Vermes gigantes predadores perambulavam pelo antigo fundo do mar, descobrem cientistas

0
294
O verme bobbit que atualmente perambula pelos mares. (Créditos: Xanth Hoang/CC BY-SA 2.0)

Por David Nield
Publicado na ScienceAlert

Por meio de uma análise cuidadosa das camadas fossilizadas do leito oceânico que datam de cerca de 20 milhões de anos, os cientistas reconstruíram o covil de um verme subaquático gigante que provavelmente teria ficado escondido em sedimentos antes de saltar para emboscar sua presa.

A criatura recém-identificada provavelmente é um ancestral do aphroditois Eunice ou verme bobbit que existe hoje, dizem os pesquisadores – essas criaturas modernas de aparência assustadora podem crescer até 3 metros de comprimento, prendendo e triturando seus alimentos com mandíbulas poderosas e aparelhos bucais afiados.

Embora já se acredite que a história de vermes como esses remonta a centenas de milhões de anos – talvez no início do Paleozoico – suas partes moles do corpo significam que há um registro fóssil em grande parte incompleto para eles, o que torna esta nova descoberta significativa.

A equipe por trás do novo estudo recuperou e processou 319 espécimes para reconstruir um vestígio de fóssil (o vestígio de um animal, em vez do próprio animal), uma toca em forma de L com cerca de 2-3 centímetros de diâmetro e 2 metros de comprimento.

O vestígio fóssil, também conhecido como ichnotáxon, foi denominado Pennichnus formosae; com base na análise do tamanho e formato da toca, bem como nos sinais de perturbação deixados no registro da rocha, parece que foi o lar de um verme antigo que também saltava do fundo do mar para capturar presas.

“Essas características morfológicas do Pennichnus são consistentes com as atividades de um predador de emboscada e, portanto, levantamos a hipótese de que poliquetas gigantes, como os vermes bobbit, são os criadores mais prováveis dessas características”, escrevem os pesquisadores em seu estudo.

Uma dessas características morfológicas é a alta concentração de ferro que se estende ao topo da toca. Isso sugere que os antigos vermes usavam muco para reconstruir seus covis após o ataque, já que as bactérias que se alimentavam desse muco deixariam vestígios de ferro.

Outros habitantes potenciais para o P. formosae, incluindo camarões e moluscos, foram excluídos: os camarões tendem a fazer tocas mais abertas e mais complexas, enquanto a forma e a estrutura da toca não correspondem aos padrões deixados pelos moluscos.

As descobertas preenchem uma lacuna em nosso conhecimento de como esse tipo de criatura evoluiu e se desenvolveu ao longo do tempo – e quão dramática teria sido a vida (e a morte) no fundo dos oceanos por milhões de anos.

“Para resumir, hipotetizamos que cerca de 20 milhões de anos atrás, na fronteira sudeste do continente eurasiano, antigos ancestrais dos vermes bobbit colonizaram o fundo do mar esperando em uma emboscada por uma refeição que passasse”, escrevem os pesquisadores.

“Quando a presa chegava perto de um verme, ele pulava para fora de sua toca, agarrando e arrastando a presa para o sedimento. Abaixo do fundo do mar, a presa desesperada naufragava tentando escapar, levando a uma maior perturbação do sedimento ao redor da abertura da toca.”

A pesquisa foi publicada em Scientific Reports.