Viés de confirmação

6
3518

O erro mais peculiar e perpétuo do conhecimento humano é ser movido e ficar mais excitado por afirmações do que por negações – Francis Bacon

viés de confirmação refere-se a um tipo de pensamento seletivo onde tende-se a dar uma maior atenção àquilo que confirma as suas respectivas crenças e de ignorar e desvalorizar qualquer ponto que as contradiga. Por exemplo, se você acredita que, durante uma Lua Cheia, há um aumento de admissões em uma sala de emergência que trabalha, você provavelmente ignorará os aumentos que ocorreram em noites que não apresentavam Lua Cheia. Isso acontece em razão de você acreditar que há uma relação direta entre as fases de iluminação do astro e o número de acidentes.

Essa tendência de dar mais atenção e peso para algo que suporta as nossas crenças ao invés de tentar falseá-las é bastante acentuada quando elas são completas de preconceitos. Se nossas crenças forem firmemente estabelecidas com evidências sólidas e experimentos válidos de confirmação, a convergência de dar mais atenção e peso para elas é explicável. Porém, não significa que não deva haver abertura para outras hipóteses, mesmo que elas devam ser rigidamente tratadas.

Estudos numerosos já demonstraram que as pessoas geralmente dão uma quantidade de valor excessivo para uma informação confirmatória, colocando-a como dado de suporte ou como positiva. A “razão mais provável dessa influência exacerbada da informação confirmatória é facilmente explicada cognitivamente” (Gilovich,  1993). É mais fácil ver como alguns dados suportam uma posição do que ver o que seria contra ela. Ao escavar a nossa memória em busca de um dado relevante à posição, temos mais probabilidade de achar dados que confirmam-na.

Considere um experimento típico de Experiência Extra-Sensorial ou sonho clarividente. As sucessões são, geralmente, ambíguas ou os dados são levemente massageados para serem contados como sucessos, enquanto as instâncias negativas requerem algum esforço intelectual para ver a experiência como negativa ou para considerá-la como insignificante.

Pesquisadores também são, às vezes, vítimas do viés de confirmação através da realização de experimentos ou da produção de dados que tendem a confirmar suas hipóteses.  Mas, como o método científico felizmente permite, há de se tentar falsear os postulados para que eles sejam considerados como verdadeiros ou para que provas contrárias sejam adotadas.


Traduzido e adaptado de:

http://skepdic.com/confirmbias.html

CONTINUAR LENDO
Compartilhar
Artigo anteriorFatores envolvidos nas extinções das espécies
Próximo artigoIbn al-Haytham – O Primeiro Cientista
Josikwylkson Costa Brito
Olá, meu nome é Josikwylkson Costa Brito (não, meu pai não deu uma cabeçada no teclado), mais conhecido como o Príncipe do Cosmos Nordestino, e nasci na cidade de Campina Grande, na Paraíba, onde moro atualmente. Tenho 18 anos atualmente, estou no segundo ano do curso de medicina e publico textos de cunho científico ou filosófico para o presente site, porém, em virtude dos estudos, não estou a fazê-lo com muita frequência. De todas as minhas publicações, gosto de publicar no âmbito de minha área (saúde), mas também arrisco em postar textos que contradigam o senso comum e que criticam as pseudociências, o que me faz ser esquartejado por muitos irracionalistas (que, inclusive, andam vagando por essa página). As críticas que mais recebo desses senhores são as de que não tenho autoridade o suficiente para falar de determinado assunto (mesmo que eu poste artigos científicos advindos de sites e/ou universidades de confiança). Então, em razão dos 'amigáveis' seguidores que se travestem de conhecedores de argumentação lógica e que rejeitam qualquer postagem minha por tal status, por favor, finjam que eu sou uma pessoa com 40 anos doutor em filosofia, cosmologia, biologia e medicina.

Deixe um comentário

6 Comentários em "Viés de confirmação"

Notify of
avatar
Sort by:   newest | oldest | most voted
Antonio Junior
Visitante

Levantarei apenas uma questão: os pioneiros da medicina, psicologia e afins, fundamentos das atuais ciências humanas e da natureza, quem os ensinou?

João Bosco Coelho Costa
Visitante

Retificando o comentário anterior: “O exemplo, salvo…………, ESTÁ nas crenças…..

João Bosco Coelho Costa
Visitante

O exemplo, salvo que me apresentem outro melhor, estão nas crenças religiosas. No que tange ao Cristianismo, religião que dá as cartas por aqui, seus adeptos se agarram como crustáceos nos rochedos à beira-mar aos fiapos de evidência acerca da historicidade da Bíblia e de Jesus olvidando solenemente os “buracos” e as contra-evidências. Numa dimensão mais pedestre, tem a velha e “boa” política.

Marcia Novo
Visitante

Josikwylkson, agradeço sua honestidade e interesse em publicar artigos diversos. Gostaria de adicionar que quem critica sua tenra idade, talvez tenha passado os 16 anos de idade jogando vídeo game entre outras formas de entretenimento e não se moveu na direção do conhecimento como você. Um cérebro jovem é sempre bem vindo! Keep the good work! MN (velha e curiosa)

Richard lima
Visitante

Concordo com as palavras dele também. Eu joguei durante meus 16 anos e muito. Tive muitas formas de entretenimento, aproveitei cada fase da minha vida sem tentar ser uma pessoa 10-15 anos mais velha. Hoje, encontro-me na área da ciência com meus 21 anos, dando a devida dedicação e importância para essa fase da minha vida, que é a profissional.
Pressões psicológicas sobre jovens causam danos que levarão para a vida toda, onde esses coitados terão partes ou toda infância massacrada, afetando , principalmente, a vida social dos mesmos.

William Junior
Visitante

Bem, como eu não encontrei um “joínha” para teclar, e como conheço que um Autor (aí, te dando uma moral) gosta bastante de que elogiem e prestigiem suas obras. Venho dizer: Valeu Josikwylkson (fui obrigado a dar “ctrl+C; ctrl+V” então se eu escrevi errado, a culpa é sua) pelo artigo, me ajudou bastante em meu trabalho de Processo Decisório. É engraçado como no dia-a-dia nós nem percebemos que caímos nessas armadilhas do pensamento.
Parabéns.

wpDiscuz