13,7 bilhões de anos em 1: o Calendário Cósmico e porque 31 de dezembro é o dia mais importante de todos

0
1077

Por Ethan Siegel
Publicado na Forbes

“No vasto oceano temporal que este calendário representa, todas as nossas memórias estão confinadas neste pequeno quadrado. Todas as pessoas de quem já ouvimos falar viveram em algum lugar aqui. Todos os reis e batalhas, migrações e invenções, guerras e amores. Tudo o que se encontra nos livros de história aconteceu aqui, nos últimos 10 segundos do calendário cósmico.”
— Carl Sagan

Nosso Universo existe há 13,7 bilhões de anos desde o Big Bang. Esse período de tempo é tão incrivelmente longo e tão distante da nossa experiência humana normal que a maioria de nós não consegue nem imaginar. No entanto, podemos aproveitar um divertido experimento mental para nos ajudar a entender a história do Universo: imagine que tudo – todos os 13,7 bilhões de anos – foram compactados para caber em um único ano. Cada “dia” nesse calendário duraria cerca de 38 milhões de anos, e uma única vida humana duraria apenas cerca de 0,2 segundos, em média. Se fosse assim que as coisas realmente se desenrolassem, 31 de dezembro seria a data mais importante de todas. Aqui está o porquê.

A história do nosso Universo começa com o início do quente Big Bang em 1º de janeiro, seguido pelo Universo em expansão, resfriamento e gravitação desde então. As primeiras estrelas se formam em 3 de janeiro, com as primeiras galáxias se formando alguns dias cósmicos depois. Até o final de janeiro, os primeiros aglomerados de galáxias estão começando a se formar, seguidos pela formação de estrelas atingindo seu pico em meados de março.

No final de junho, a densidade da matéria cai o suficiente para que os efeitos da energia escura comecem a aparecer e o Universo começa a acelerar, selando nosso destino cósmico. No início de setembro, o Sol e a Terra se formam, com a Lua se formando de um impacto gigante cerca de 1 dia cósmico depois. E, no entanto, a rica história biológica da Terra só se familiariza perto do final do ano.

O primeiro organismo que se reproduz sexualmente, um eucarioto unicelular, não evolui até 2 de dezembro. A explosão cambriana ocorre em 17 de dezembro. Um impacto gigantesco ocorre, tornando extintos os dinossauros não aviários na manhã de 30 de dezembro. Mas o dia 31 de dezembro, que nem veria o primeiro Homo sapiens aparecer até às 23h53min, é realmente o dia mais importante no que diz respeito à nossa história.

À medida que o relógio passa da meia-noite de 30 de dezembro, o mundo muda bastante desde o evento de extinção em massa de ontem. Primatas, roedores, lagomorfos e muitas outras formas de mamíferos – mamíferos placentários, marsupiais e até mamíferos que põem ovos – aproveitaram essa oportunidade para diversificar e preencher todos os nichos disponíveis. Os primatas de nariz molhado e nariz seco já se separaram, e os primatas de nariz seco, logo no início (ou talvez pouco antes) do início de 31 de dezembro, se dividiram em macacos do Novo Mundo e do Velho Mundo.

Os macacos do Velho Mundo continuam ocupando uma variedade de nichos, vivendo principalmente nas árvores e diversificando em termos de tamanho e aparência física. Por volta das 8 horas da manhã de 31 de dezembro, os primeiros primatas de grande porte surgem, se separando dos demais macacos do Velho Mundo neste momento. Esses primatas – definidos pela completa falta de cauda de qualquer tipo – continuariam a dar origem a muitos dos parentes mais próximos dos seres humanos que ainda estão vivos hoje.

Por volta do meio dia, surge o primeiro macaco que se separou dos macacos do Velho Mundo – o gibão. Cerca de duas horas depois, surgiram os primeiros grandes símios, com o orangotango se ramificando por volta das 15h e se espalhando pelo sul da Ásia. Os outros grandes macacos permaneceram na África, com o maior primata de todos os tempos, Gigantopithecus, surgindo por volta das 18h.

Por volta das 19h30, o gorila se ramificou dos outros grandes macacos, enquanto uma divisão evolucionária tremendamente importante ocorreu por volta das 20h: a divisão entre o ramo do chimpanzé/bonobo e o ramo dos grandes macacos que dariam origem aos humanos. O ramo de chimpanzés/bonobos permaneceu unificado até cerca das 22h30, com os chimpanzés e bonobos existentes sobrevivendo como parentes vivos mais próximos da humanidade.

Apenas as últimas 4 horas antes da meia-noite no calendário cósmico estão cheias de desenvolvimentos enormes e profundos. Por volta das 20h30, surgiu o primeiro macaco verdadeiramente bípede, Ardipithecus. Uma hora depois, às 21h30, o primeiro Australopithecus evoluiu, marcando a primeira aparição do gênero Hominina. Por volta das 21h45, vemos a primeira evidência do uso de ferramentas de pedra em ancestrais humanos, um desenvolvimento que (em tempo real) remonta a cerca de 3,6 milhões de anos atrás.

E então, por volta das 10:15-10:30, ocorreu um passo extremamente crítico em nosso desenvolvimento. Nossos ancestrais hominídeos, enfrentando a escassez de alimentos, passaram por dois caminhos evolutivos: um ramo desenvolveu mandíbulas mais fortes, permitindo que quebrassem nozes antes inescrutáveis, enquanto o outro desenvolveu cérebros maiores e mandíbulas mais fracas, fornecendo um caminho diferente para o acesso aos alimentos. Esse último caminho acabou levando ao gênero Homo, exemplificado pelo Homo habilis de cérebro grande, enquanto o ramo de mandíbula forte rapidamente desapareceu.

Por volta das 22h45, o Homo erectus havia evoluído, o ancestral humano com maior cérebro até agora e o primeiro a deixar o continente africano e mostrar evidências de uso do fogo. Às 23h20, o Homo habilis e todas as espécies do Australopithecus haviam sido extintas.

Mas o desenvolvimento ainda continuou inabalável, tanto evolutivamente quanto sob uma perspectiva cultural/científica. Por volta das 23h33, as primeiras evidências para o hábito de cozinhar aparecem. Às 23h36, o Homo heidelbergensis evolui, considerado por muitos um elo entre os humanos modernos e o Homo erectus mais antigo. E às 23h40, a primeira evidência de roupas aparece no registro fóssil. Não foi até aproximadamente 23h48 do calendário cósmico, ou cerca de 300.000 anos atrás, em tempo real, que os humanos anatomicamente modernos, Homo sapiens, surgiram pela primeira vez.

O que consideramos as principais conquistas da civilização, todas aconteceram apenas nos minutos finais do calendário cósmico. Às 23h56, chega o período glacial mais recente, forçando todas as populações de hominídeos sobreviventes a marcharem em direção a latitudes equatoriais. Às 23:58:20, 100 segundos antes da meia-noite no calendário cósmico, os humanos modernos deixam a África para a Europa pela primeira vez. Entre 23:58:30 e 23:58:54, pouco antes do minuto final, encontramos os primeiros instrumentos musicais (uma flauta de osso), cães domesticados, pinturas rupestres e esculturas. Intercalado naquele penúltimo minuto, às 23h58min43s, o último neandertal morre, deixando chimpanzés e bonobos como o parente vivo mais próximo da humanidade. Somente neste último minuto da história cósmica, correspondente aos 26.000 anos mais recentes, emerge o que agora consideramos “civilização humana moderna”.

Este último minuto do calendário cósmico compreende o fim do último período glacial, transformando a Terra em sua aparência global moderna. Os seres humanos se espalham para as Américas e para a Austrália, enquanto mais animais grandes (como ovelhas, porcos e cabras) são domesticados à medida que outros (como o mamute) são extintos.

26 segundos antes da meia-noite, o último recuo do gelo continental encerra oficialmente a última era glacial. 22 segundos antes da meia-noite, a agricultura se espalha. 20 segundos antes da meia-noite, surgem as primeiras cidades muradas, com populações superiores a 1.000 seres humanos. 18 segundos antes da meia-noite, cerâmica e vinificação aparecem. 14 segundos antes da meia-noite, o arado é inventado, revolucionando a agricultura. 12 segundos antes da meia-noite, a roda, os números e a escrita são inventados. 9 segundos antes da meia-noite, o uso do metal e a idade do bronze começam. No calendário cósmico, cada segundo corresponde a 440 anos. Até o pouso na Lua ocorreu apenas 0,1 segundos atrás, em uma perspectiva cósmica.

Tudo o que os seres humanos já realizaram ocorreu em um piscar de olhos cósmico. Nosso progresso nos últimos milhares de anos pode ter sido rápido e incrível, e nos levou a um ponto em que agora buscamos estender nossa civilização além da Terra. Chegamos tão longe em tão pouco tempo, cosmicamente falando, mas se vamos suportar o peso e sobreviver a tudo isso, é uma questão que ainda não podemos responder.

Se realmente quisermos fazer alguma diferença significativa no “ano 2” do calendário cósmico, teremos que trabalhar duro. O mundo está mudando rapidamente e, em muitas frentes, continuamos danificando e envenenando o ecossistema que nos sustenta. Se não começarmos a ter uma visão de longo prazo de nossa civilização, poderíamos desaparecer em meros segundos cósmicos, assim como toda a história humana registrada que se encaixa em meros segundos também. À medida que a década de 2010 passa para a década de 2020, cabe a todos nós pilotar nosso único e habitável planeta, a Terra, na direção certa.