Uma nova variante de HIV ‘altamente virulenta’ acaba de ser descoberta na Europa

0
281
Créditos: Science Photo Library / SCIEPRO / Getty Images.

Por Nicoletta Lanese
Publicado na Live Science

Uma nova variante do HIV, o vírus que causa a AIDS, foi descoberta na Holanda e parece causar uma progressão mais rápida da doença em comparação com outras versões do vírus.

O vírus da imunodeficiência humana (HIV) infecta e destrói as células do sistema imunológico chamadas células CD4, fazendo com que o número dessas células no corpo diminua. Se não for tratada, a infecção progride para AIDS. Em pessoas infectadas com a variante recém-descoberta do HIV, chamada de variante VB, as contagens de CD4 caem cerca de duas vezes a taxa das pessoas infectadas com variantes de HIV intimamente relacionadas, ou seja, aquelas do mesmo subtipo genético (B).

Sem tratamento, as infecções com a variante VB provavelmente progrediriam para AIDS, em média, dentro de dois a três anos do diagnóstico inicial de HIV de uma pessoa, relataram pesquisadores quinta-feira (3 de fevereiro) na revista Science.

Com outras versões do vírus, um grau semelhante de declínio ocorre cerca de seis a sete anos após o diagnóstico, em média.

“Descobrimos que, em média, os indivíduos com essa variante devem progredir do diagnóstico para ‘HIV avançado’ em nove meses, se não iniciarem o tratamento e se forem diagnosticados na casa dos trinta”, disse o autor principal Chris Wymant, pesquisador sênior da genética estatística e dinâmica de patógenos na Universidade de Oxford, à Live Science em um e-mail. A progressão da doença seria ainda mais rápida em uma pessoa mais velha, disse ele.

Felizmente, em seu estudo, a equipe descobriu que os medicamentos antirretrovirais, o tratamento padrão para o HIV, funcionam tão bem contra a variante VB quanto contra outras versões do vírus.

“Para um indivíduo em tratamento bem-sucedido, a deterioração do sistema imunológico em relação à AIDS é interrompida e a transmissão do vírus para outros indivíduos é interrompida”, disse Wymant.

“Os autores usam o estudo de caso para sustentar a importância do acesso universal ao tratamento”, disse Katie Atkins, bolsista da Faculdade de Medicina Edinburgh e professora associada da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, que não esteve envolvida no estudo.

“Tanto porque queremos reduzir diretamente o número de pessoas que morrem desnecessariamente de AIDS, mas também como um meio de reduzir a quantidade de vírus em circulação e, portanto, reduzir a chance de surgirem novas variantes mais mortais”, disse ela à Live Science em um e-mail.

Como a variante foi identificada 

Wymant e o epidemiologista de doenças infecciosas Christophe Fraser, autor sênior do estudo, são membros-chave do projeto BEEHIVE, um esforço para entender melhor a biologia, evolução e epidemiologia do HIV.

“O projeto BEEHIVE, iniciado em 2014, foi criado para entender como as mudanças no vírus, codificadas em sua genética, causam diferenças na doença”, disse Wymant. “O projeto reúne dados de sete coortes nacionais de HIV na Europa e mais uma na Uganda”.

Ao analisar os dados do estudo em andamento, a equipe identificou 17 indivíduos infectados com uma variante “diferente” do HIV, todos com concentrações surpreendentemente altas do vírus no sangue no início da infecção – entre seis meses e dois anos após o diagnóstico. Quinze dos indivíduos infectados eram da Holanda, um da Suíça e um da Bélgica.

A variante recém-descoberta pertence ao subtipo genético B, um grupo de vírus HIV relacionados mais comumente encontrados na Europa e nos EUA, descobriu a equipe. Para ver se poderiam encontrar mais exemplos da variante na Holanda, os pesquisadores examinaram dados da coorte observacional nacional de HIV ATHENA, um grande grupo de indivíduos HIV positivos na Holanda que foram diagnosticados entre 1981 e 2015.

Dados de sequência genética viral estavam disponíveis para mais de 8.000 desses indivíduos, e destes, cerca de 6.700 estavam infectados com vírus do subtipo B. Dentro deste grupo, os pesquisadores identificaram 92 indivíduos com a variante distinta VB, que elevou o total para 109.

Com base nos dados clínicos disponíveis, esses 109 indivíduos carregavam cargas virais de 3,5 a 5,5 vezes mais do que as pessoas infectadas com outras variantes do subtipo B. E no momento do diagnóstico, os indivíduos infectados com a variante VB já apresentavam contagens de CD4 mais baixas do que os infectados com outras variantes. Assim, em comparação com outras pessoas recém-diagnosticadas com HIV, suas contagens de CD4 começaram mais baixas e caíram mais rapidamente.

Para explicar como surgiu esse aumento acentuado na virulência, os pesquisadores voltaram ao genoma da variante VB, em busca de pistas. Eles descobriram que a variante carrega muitas mutações, espalhadas por todo o genoma, então, por enquanto, eles não conseguiram identificar uma causa genética única e isolada para o aumento da virulência do vírus.

“É improvável que uma mutação, ou mesmo um gene, seja responsável por essa mudança”, disse Joel Wertheim, professor associado de medicina da Universidade da Califórnia, em San Diego (EUA), que não participou do estudo. “Desvendar esse mecanismo é de grande interesse”, disse ele à Live Science por e-mail.

A equipe foi capaz de construir um diagrama chamado árvore filogenética com base nos dados genéticos disponíveis, “muito semelhantes às árvores genealógicas comuns de humanos” que mostram quão intimamente diferentes indivíduos estão relacionados entre si, disse Wymant.

Com base nessa árvore, eles estimaram que a variante VB provavelmente apareceu pela primeira vez no final dos anos 1980 ou 1990 na Holanda. Naquela época, o primeiro tratamento antirretroviral para o HIV havia acabado de ser aprovado pela Food and Drug Administration dos EUA, e os tratamentos usando combinações de antirretrovirais ainda não estavam disponíveis, de acordo com uma revisão de 2019 na revista Health Affairs.

“Durante esta década, haveria uma alta prevalência de indivíduos infectados pelo HIV não tratados que não tiveram o vírus suprimido na Europa Ocidental”, disse Atkins. “Esse alto número de pessoas que não tiveram o vírus suprimido teria fornecido uma grande população de vírus na qual uma nova variante poderia ter surgido”.

A árvore sugeria que os indivíduos que se infectaram com a variante VB carregavam “vírus que estavam extraordinariamente relacionados entre si”, disse Wymant. Essa descoberta sugere que pouca evolução viral ocorreu entre o momento em que alguém adquiriu o vírus e o momento em que o transmitiu a outra pessoa.

Em outras palavras, além de ser altamente virulenta, a variante VB também pode ser mais transmissível do que outras versões do HIV. No entanto, esta descoberta é menos conclusiva do que a evidência de maior virulência, uma vez que a árvore fornece apenas evidências indiretas da transmissibilidade do vírus, disse Wymant.

Depois que a variante VB surgiu na década de 1980 ou 1990, o número de pessoas infectadas com a variante aumentou de forma constante até cerca de 2010. Ao mesmo tempo, a proporção de novos casos de VB entre todos os novos casos do subtipo B começou a aumentar. Esse aumento atingiu o pico por volta de 2008 e depois diminuiu constantemente, descobriu a equipe.

“Este é provavelmente um subproduto dos fortes esforços na Holanda para diminuir a transmissão de qualquer HIV, independentemente da variante”, disse Wymant. Números absolutos de diagnósticos de VB e não VB estavam diminuindo neste momento, e há alguma incerteza nos dados quanto à proporção exata de infecções por VB e não VB, observaram os autores.

A descoberta de uma variante altamente virulenta do HIV não é necessariamente surpreendente, disse Wertheim. “Esta descoberta está alinhada com a teoria evolutiva e as tendências para o aumento da virulência que vimos nos Estados Unidos ao longo das décadas”, disse ele à Live Science. “Estou muito surpreso com o quão forte e distinto é este ramo recém-descrito”.

Olhando para o futuro, Wertheim disse que espera que muitos grupos ao redor do mundo comecem a examinar seus dados para ver se a variante VB se espalhou além da Holanda. “Além disso, estou curioso para saber se variantes semelhantes surgiram em outras partes do mundo”, disse Wertheim.

Além dos casos detectados em pessoas da Suíça e da Bélgica, a equipe não encontrou evidências iniciais da variante além da Holanda. Eles pesquisaram sequências genéticas virais publicamente disponíveis e não encontraram vestígios em outros lugares, mas pode haver pelo menos alguns outros infectados com a variante que ainda não foram identificados, disse Wymant.

“Ao disponibilizar abertamente a sequência genética da variante VB, estamos permitindo que outros investigadores em diferentes países verifiquem seus próprios dados particulares”, disse ele.

Estudos futuros da variante VB podem revelar como ela se acumula no sangue e dizima as células CD4 tão rapidamente, além de fornecer mais detalhes sobre como a variante evoluiu. A equipe encontrou evidências de que a variante acumulou suas mutações constantemente, uma a uma, ao longo do tempo, mas não conseguiu dizer se essa evolução ocorreu em vários indivíduos ou apenas em um, disse Wymant.

Enquanto isso, o público em geral deve se preocupar com a nova variante VB?

“O público não precisa se preocupar”, disse Wymant. “Encontrar esta variante enfatiza a importância da orientação que já existia: que os indivíduos em risco de contrair o HIV tenham acesso a testes regulares para permitir o diagnóstico precoce, seguido de tratamento imediato… Esses princípios se aplicam igualmente à variante VB”.