Vestígios antigos de vida ainda podem permanecer em Marte, sugere experimento

0
118
Deinococcus radiodurans. (Créditos: Michael Daly/USU)

Traduzido por Julio Batista
Original de Tessa Koumoundouros para o ScienceAlert

Aqui na Terra, a vida encontra um caminho em alguns de nossos ambientes mais extremos e improváveis, então é possível que a vida microbiana também tenha surgido em nosso vizinho planeta vermelho.

Novas simulações de laboratório que replicam algumas das condições extremas que tal vida teria encontrado sugerem que sinais desses micróbios ainda podem permanecer, escondidos com segurança sob metros de solo mineral marciano, para futuros rovers, como o ExoMars, encontrarem.

Isso apesar dos desafios que qualquer vida antiga teria enfrentado no que agora é um planeta desolado, gelado e essencialmente sem ar – sem mencionar as dificuldades que podemos ter em reconhecê-los.

“Se a vida marciana existisse, mesmo que formas de vida viáveis ​​não estivessem agora presentes em Marte, suas macromoléculas e vírus sobreviveriam por muito, muito mais tempo”, disse o patologista da Universidade de Serviços Uniformizados (EUA), Michael Daly.

“Isso reforça a probabilidade de que, se a vida evoluiu em Marte, tal questão será revelada em futuras missões”.

Daly e seus colegas expuseram seis micróbios – incluindo a bactéria mais resistente à radiação conhecida, Deinococcus radiodurans e a levedura Saccharomyces cerevisiae – às condições secas e frígidas de -80 °C semelhantes às encontradas em Marte.

“Não há água corrente ou água significativa na atmosfera marciana, então células e esporos secariam”, disse o químico da Universidade do Noroeste (EUA) Brian Hoffman.

“Sabe-se também que a temperatura da superfície de Marte é aproximadamente semelhante ao gelo seco, por isso o planeta está de fato profundamente congelado.”

A equipe bombardeou as bactérias e fungos secos e congelados com raios gama e prótons para simular a radiação cósmica.

Marte não tem a proteção contra a radiação cósmica que temos a sorte de ter aqui na Terra. Nossa atmosfera e o campo magnético do planeta desviam a maior parte dessa radiação antes que ela chegue até nós na superfície, de modo que ao longo de um ano a dose que recebemos é semelhante à de duas radiografias de tórax.

Em contraste, se estivéssemos na superfície do planeta vermelho, seríamos banhados em 40-50 vezes mais radiação – uma dose letal em seis meses.

Esse nível de radiação pode afetar os aminoácidos, os blocos de construção básicos de toda a vida, e pesquisas anteriores descobriram que seriam necessários 2 metros de solo para proteger essas moléculas por cerca de 80 milhões de anos – se tivermos sorte.

No entanto, Marte tem sido inóspito para a vida como a conhecemos há bilhões de anos, o que significa que qualquer vestígio dele teria se desintegrado além do nosso alcance.

No novo estudo, no entanto, os pesquisadores demonstraram que os D. radiodurans secos e congelados poderiam sobreviver por muito mais tempo do que as estimativas anteriores. Essa bactéria era tão impressionantemente robusta que a equipe a apelidou de Conan A Bactéria (em alusão ao personagem Conan O Bárbaro).

Com base em seus dados, a equipe postula que Conan A Bactéria, poderia sobreviver 1,5 milhão de anos sob meros 10 centímetros de solo de Marte e 280 milhões de anos se estivesse amontoada 10 metros abaixo da superfície.

“Embora D. radiodurans enterrados na subsuperfície marciana não possam sobreviver adormecidos pelos estimados 2 a 2,5 bilhões de anos desde que a água corrente desapareceu em Marte, esses ambientes marcianos são regularmente alterados e derretidos por impactos de meteoritos”, explicou Daly.

“Sugerimos que o derretimento periódico poderia permitir o repovoamento e a dispersão intermitentes.”

Isso aumenta a possibilidade de contaminação cruzada da vida em Marte e na Terra, o que exigiria medidas de proteção planetária para evitar isso, advertiram Horne e colegas.

“Concluímos que a contaminação terrestre em Marte seria essencialmente permanente – ao longo de milhares de anos”, disse Hoffman.

“Isso pode complicar os esforços científicos para procurar vida marciana. Da mesma forma, se os micróbios evoluíram em Marte, eles podem ser capazes de sobreviver até os dias atuais. Isso significa que amostras de Marte retornadas podem contaminar a Terra.”

Ao todo, sua pesquisa sugere que ainda há uma chance, embora muito pequena, de que os futuros rovers possam alcançar alguns vestígios da antiga vida microbiana em Marte. Isso, é claro, supondo que tal vida fosse bastante semelhante àquela com a qual estamos familiarizados, se é que alguma vez existiu.

Esta pesquisa foi publicada em Astrobiology.