Você pode pegar o coronavírus duas vezes? Ainda não sabemos

Ainda não temos evidências suficientes para saber se a recuperação da COVID-19 induz a imunidade e nem se essa imunidade teria proteção duradoura contra o coronavírus.

0
448
Partículas do vírus SARS-CoV-2 (amarelo), vistas usando um microscópio eletrônico. Créditos: CDC / Science Photo Library.

Por Graham Lawton
Publicado na New Scientist

Digamos que você pegou a COVID-19 e se recuperou – agora você está imune por toda a vida ou pode pegá-lo novamente? Nós ainda não sabemos.

Em fevereiro, surgiram relatos de uma mulher no Japão que havia tido alta depois de ter COVID-19, mas depois testou positivo para o vírus SARS-CoV-2 pela segunda vez. Também houve relatos de um homem no Japão testando positivo depois de receber alta, além de casos anedóticos de segundos positivos na China.

Há o temor, então, de que as pessoas não desenvolvem imunidade ao vírus. Significaria que, até termos uma vacina eficaz, todos poderemos experimentar repetidas vezes a infecção.

Mas a ciência ainda é incerta. “Há alguma evidência anedótica de reinfecção, mas realmente não sabemos”, diz Ira Longini, da Universidade da Flórida. Pode ser que os testes utilizados não sejam confiáveis, o que seria um problema para os testes para outros vírus respiratórios, diz Jeffrey Shaman, da Universidade Columbia, em Nova York.

Os primeiros sinais de experiências com pequenos animais são tranquilizadores. Uma equipe da Academia Chinesa de Ciências Médicas de Pequim expôs quatro macacos-rhesus ao vírus. Uma semana depois, todos os quatro estavam doentes com sintomas do tipo COVID-19 e tinham altas cargas virais. Duas semanas depois, os macacos se recuperaram e foi confirmado que eles tinham anticorpos contra o vírus na corrente sanguínea.

“Há a possibilidade de você ser infectado com outros coronavírus repetidamente. Não sabemos se isso é verdade para esse vírus ”

Os pesquisadores tentaram reinfectar dois deles, mas falharam, o que sugere que os animais estavam imunes. “Essa descoberta é muito encorajadora, pois sugere que é possível induzir imunidade protetora contra o vírus”, diz Alfredo Garzino-Demo, da Faculdade de Medicina da Universidade de Maryland.

Mas isso não significa necessariamente imunidade a longo prazo. Existem outros coronavírus circulando entre os seres humanos e, embora induzam imunidade, isso não dura. “Alguns outros vírus da família dos coronavírus, como os que causam resfriados comuns, tendem a induzir uma imunidade de vida relativamente curta, de cerca de três meses”, diz Peter Openshaw, no Imperial College London.

“Sendo o vírus é tão novo, ainda não sabemos quanto tempo durará a proteção gerada pela infecção. Precisamos urgentemente de mais pesquisas para analisar as respostas imunes de pessoas que se recuperaram da infecção, para ter certeza”, diz Openshaw.

Outros imunologistas concordam. “A imunidade ao SARS-CoV-2 ainda não está bem esclarecida e não sabemos quão protetora será a resposta do anticorpo a longo prazo”, diz Erica Bickerton, do Instituto Pirbright, Reino Unido.

“Para infecções comuns por coronavírus, você não obtém imunidade duradoura”, diz Longini. “Você pode ser infectado repetidamente, e nós realmente não sabemos se para este novo coronavírus isso também seria verdade”.

Outros especialistas em doenças infecciosas são mais otimistas. “As evidências são cada vez mais convincentes de que a infecção pelo SARS-CoV-2 leva a uma resposta de anticorpo que é protetora. Provavelmente essa proteção é vitalícia”, diz Martin Hibberd, da London School of Hygiene & Tropical Medicine. “Embora precisemos de mais evidências para ter certeza disso, é improvável que as pessoas que se recuperaram sejam infectadas com o SARS-CoV-2 novamente”.

CONTINUAR LENDO