Vítima pré-histórica de canibalismo encontrada em caverna é identificada como uma jovem garota

0
112
Uma reconstrução do Homo antecessor H3, agora conhecido como a "Garota de Gran Dolina". Crédito: Tom Björklund.

Por Mindy Weisberger
Publicado na Live Science

Há cerca de 800.000 anos, onde hoje é a Espanha, canibais devoraram uma criança humana primitiva que ficou conhecida como “O Menino da Gran Dolina”. Mas uma nova análise desses vestígios antigos revelou uma reviravolta surpreendente: a criança era uma menina.

A criança era um Homo antecessor, uma espécie de hominídeo primitiva que viveu na Europa entre 1,2 milhão e 800 mil anos atrás. Descoberta em 1994 na caverna Gran Dolina nas montanhas Atapuerca, no norte da Espanha, a espécie é conhecida principalmente por fragmentos de ossos e dentes, o que dificultou os esforços dos pesquisadores para determinar o sexo dos indivíduos de H. antecessor.

Recentemente, cientistas testaram uma nova técnica, usando um tipo de análise dentária que identificou com sucesso machos e fêmeas em outras espécies humanas primitivas. Eles examinaram dentes de dois indivíduos da Gran Dolina: “H1” e “H3”. H1, cujos restos mortais definiram a espécie H. antecessor, tinha cerca de 13 anos na época da morte e por muito tempo foi considerado macho. O segundo indivíduo, H3 – O Menino de Gran Dolina – morreu aos 11 anos e também foi considerado do sexo masculino.

A análise microscópica da estrutura dentária no novo estudo revelou variações entre os dentes de H1 e H3 que os pesquisadores identificaram como sexualmente dimórficos – diferindo na aparência entre homens e mulheres. Com base em comparações com dentes de humanos e outros hominíneos, os cientistas determinaram que H1 era homem, mas H3 provavelmente era mulher.

Certas características do esqueleto, como o formato da pelve, tamanho da arcada supraciliar e robustez do osso onde os músculos se fixam, podem revelar pistas sobre o sexo de parentes humanos extintos. Mas essas características indicam apenas o sexo de esqueletos adultos, e cerca de 75% dos restos de Gran Dolina pertencem a crianças pré-adolescentes. Além do mais, os esqueletos das cavernas estavam altamente fragmentados, provavelmente porque foram canibalizados.

Os dentes, no entanto, costumam ser bem preservados em sítios arqueológicos antigos. Outros pesquisadores já haviam analisado dentes caninos para determinar o sexo em humanos (com uma precisão de até 92,3%) em populações de Neandertais de um sítio arqueológico em Krapina, Croácia, e em hominíneos anteriores de Sima de los Huesos da Espanha (“Abismo dos Ossos”) em Atapuerca.

As coroas dentárias são totalmente formadas aos 6 anos de idade e, uma vez que as crianças mais velhas geralmente têm pelo menos alguns de seus dentes permanentes, a análise das características dentárias “pode ​​ser especialmente útil em paleoantropologia para estimar o sexo de indivíduos imaturos” e pode ser aplicada aos restos mortais das crianças de Gran Dolina, relataram os cientistas em 10 de março no Journal of Anthropological Sciences.

Caninos permanentes de indivíduos de Gran Dolina. A parte superior mostra a maxila do indivíduo H3, enquanto a parte inferior mostra o canino superior esquerdo pertencente ao indivíduo H1. Créditos: García-Campos C, Martinén-Torres M, Modesto-Mata M, Martín-Francés L, Martínez de Pinillos M, Bermúdez de Castro JM. / J Anthropol Sci. 2021 10 de março; 99.

Dentes completos

Para o novo estudo, os pesquisadores analisaram os caninos superiores – os dentes mais dimórficos sexualmente – de H1 e H3. Usando radiografias de alta resolução, eles mediram o volume do tecido e a área da superfície dos dois dentes, e os compararam com as varreduras dentárias existentes de humanos modernos, dos restos do sítio de Krapina e dos “Abismo dos Ossos” de Atapuerca.

Os autores do estudo descobriram que o canino de H3 tinha mais esmalte superficial do que o canino de H1, uma característica associada aos dentes femininos. Em comparação, o canino de H1 tinha uma coroa mais alta com mais dentina, o tecido ósseo denso sob o esmalte; o alto teor de dentina é uma característica dos dentes masculinos, relataram os cientistas. Como os caninos de H1 também eram extraordinariamente grandes, os especialistas já haviam adivinhado que o indivíduo era do sexo masculino, e a nova análise confirmou essa hipótese. No entanto, as diferenças entre os caninos de H1 e H3 corresponderam às variações sexualmente dimórficas em outros dentes humanos, sugerindo que H3 era do sexo feminino.

“‘O Menino de Gran Dolina’ teria sido na verdade ‘A Menina de Gran Dolina'”, disse a autora do estudo, Cecilia García-Campos, antropóloga física do CENIEH, no comunicado.

A menina teria entre 9 e 11 anos quando foi morta e devorada, de acordo com o estudo. E ela não foi a única vítima; os restos mortais de 22 indivíduos de H. antecessor em Gran Dolina exibiam sinais de terem sido canibalizados, com ossos mostrando cortes, fraturas onde foram rachados para expor a medula e até marcas de dentes, relatou a Live Science anteriormente.

Uma possível explicação para esse canibalismo antigo é que os humanos eram mais fáceis de capturar e mais nutritivos do que outros animais, escreveram pesquisadores em 2019 no Journal of Human Evolution. Em comparação com outros tipos de presas, “muito alimento poderia ser obtido de humanos a baixo custo”, disse o pesquisador do CENIEH Jesús Rodríguez, principal autor do estudo de 2019, em um comunicado naquele ano.