Veja como o clima de 12.000 anos pode nos ajudar a prever futuras mudanças climáticas

0
249
(Créditos: EHStock/iStock/Getty Images)

Traduzido por Julio Batista
Original de Brice Rea para o The Conversation

O fim da última era do gelo, cerca de 12.000 anos atrás, foi caracterizado por uma fase fria final chamada de Dryas recente. A Escandinávia ainda estava quase toda coberta de gelo e, por toda a Europa, as montanhas tinham muito mais geleiras que eram muito maiores do que hoje. Havia um campo de gelo substancial no oeste da Escócia e as geleiras podiam ser encontradas em muitas montanhas das Ilhas Britânicas.

Não surpreendentemente, o clima era mais frio naquela época, especialmente no inverno, com as temperaturas no Reino Unido caindo para -30 °C ou menos.

Apesar desses invernos gelados, as diferenças na órbita da Terra em torno do Sol significavam que os verões eram relativamente quentes, com uma temperatura média em julho entre 7 °C e 10 °C na maior parte do Reino Unido e Irlanda.

Então, como agora, as correntes de jato da frente polar (um cinturão de vento de alta altitude que se move rapidamente) tiveram uma grande influência no clima em toda a Europa, trazendo precipitação (chuva e neve) do Atlântico para o continente.

No entanto, antes da época dos registros climáticos escritos, o momento, a quantidade e o padrão de precipitação são pouco compreendidos.

Nosso novo estudo usou geleiras que existiam durante o Dryas recente para determinar os padrões de precipitação e o caminho das correntes de jato em toda a Europa naquela época.

Identificamos formas de relevo glaciais chamadas morenas em 122 locais, desde o Marrocos no sul até a Noruega no norte, e da Irlanda no oeste até a Turquia no leste, o que demonstrou a presença de geleiras há cerca de 12.000 anos.

Reconstruímos a geometria 3D de cada uma dessas geleiras usando o conhecimento da forma como o gelo flui pela paisagem.

A partir das superfícies de gelo reconstruídas, pudemos determinar um ponto importante em cada uma dessas geleiras, a altitude da linha de equilíbrio que está ligada ao clima por meio da precipitação anual e da temperatura média no verão.

É essencialmente a altitude na geleira, onde o acúmulo de neve e o derretimento da neve são iguais no final de setembro e pode ser visto como a linha da neve.

Os resultados forneceram um mapa de precipitação em toda a Europa cerca de 12.000 anos atrás, que foi controlado pelas correntes de jato.

Clima das correntes de jato

O que os resultados mostraram foi que o Reino Unido, a Irlanda, Portugal e a Espanha estavam mais úmidos do que hoje, assim como o Mediterrâneo, especialmente no leste – os Bálcãs, a Grécia e a Turquia.

Era relativamente mais seco em grande parte da França, Bélgica, Holanda, Alemanha e mais a leste na Europa. Essas áreas de clima mais úmido e seco nos permitiram identificar a localização das correntes de jato.

Supomos que as correntes de jato passaram sobre as regiões mais úmidas trazendo consigo as tempestades (conhecidas como depressões de latitude média) com as quais todos estamos familiarizados no Reino Unido – especialmente na Escócia – e também potencialmente gerou outras tempestades menores e mais intensas.

Com base na trajetória das correntes de jato, acredita-se que o outono e a primavera foram mais chuvosos no Reino Unido e na Irlanda e que os invernos foram mais secos.

Em Portugal, na Espanha e no Mediterrâneo, os meses de inverno foram provavelmente os mais chuvosos, com outono e primavera sendo um pouco mais secos.

Esta é a primeira vez que temos uma visão dos padrões climáticos sazonais em toda a Europa durante o Dryas recente e, de fato, esses vislumbres do clima do passado, além do período para o qual registramos observações climáticas, são raros.

Normalmente, são apenas os modelos climáticos numéricos que revelam essa visão em escala regional da circulação atmosférica, dos rastros de tempestades e da precipitação do passado.

Os modelos climáticos numéricos representam nosso tempo e clima dividindo a atmosfera, a superfície da Terra e o oceano em várias células interconectadas, vertical e horizontalmente, em uma grade tridimensional, e resolvem equações matemáticas complexas para determinar como a energia e a matéria se movem no sistema.

Mudanças nas correntes de jato

Em nosso estudo, uma comparação da precipitação derivada das geleiras de 12.000 anos atrás foi feita com os resultados de várias simulações de computador do paleoclima (o estudo do clima no passado).

Os modelos climáticos numéricos são extremamente complexos, mas continuam a ser uma simplificação da realidade, de modo que modelos diferentes inevitavelmente geram resultados que concordam e discordam de várias maneiras.

O padrão geral de precipitação determinado a partir do nosso estudo das paleogeleiras concordou com algumas partes dos resultados do modelo climático, mas entrou em desacordo com outros – por exemplo, nenhum dos modelos climáticos identificou todo o Reino Unido, Irlanda, Portugal, Espanha e o Mediterrâneo como sendo mais úmido no passado.

Já estamos vendo sinais de que as correntes de jato podem estar mudando o aquecimento do clima e acredita-se que provavelmente se moverão para o norte e ficarão mais onduladas.

Essas ondulações podem levar a mais extremos, por exemplo, ondas de calor no verão e mais tempestades e inundações no inverno.

Para entender como o clima mudará no futuro, contamos com modelos de computador, mas esses modelos ainda não concordam sobre o que aconteceu no passado nem sobre o que exatamente acontecerá no futuro.

Para fazer melhores previsões futuras a partir do aquecimento global em curso, conjuntos de dados paleoclimáticos, como a precipitação derivada das geleiras determinada em nosso estudo, podem ser usados ​​para testar os modelos de computador.

Quando os modelos puderem reproduzir melhor os padrões de precipitação reconstruídos a partir de climas anteriores, especialmente em períodos em que as correntes de jato mudaram, nossa confiança em suas previsões do clima do futuro também será reforçada.


Brice Rea é professor de geografia da Universidade de Aberdeen.