‘Vampiro’ jurássico de 8 braços usava superventosas para prender presas, revela imagens 3D incríveis

O cefalópode provavelmente caçava em mar aberto.

0
220
Este cefalópode jurássico tinha fileiras de ventosas musculares que usava para capturar presas. (Créditos: A. Lethiers, CR2P-SU)

Traduzido por Julio Batista
Original de para a Live Science

Uma criatura que era como uma lula-vampira do Jurássico usava superventosas para arrancar a presa da coluna de água e prendê-la com um selo à prova d’água, revela imagens 3D de vários fósseis.

Pela primeira vez, os cientistas usaram técnicas avançadas de imagem 3D para examinar em grande detalhe as ventosas de Vampyronassa rhodanica, um parente extinto da moderna lula-vampiro (Vampyroteuthis infernalis). A análise revelou características nunca antes vistas da anatomia interna do animal, relataram cientistas na quinta-feira (23 de junho) na revista Scientific Reports.

“Pela primeira vez, podemos mostrar que havia uma combinação de características anatômicas em V. rhodanica não vistas hoje”, disse a primeira autora Alison Rowe, estudante de doutorado no Centro de Pesquisas de Paleontologia em Paris (CR2P), um laboratório apoiado pela Universidade Sorbonne, o Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica e o Museu Nacional de História Natural de Paris, à Live Science por e-mail.

Os três fósseis apresentados no estudo foram originalmente escavados em La Voulte-sur-Rhône Lagerstätte, um sítio paleontológico excepcional localizado na região de Ardèche, no sudeste da França. O local tem cerca de 164 milhões de anos, o que significa que data de meados do período Jurássico (201,3 milhões a 145,5 milhões de anos atrás), e contém um tesouro de diferentes organismos marinhos fossilizados.

“O La Voulte-sur-Rhône Lagerstätte na França é realmente especial, pois preserva espécimes em 3D”, disse Rowe. Isso porque, em vez de apodrecer, a carne foi substituída por minerais ricos em ferro ao longo do tempo. É incomum encontrar cefalópodes fossilizados com restos de tecido mole e, quando você encontra, eles tendem a ser achatados, disse Rowe. Desta forma, os fósseis 3D de V. rhodanica de La Voulte-sur-Rhône são um achado raro.

Os cientistas examinaram os fósseis pela primeira vez em 2002, quando determinaram que os animais pertenciam a uma espécie anteriormente desconhecida, de acordo com um relatório publicado na revista Annales de Paléontologie. Nesse relatório, os pesquisadores descreveram uma pequena criatura parecida com um polvo com oito braços, além de ventosas e apêndices pontiagudos chamados cirros. Naquela época, ficou claro que cada braço carregava uma fileira de ventosas ladeadas por cirros em ambos os lados. Mas a estrutura exata dessas características era difícil de discernir, e a anatomia interna da V. rhodanica permaneceu misteriosa.

Os fósseis usados ​​no estudo incluíam estruturas de tecidos moles excepcionalmente preservadas. (Créditos: P. Loubry, CR2P)

“Acho que uma comparação grosseira seria se você está acostumado a olhar para esqueletos e de repente você tem uma múmia – isso lhe dá uma tonelada de detalhes extras, mas olhar para a superfície não vai lhe dizer muita coisa de imediato sobre a anatomia interna”, disse Christopher Whalen, pós-doutorando em paleontologia da National Science Foundation, co-organizado na Universidade de Yale e no Museu Americano de História Natural, nos EUA, que não esteve envolvido no estudo. Em outras palavras, os tecidos moles preservados obscurecem um pouco as estruturas duras abaixo.

Ao reexaminar os fósseis com poderosos raios-X, os autores do estudo forneceram informações “incrivelmente úteis” sobre as entranhas dos animais, disse Whalen à Live Science.

Em particular, as análises de raios-X permitiram que a equipe reconstruísse as ventosas dos cefalópodes em alta resolução, de modo que pudessem “virtualmente dissecar” as ventosas na tela, observou Whalen. Essas ventosas são semelhantes em forma às das lulas-vampiras, embora difiram pelo fato de serem maiores, mais numerosas e espaçadas mais próximas. V. rhodanica também carrega uma configuração ligeiramente diferente de ventosas e cirros em dois de seus braços, que medem um pouco mais do que seus outros seis braços.

Essas reconstruções em 3D mostram os braços de V. rhodanica, incluindo o par de braços mais longo (b). A estrutura destacada em amarelo é a parte da ventosa utilizada para adesão. (Créditos: Scientific Reports)

Com base nessa combinação de características e no corpo estreito e musculoso da V. rhodanica, os autores do estudo teorizaram que o animal provavelmente caçava presas em mar aberto e usava suas grandes ventosas e braços especializados para capturar e manipular suas vítimas.

“Parece-me razoável dizer que este animal era predatório”, disse Whalen. Isso diferencia o cefalópode jurássico da lula-vampiro, uma vez que os animais modernos não caçam e, em vez disso, se alimentam de minúsculos organismos e pedaços de material orgânico que chegam ao fundo do mar a partir de camadas mais rasas do oceano.

As lulas-vampiros usam estruturas longas e pegajosas chamadas filamentos para arrancar seus alimentos da coluna de água, mas os autores não encontraram evidências desses filamentos em V. rhodanica. Pode ser que os animais jurássicos realmente não tenham essas estruturas, ou pode ser que eles estejam apenas faltando nos espécimes examinados, disse Whalen. Uma verdadeira falta de filamentos pode sugerir que a V. rhodanica está realmente mais relacionada aos polvos modernos do que às lulas-vampiros, já que os polvos também não possuem filamentos – mas, por enquanto, essa é uma questão em aberto, disse ele.