Uma vespa, uma flor e uma mosca presas em âmbar revelam um microcosmo de 30 milhões de anos

0
125

Traduzido por Julio Batista
Original de Jess Cockerill para o ScienceAlert

Uma planta recém-descoberta, uma vespa recém-descoberta e uma larva de mosca em desenvolvimento foram encontradas presas em âmbar, em um momento primorosamente preservado da ecologia pré-histórica.

Se a imagem de um inseto preso em âmbar parece familiar, você deve agradecer a George Poinar Jr. – o entomologista que fez essa descoberta. Seu trabalho inicial extraindo DNA de insetos do âmbar dominicano inspirou diretamente a premissa de Jurassic Park.

Seu último estudo documenta o primeiro registro fóssil do gênero de planta Plukenetia e o primeiro registro do gênero de planta na ilha caribenha de São Domingos.

“As flores fósseis de membros desta família são bastante raras”, disse Poinar. “Eu só consegui encontrar um fóssil conhecido anteriormente, de depósitos sedimentares no Tennessee.”

O famoso âmbar dominicano é uma forma fossilizada de resina da extinta árvore Hymenaea protera, que os cientistas acreditam ter crescido em um ecossistema de floresta tropical úmida, com base na variedade de formas de vida que sua resina sepultou.

(Créditos: George Poinar Jr., 2022, Historical Biology)

Este espécime em particular foi extraído da cordilheira da Cordilheira Setentrional.

Há um debate sobre a idade dos fósseis de âmbar dominicanos, com teorias conflitantes baseadas nos microrganismos usados ​​para datar os espécimes.

Alguns dizem que a presença de foraminíferos – protistas unicelulares às vezes chamados de ‘amebas blindadas’ – indica que o âmbar foi formado cerca de 20 a 15 milhões de anos atrás.

Outros sugerem uma data de 45 a 30 milhões de anos atrás, com base na presença de cocólitos – placas de carbonato de cálcio formadas por fitoplâncton unicelular chamados cocolitóforos.

Poinar observa que isso é ainda mais complicado porque o âmbar foi agitado e redepositado em sedimentos movimentados que mais tarde se solidificaram em rocha. Além disso, espécimes semelhantes de âmbar descobertos em Porto Rico e Jamaica são datados do Oligoceno (33,9-23 milhões de anos atrás) e do Maastrichtiano-Paleoceno (72,1-66 milhões de anos atrás), respectivamente.

Ele estima que este espécime tenha 30 milhões de anos.

O fóssil revela não apenas uma nova espécie de planta, mas também todo um microcosmo ecológico, que Poinar acha que pode incluir polinização, predação e até parasitismo.

Membros modernos do gênero Euphorbia (os parentes vivos da planta fossilizada) são de fato polinizados por pequenas vespas, então é possível que essa vespa tenha desempenhado um papel ecológico semelhante.

A vespa fossilizada – Hambletonia dominicana, descoberta e nomeada por Poinar em 2020 – é uma vespa encirtídica, um grupo de parasitas conhecido por depositar seus filhotes com os ovos ou larvas de insetos menores, que se tornam uma refeição para as vespas jovens em desenvolvimento.

Usando imagens de alta resolução, Poinar notou uma pequena larva de moscas das galhas (Cecidomyiidae) dentro de uma das sementes em desenvolvimento da flor e os danos à cápsula do ovário que a mosca habita.

Ele acha que a vespa poderia ter sido atraída pela flor infectada para botar um ovo que, após a eclosão, logo teria parasitado a larva das moscas das galhas.

Claro, a trama oportunista da vespa foi interrompida quando uma bolha de resina pegajosa congelou abruptamente todos os três organismos na mesma posição em que estiveram presos por milhões de anos.

Poinar ficou tão impressionado com a beleza desse momento fossilizado que comparou sua aparência aos movimentos artísticos do século 20, com as “curvas elegantes” e “linhas longas” da flor lembrando os estilos Art Nouveau, e a “dança”, formas “decorativas” e “ângulos afiados” evocando o design Art Déco.

“Com base em interesses, antecedentes e ambiente atual, todos têm sua própria maneira de interpretar imagens visuais no mundo natural”, disse Poinar.

“Um organismo pode ser descrito, receber um nome científico e depois armazenado em uma hierarquia taxonômica.”

Os estudos de fósseis geralmente se concentram em organismos individuais e seu lugar na linha do tempo da árvore da vida, talvez porque seja raro encontrar espécimes completos, muito menos uma indicação tão clara de interação multiespécies.

“Em muitos casos, organismos não relacionados são sepultados juntos em âmbar apenas por acaso”, disse Poinar.

“Mas sinto que, neste caso, a vespa foi atraída pela flor, seja para obter néctar ou na tentativa de depositar um ovo na cápsula que contém a larva da mosca.”

O artigo foi publicado em Historical Biology.