertas “roubadas” por seus colegas homens

0
1111

Por Shelby Hoebee
Publicado no ListVerse

“Eu não sabia que havia portas fechadas para mim até que comecei a bater nelas.” — Gertrude B. Elion

Além de Marie Curie, quantas outras cientistas mulheres famosas você pode citar? Quais foram suas descobertas? Para a maioria das pessoas, as respostas para essas questões seriam curtas.

As mulheres foram muito sub-representadas no mundo da ciência e isso não quer dizer que seja porque elas não fizeram nenhuma descoberta, mas mais ainda o fato de que suas descobertas permaneceram praticamente esquecidas devido aos seus homólogos masculinos.

Embora o sexismo na ciência não seja um problema tão grande hoje, muitas mulheres cientistas no passado não receberam o crédito que mereciam por suas descobertas verdadeiramente inovadoras: fazendo observações, propondo hipóteses, testando experimentos e trabalhando duro apenas para ter sua fama arrancada por causa de seu sexo. Neste artigo, listamos dez dessas mentes brilhantes e injustiçadas.

Chien-Shiung Wu (1912-1997)

Chien-Shiung Wu foi uma imigrante chinesa na América, onde começou seu trabalho com o Projeto Manhattan e o desenvolvimento da bomba atômica. Sua maior contribuição para o mundo da ciência foi uma descoberta que derrubou uma lei amplamente aceita na época. Na ciência, “leis” são as observações mais amplamente aceitas e replicadas que existem; então provar que uma lei científica está errada é um grande desafio. A lei ficou conhecida como Princípio de Conservação da Paridade, que é basicamente uma forma muito complicada de provar a ideia de simetria, onde as partículas que são imagens espelhadas umas das outras agirão de maneiras idênticas.

Os colegas de Wu, Chen Ning Yang e Tsung Dao Lee, propuseram uma teoria de que essa lei poderia ser refutada e abordaram Wu para ajudá-los a provar sua teoria. Wu aceitou a oferta e realizou vários experimentos usando cobalto-60 que provaram que a lei estava errada. Seus experimentos foram incrivelmente significativos, pois ela foi capaz de mostrar que uma partícula tinha mais probabilidade de ejetar um elétron do que a outra e, portanto, não eram simétricas. Sua observação derrubou uma crença de 30 anos e destruiu a conservação da lei da paridade.

Yang e Lee, é claro, não registraram sua observação e, em vez disso, ganharam o Prêmio Nobel por sua “descoberta” de que a conservação da paridade estava incorreta. Wu não foi mencionada, embora fosse seu experimento que realmente desmentisse a lei.

Ida Tacke (1896-1978)

Ida Tacke fez grandes avanços nos campos da química e da física atômica que foram basicamente ignorados até serem mais tarde “redescobertos” por seus colegas homens. Primeiro, ela conseguiu encontrar dois novos elementos, rênio (75) e masúrio (43), que Mendeleev previu que estariam na tabela periódica. Embora ela seja creditada com a descoberta do rênio, você pode notar que não existe tal elemento conhecido como masúrio no número atômico 43 ou em qualquer outro lugar na tabela periódica atual. Bem, isso é porque agora é conhecido como tecnécio, cuja descoberta é creditada a Carlo Perrier e Emilio Segre.

Durante o tempo da primeira observação, os colegas homens de Tacke sentiram que o elemento era muito raro e desapareceu muito rapidamente para ser encontrado naturalmente na Terra. Embora a evidência de Tacke fosse clara, ela foi basicamente ignorada até que Perrier e Segre criaram artificialmente o elemento em um laboratório e receberam todo o crédito que Tacke merecia. Além dessa injustiça, Tacke também publicou um artigo que abriu as portas para a ideia da fissão nuclear que mais tarde seria assumida por Lise Meitner e Otto Stern. Seu artigo, cinco anos à frente de seu tempo, descreveu os processos fundamentais da fissão, embora o termo ainda não tivesse sido inventado.

Ela trabalhou a partir da teoria de Enrico Fermi de que os elementos acima do urânio realmente existiam e ofereceu a explicação de que as partículas poderiam ser quebradas quando bombardeadas por nêutrons para liberar uma grande quantidade de energia. Mais uma vez, seu artigo foi basicamente ignorado até 1940 durante o Projeto Manhattan, embora Fermi tenha recebido o Prêmio Nobel por sua “descoberta” de que novos elementos radioativos foram produzidos durante o bombardeio de nêutrons. Apesar de suas descobertas monumentais, Tacke nunca foi reconhecida (embora muitos culpem seus métodos, e não seu gênero).

Esther Lederberg (1922-2006)

A discriminação de gênero de Esther Lederberg consistia mais em ser ofuscada pelo marido, Joshua Lederberg, do que ser injustiçada por seus colegas homens. As descobertas de Esther foram feitas ao lado de seu marido Joshua. Embora os dois tenham desempenhado papéis igualmente importantes, as contribuições de Esther passaram em grande parte em branco enquanto Joshua ganhou o Prêmio Nobel por suas observações.

Esther foi a primeira a resolver o problema de reproduzir colônias bacterianas em massa com a mesma geometria original usando uma técnica conhecida como replica plating. Seu método era incrivelmente simples, pois exigia apenas o uso de um tipo específico de veludo. Apesar de uma miríade de descobertas significativas em biologia e genética, sua carreira científica foi uma batalha difícil enquanto ela lutava pelo reconhecimento de seus colegas. Muito do crédito pelas descobertas foi para seu marido Joshua. Seu tenure foi até revogado por Stanford depois de ser rebaixada ao cargo de Professora Adjunta de Microbiologia Médica.

Joshua, por outro lado, foi nomeado fundador e presidente do Departamento de Genética. Esther foi uma parceira essencial para Joshua e, apesar de seu trabalho diligente, ela permanece desconhecida por muitas de suas descobertas incríveis.

Henrietta Leavitt (1868-1921)

Embora você possa nunca ter ouvido falar de Henrietta Leavitt, suas descobertas revolucionaram os campos da astronomia e da física, mudando fundamentalmente a maneira como vemos o Universo. Sem suas descobertas, homens como Edward Hubble e aqueles que a sucederam nunca teriam sido capazes de estudar o Universo em sua magnitude atual. As descobertas de Leavitt praticamente não foram mencionadas e nem reconhecidas por aqueles que precisavam delas para provar suas próprias teorias.

Leavitt começou seu trabalho medindo e catalogando estrelas no Observatório de Harvard. Na época, medir e catalogar estrelas sob a supervisão de cientistas do sexo masculino era um dos poucos trabalhos científicos considerados adequados para mulheres. Leavitt trabalhava como “computador” realizando tarefas meticulosas e repetitivas para coletar dados para seus superiores homens. Ela recebia apenas 30 centavos por hora por esse trabalho mentalmente cansativo. Depois de catalogar por algum tempo, Leavitt começou a notar um padrão entre o brilho de uma estrela e sua distância da Terra. Mais tarde, ela desenvolveu uma ideia conhecida como relação período-luminosidade, que permitiu aos cientistas descobrir a que distância uma estrela estava da Terra com base em seu brilho. O Universo literalmente se abriu quando os cientistas perceberam que cada estrela não era apenas uma partícula em nossa própria galáxia massiva, mas uma galáxia em si mesma.

Astrônomos e físicos notáveis ​​como Harlow Shapley e Edward Hubble usaram sua descoberta como base de seu trabalho. Leavitt quase desapareceu quando o diretor de Harvard se recusou a conceder seu reconhecimento ou crédito por sua descoberta independente. Embora Mittag-Leffler finalmente a indicasse em 1926 para um possível Prêmio Nobel, ela morrera antes de receber a homenagem. Shapley recebeu o prêmio, vangloriando-se de ter merecido o crédito por interpretar suas descobertas.

Vera Rubin (1928-2016)

A carreira científica de Vera Rubin foi repleta de críticas e hostilidade por parte de seus colegas homens, embora ela tenha permanecido focada em seu trabalho, e não na política de tudo isso. Seu primeiro gosto de hostilidade veio quando ela informou ao professor de física do ensino médio que havia sido aceita em Vassar. Ele respondeu de maneira não encorajadora: “Isso é ótimo. Contanto que você fique longe da ciência, deve ficar tudo bem”.

Isso não desencorajou Rubin, entretanto, e depois de ser rejeitada no programa de astronomia em Princeton porque eles não permitiam mulheres, Rubin acabou ganhando seu PhD em Georgetown. Trabalhando com seu parceiro, Kent Ford, Rubin foi a primeira a fazer a observação de que estrelas nas partes remotas das galáxias tinham uma velocidade orbital igual à das estrelas no centro da galáxia. Esta foi uma observação muito estranha na época porque se pensava que se as forças gravitacionais mais fortes existissem onde estava a maior parte da massa (no centro), a força deveria diminuir mais para fora, fazendo com que as órbitas diminuíssem.

Suas observações confirmaram uma hipótese feita anteriormente por um homem chamado Fritz Zwicky de que algum tipo de matéria escura invisível deve estar espalhada por todo o Universo, mantendo seus orbitais em alta velocidade. Rubin foi capaz de provar que existia 10 vezes mais matéria escura no Universo do que se pensava, com até 90% do Universo sendo preenchido com ela. Durante anos, a observação de Rubin não recebeu apoio, visto que muitos de seus colegas homens a desacreditaram. Eles achavam que suas descobertas eram impossíveis de acordo com as Leis de Newton e que ela devia ter cometido um erro de cálculo. Tanto seu doutorado quanto sua tese de mestrado foram criticados e basicamente ignorados, embora as evidências fossem irrefutáveis. Felizmente, a comunidade científica desde então reconheceu seu trabalho, mas apenas porque seus colegas homens o validaram posteriormente. Rubin jamais recebeu o Prêmio Nobel por seu trabalho.

Cecilia Payne (1900-1979)

Cecilia Payne é uma cientista que tem uma história de muito trabalho duro, apenas para ter suas incríveis descobertas desacreditadas por seus superiores homens na época. Ela começou seus estudos na Universidade de Cambridge em 1919, após receber uma bolsa de estudos em botânica, física e química. Seus cursos foram aparentemente concluídos em vão, já que Cambridge nem mesmo oferecia diplomas para mulheres na época. Enquanto estava em Cambridge, Payne descobriu seu amor pela astronomia. Ela se transferiu para Radcliffe e se tornou a primeira mulher a obter um PhD em astronomia lá, enquanto muitos começaram a notar seu brilho astronômico.

Depois de publicar seis artigos e obter seu doutorado aos 25, sua maior contribuição para a ciência foi a descoberta de quais elementos constituíam as estrelas. Seus colegas aparentemente não achavam que a descoberta dos ingredientes estelares era algo realmente muito importante. Um homem chamado Henry Norris Russell, encarregado de revisar o surpreendente trabalho de Payne, convenceu-a fortemente a não publicar o artigo. Seu raciocínio era que isso era contraditório ao conhecimento padrão da época e não seria aceito. Curiosamente, ele parecia ter mudado de ideia quatro anos depois, quando ele milagrosamente concluiu de quais elementos o Sol era feito e teve seus próprios artigos publicados. Embora seus métodos não fossem os mesmos de Payne, sua conclusão foi, e ele recebeu todo o crédito pela descoberta da composição do Sol.

A partir de então, Cecilia foi basicamente eliminada dos livros de história. Em outra reviravolta irônica, Payne teve a “honra” de mais tarde ser agraciada com o Prêmio Henry Norris Russell por suas contribuições para a astronomia.

Nettie Stevens (1862-1912)

Se você não sabe muito sobre cromossomos, deve pelo menos saber que nosso sexo é determinado por nosso 23º par de cromossomos, o X e Y. Quem é creditado por esta enorme descoberta biológica? Bem, a maioria dos livros apontam para um homem chamado Thomas Morgan, embora a descoberta na verdade seja de uma cientista chamada Nettie Stevens.

Ela estudou a determinação do sexo em larvas de farinha e logo percebeu que dependia dos cromossomos X e Y. Embora ela tenha sido reconhecida por trabalhar com um homem chamado Thomas Morgan, quase todas as suas observações foram feitas de forma independente.

Morgan foi posteriormente creditado com o Prêmio Nobel pelo trabalho árduo de Nettie. Para piorar a situação, ele mais tarde postou um artigo na revista Science dizendo que Stevens agiu mais como uma assistente do que como uma cientista real durante todo o experimento, embora isso tenha sido considerado totalmente falso.

Lise Meitner (1878-1968)

O processo de fissão nuclear foi uma grande descoberta para o mundo científico, e poucos sabem que uma mulher chamada Lise Meitner foi a primeira pessoa a formular essa hipótese. Infelizmente, seu trabalho em radiologia ocorreu em meio à Segunda Guerra Mundial, e ela foi forçada a se encontrar em segredo com um químico chamado Otto Hahn.

Durante o Anschluss, Meitner deixou Estocolmo enquanto Hahn e seu parceiro Fritz Strassman continuaram a trabalhar em seus experimentos com urânio. Os cientistas homens ficaram intrigados com a forma como o urânio parecia formar átomos que eles pensavam ser rádio quando o urânio foi bombardeado com nêutrons. Meitner escreveu aos homens propondo uma teoria de que o átomo pode ter se decomposto após o bombardeio no que mais tarde se percebeu ser bário. Essa ideia teve enormes implicações para o mundo da química e, trabalhando com a ajuda de Otto Frisch, ela foi capaz de explicar a teoria da fissão nuclear.

Ela também fez a observação de que nenhum elemento maior do que o urânio existe naturalmente e que a fissão nuclear tinha o potencial de criar enormes quantidades de energia. Meitner não pôde ser mencionada no artigo publicado por Strassman e Hahn, embora seu papel na descoberta tenha sido severamente minimizado por eles. Os homens ganharam o Prêmio Nobel por sua “descoberta” em 1944, sem nenhuma menção a Meitner, que mais tarde foi alegado como um “erro” pelo comitê do Prêmio. Embora ela não tenha recebido o Prêmio Nobel ou o reconhecimento formal por suas descobertas, Meitner teve o elemento número 119 com o seu nome, que é um prêmio de consolação muito bom.

Jocelyn Bell Burnell (1943)

Depois de se inspirar nos livros de seu pai, Burnell começou seu trabalho com astronomia. Ela conseguiu se formar com um diploma de bacharel em física pela Universidade de Glasgow e foi para Cambridge obter seu doutorado. Na época de sua descoberta, Burnell estava trabalhando com Antony Hewish estudando quasares. Enquanto trabalhava independentemente com radiotelescópios, Bell notou sinais específicos e constantes sendo emitidos por algo no espaço.

Os sinais eram diferentes de todos os sinais conhecidos que os humanos já haviam recebido. Embora ela não soubesse a origem dos sinais na época, a descoberta foi enorme. Esses sinais mais tarde seriam conhecidos como pulsares, que são sinais emitidos por estrelas de nêutrons.

Essas observações foram rapidamente reconhecidas e publicadas com o nome de Hewish aparecendo antes do de Burnell. Embora Burnell tenha feito a observação e a descoberta por conta própria, Hewish mais tarde ganhou o Prêmio Nobel de 1974 por sua descoberta dos pulsares. Apesar de ter sido injustiçada por não receber crédito formal por sua descoberta, agora é universalmente aceito que ela foi a primeira pessoa a fazer a observação.

Rosalind Franklin (1920-1958)

Rosalind Franklin era uma cientista brilhante com provavelmente o caso mais famoso de ter suas descobertas roubadas e ser injustiçada por seus colegas homens. Se você sabe alguma coisa sobre ciência, provavelmente já ouviu falar dos nomes Watson e Crick, creditados pela descoberta da estrutura do DNA. O que você pode não saber é a controvérsia em torno da “descoberta” deles e como foi realmente mais uma descoberta dos papéis em que Rosalind Franklin estava trabalhando.

Aos 33 anos, ela estava trabalhando duro em uma descoberta ainda não publicada que revolucionaria a biologia. Ela havia chegado à conclusão de que o DNA consistia em duas cadeias e uma estrutura de fosfato. A forma também foi confirmada por seus experimentos de raios-X da própria estrutura do DNA, bem como suas medições de células unitárias. Ela não sabia, na época de seu trabalho, que seus colegas Wilkins e Perutz haviam mostrado a Watson e Crick (que estavam visitando o King’s College) não apenas sua imagem de raios-X, mas até um relatório com todas as suas descobertas recentes. Com o conhecimento em mãos, Watson e Crick estavam quase entregando a descoberta em uma bandeja de prata.

Eles não apenas receberam todo o crédito pela observação, como Watson usou sua amizade para convencer Rosalind de que ela deveria publicar suas descobertas depois que publicassem as deles. Infelizmente, isso fez seu trabalho parecer mais uma confirmação do que uma descoberta. Depois de Watson e Crick serem reconhecidos pela “descoberta” deles, eles se tornaram cientistas ganhadores do Prêmio Nobel com seus rostos estampados em todos os livros de biologia na América. Rosalind Franklin praticamente não foi reconhecida.