9 experimentos médicos terríveis e desumanos

Muitos experimentos médicos terríveis foram conduzidos em nome da ciência. Aqui estão nove dos mais desumanos.

0
174
Uma sala de cirurgia da SS usada para experimentos médicos terríveis. Créditos: Corbis Historical / Getty Images.

Por Stephanie Pappas e Callum McKelvie
Publicado na Live Science

Ao longo da história, vários experimentos terríveis foram realizados em nome da ciência. Todos conhecemos o estereótipo do cientista louco, muitas vezes um vilão na cultura popular. No entanto, na vida real, enquanto a ciência geralmente salva vidas, às vezes os cientistas cometem crimes horríveis para obter resultados.

Alguns são erros éticos e de julgamento feitos por pessoas convencidas de que estão fazendo a coisa certa. Outras vezes, são puramente más intenções. Aqui estão nove dos piores experimentos em seres humanos na história.

Separando trigêmeos

Créditos: Richard Lee / NY Daily News via Getty Images.

Nas décadas de 1960 e 1970, psicólogos clínicos liderados por Peter Neubauer realizaram um experimento secreto no qual separaram gêmeos e trigêmeos e os levaram para a adoção como filhos únicos. O experimento, que teria sido parcialmente financiado pelo Instituto Nacional de Saúde Mental dos EUA, veio à tona quando três irmãos trigêmeos idênticos se encontraram acidentalmente em 1980. Eles não tinham ideia de que tinham irmãos.

David Kellman, um dos trigêmeos que ficou enfurecido com o experimento, declarou: “Nós fomos roubados de 20 anos juntos”, disse Kellman em um artigo do Orlando Sentinel. Seu irmão, Edward Galland, morreu por suicídio em 1995 em sua casa em Maplewood, Nova Jersey, de acordo com o LA Times.

Os psiquiatras infantis que lideraram o estudo – Peter Neubauer e Viola Bernard – não mostraram nenhum remorso, segundo as reportagens, chegando a dizer que achavam que estavam fazendo algo de bom para as crianças, separando-as para que pudessem desenvolver suas personalidades individuais, disse Bernard, de acordo com Quillette. Quanto ao que Neubauer aprendeu com seu experimento secreto cruel, ninguém sabe, já que os resultados do controverso estudo estão sendo armazenados em um arquivo da Universidade de Yale e não podem ser abertos até 2066, informou a NPR em 2007. Neubauer publicou algumas de suas descobertas em um livro de 1996, Nature’s Thumbprint: The New Genetics of Personality, principalmente sobre seu filho. De acordo com a Psychology Today, desde 2021, alguns dos estudos da Dra. Viola Bernard tornaram-se públicos na Universidade Columbia.

O diretor Tim Wardle narrou a vida dos trigêmeos no filme “Três Estranhos Idênticos“, que estreou em Sundance no ano de 2018.

Experimentos médicos nazistas

A entrada para o campo de concentração de Auschwitz. Créditos: Bettmann / Getty Images.

Talvez os experimentos malignos mais infames de todos os tempos tenham sido os realizados por Josef Mengele, um médico da SS em Auschwitz durante o Holocausto. Mengele vasculhou os trens que chegavam em busca de gêmeos para seus experimentos, na esperança de provar suas teorias sobre a supremacia racial dos arianos. Muitos morreram no processo. Ele também coletou os olhos de seus “pacientes” mortos, de acordo com o Museu Memorial do Holocausto dos EUA.

Os nazistas usavam prisioneiros para testar tratamentos para doenças infecciosas e guerra química. Outros foram forçados a temperaturas de congelamento e câmaras de baixa pressão para experimentos de aviação, de acordo com a Biblioteca Virtual Judaica. Inúmeros prisioneiros foram submetidos a procedimentos de esterilização experimental. Uma mulher, Ruth Elias, teve seus seios amarrados com barbante para que os médicos da SS pudessem ver quanto tempo seu bebê levaria para morrer de fome, de acordo com uma história oral coletada pelo Museu do Holocausto. Ela acabou injetando na criança uma dose letal de morfina para evitar que ela sofresse por mais tempo.

Alguns dos médicos responsáveis ​​por essas atrocidades foram posteriormente julgados como criminosos de guerra, mas Mengele escapou para a América do Sul. Ele morreu em Bertioga no Brasil em 1979, de ataque cardíaco, com seus últimos anos sendo ​​solitários e depressivos, de acordo o The Guardian.

Unidade 731 do Japão

Shiro Ishii, comandante da Unidade 731. Crédito: Wikimedia Commons.

Ao longo das décadas de 1930 e 1940, o Exército Imperial Japonês realizou guerra biológica e testes médicos em civis, principalmente na China. Liderados pelo general Shiro Ishii, o principal médico da Unidade 731, o número de mortos desses experimentos brutais é desconhecido, mas até 200.000 podem ter morrido, estimou o historiador Sheldon H. Harris de acordo com um relatório do New York Times de 1995.

Numerosas doenças foram estudadas para determinar seu uso potencial na guerra. Entre elas estavam peste bubônica, antraz, disenteria, febre tifoide, paratifoide e cólera, de acordo com um estudo do Dr. Robert K. D. Peterson para a Universidade de Montana (EUA). Inúmeras atrocidades foram cometidas, incluindo a infecção de poços com cólera e febre tifoide e a disseminação de pulgas infestadas de peste bubônica nas cidades chinesas.

De acordo com Peterson, as pulgas foram lançadas em bombas de argila a uma altura de 200 a 300 metros e não deixaram vestígios. Os prisioneiros marchavam em um clima congelante e depois faziam experimentos para determinar o melhor tratamento para o congelamento.

Ex-membros da unidade disseram aos meios de comunicação que os prisioneiros foram injetados com gás venenoso, colocados em câmaras de pressão até seus olhos saltarem e até dissecados enquanto vivos e conscientes. Após a guerra, o governo dos EUA ajudou a manter os experimentos em segredo como parte de um plano para tornar o Japão um aliado da Guerra Fria, de acordo com a reportagem do Times.

Não foi até o final dos anos 1990 que o Japão reconheceu pela primeira vez a existência da unidade e não até 2018 que os nomes de milhares de membros da Unidade foram divulgados, de acordo com o The Guardian.

O “Estudo do Monstro”

Em 1939, fonoaudiólogos da Universidade de Iowa (EUA) decidiram provar sua teoria de que a gagueira era um comportamento aprendido causado pela ansiedade de uma criança em falar. Infelizmente, a maneira que eles escolheram para fazer isso foi tentar induzir a gagueira em órfãos, dizendo-lhes que estavam condenados a começar a gaguejar no futuro.

Os pesquisadores sentaram-se com crianças no Lar de Orfãos de Soldados e Marinheiros de Ohio e disseram que eles estavam mostrando sinais de gagueira e não deveriam falar a menos que tivessem certeza de que falariam direito. O experimento não induziu a gagueira, mas deixou as crianças antes normais ansiosas, retraídas e silenciosas.

Futuros estudantes de patologia de Iowa apelidaram o estudo de “Estudo do Monstro”, de acordo com um artigo de 2003 do New York Times sobre a pesquisa. Três filhos sobreviventes e proprietários das casas de três outros acabaram processando Iowa e a universidade. Em 2007, Iowa pagou um total de US$ 925.000.

Os assassinatos de Burke e Hare

O anatomista Dr. Robert Knox, a quem Burke e Hare forneceram os corpos de suas vítimas. Créditos: Getty Images / Hulton Archive.

Até a década de 1830, os únicos corpos legalmente disponíveis para dissecação por anatomistas eram os de assassinos executados. Como assassinos executados eram uma raridade relativa, muitos anatomistas passaram a comprar corpos de ladrões de túmulos – ou a roubar eles mesmos. “O roubo de corpos como uma ocupação ‘profissional’ não começou a tomar forma até o final do século 18”, disse Suzie Lennox, autora de Bodysnatchers: Digging Up the Untold Stories of Britain’s Resurrection Men, em uma entrevista ao All About History. “Até então estudantes e anatomistas faziam suas próprias incursões em cemitérios, adquirindo cadáveres como e quando pudessem”.

O proprietário de uma hospedaria de Edimburgo, William Hare, e seu amigo William Burke encontraram uma maneira de entregar cadáveres frescos às mesas de anatomia de Edinbrugh sem nunca roubar um corpo. De 1827 a 1828, os dois homens sufocaram mais de uma dúzia de inquilinos na pensão e venderam seus corpos ao anatomista Robert Knox, de acordo com “Stiff: The Curious Lives of Human Cadavers” de Mary Roach (WW Norton & Company, 2003). Knox aparentemente não percebeu (ou não se importou) que os corpos que seus fornecedores mais novos estavam trazendo para ele eram suspeitosamente frescos, escreveu Roach.

Burke mais tarde foi enforcado por seus crimes, e o caso estimulou o governo britânico a afrouxar as restrições à dissecação. “O escândalo levou à Lei de Anatomia de 1832, que disponibilizou legalmente um número maior de cadáveres para as faculdades”, disse Maclolm McCallum, curador do Museu Anatômico de Edimburgo, em entrevista ao All About History. “Se você morresse em um asilo ou hospital, e não tivesse parentes ou meios para cobrir os custos do funeral, seu corpo iria para as faculdades para dissecação. Fundamentalmente, as instituições que forneciam os cadáveres apenas os forneciam para as faculdades de anatomia que estavam associadas aos hospitais”.

Experiências cirúrgicas em escravas

James Marion Sims, o ‘pai da ginecologia’, cujos experimentos com escravas continuam a causar polêmica. Créditos: Getty Images / Hulton Archive.

O pai da ginecologia moderna, J. Marion Sims, ganhou muito de sua fama fazendo cirurgias experimentais (às vezes várias por pessoa) em mulheres escravas, segundo o The Atlantic. Sims continua sendo uma figura controversa até hoje, porque a condição que ele estava tratando nas mulheres, a fístula vesico-vaginal, causou um sofrimento terrível. Mulheres com fístulas, um rasgo entre a vagina e a bexiga, eram incontinentes e muitas vezes rejeitadas pela sociedade.

Sims realizou as cirurgias sem anestesia, em parte porque a anestesia só havia sido descoberta recentemente, e em parte porque Sims acreditava que as operações “não eram dolorosas o suficiente para justificar o problema”, como ele disse em uma palestra de acordo com a NPR.

Ainda há discussões sobre se os pacientes de Sims teriam consentido com as cirurgias se tivessem total liberdade de escolha. No entanto, como escreveu a professora de serviço social da Universidade do Alabama Durrenda Ojanuga no Journal of Medical Ethics em 1993, Sims “manipulou a instituição social da escravidão para realizar experimentos humanos, o que por qualquer padrão é inaceitável”. Em 2018, uma estátua de Sims foi removida em resposta à controvérsia em andamento, de acordo com o The Guardian.

Estudo de sífilis na Guatemala

Muitas pessoas acreditam erroneamente que o governo estadunidense deliberadamente infectou os participantes do Tuskegee com sífilis, o que não foi o caso. Mas o trabalho da professora Susan Reverby expôs recentemente uma época em que os pesquisadores do Serviço de Saúde Pública dos EUA fizeram exatamente isso, de acordo com o Wellesley College. Entre 1946 e 1948, descobriu Reverby, os governos dos EUA e da Guatemala copatrocinaram um estudo envolvendo a infecção deliberada de 1.500 homens, mulheres e crianças guatemaltecos com sífilis, segundo o The Guardian.

O estudo destinava-se a testar produtos químicos para evitar a propagação da doença. De acordo com Michael A. Rodriguez em um estudo de 2013; “Os experimentos não foram conduzidos em um ambiente clínico estéril no qual as bactérias que causam DSTs foram administradas na forma de uma vacina com picada de agulha ou uma pílula tomada por via oral. Os pesquisadores violaram sistemática e repetidamente indivíduos profundamente vulneráveis, alguns nos mais tristes e desesperados estados e agravaram enormemente seu sofrimento” Aqueles que contraíram sífilis receberam penicilina como tratamento, descobriu Reverby, mas os registros que ela descobriu não indicam nenhum acompanhamento ou consentimento informado dos participantes. Em 1º de outubro de 2010, a Secretária de Estado Hilary Clinton e a Secretária de Saúde e Serviços Humanos Kathleen Sebelius emitiram uma declaração conjunta um pedido de desculpas pelos experimentos, de acordo com o The Guardian.

O Estudo de Tuskegee

O desvio mais famoso da ética médica nos Estados Unidos durou 40 anos. Em 1932, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, o Serviço de Saúde Pública dos EUA lançou um estudo sobre os efeitos na saúde da sífilis não tratada em homens negros.

Os pesquisadores acompanharam a progressão da doença em 399 homens negros no Alabama e também estudaram 201 homens saudáveis, dizendo que estavam sendo tratados por “sangue ruim”. Na verdade, os homens nunca receberam tratamento adequado, mesmo em 1947, quando a penicilina se tornou a droga preferível para tratar a sífilis. Não foi até que um artigo de jornal de 1972 expôs o estudo aos olhos do público que as autoridades o encerrou, de acordo com o site oficial de Tuskegee.

O Experimento da Prisão de Stanford

Phillip Zimbardo, cujo controverso experimento na Prisão de Stanford continua a gerar grandes discussões. Créditos: Getty Images / Hearst Newspapers.

Em 1971, Philip Zimbardo, agora professor emérito de psicologia na Universidade de Stanford, começou a experimentar a “natureza da natureza humana”, para responder a perguntas como “O que acontece quando você coloca pessoas boas em situações ruins?” A forma que ele respondeu às suas perguntas sobre a natureza humana foi e é considerado por muitos como mais do que antiético. Ele montou uma prisão e pagou estudantes universitários para brincar de guardas e prisioneiros, que inevitavelmente pareciam se transformar em guardas abusivos e prisioneiros histéricos. O experimento de duas semanas foi encerrado depois de apenas seis dias porque as coisas ficaram caóticas rapidamente. “Em apenas alguns dias, nossos guardas ficaram sádicos e nossos prisioneiros ficaram deprimidos e mostraram sinais de estresse extremo”, afirmou Zimbardo, segundo o Times Higher Education. Os guardas, praticamente desde o início, trataram os prisioneiros muito mal, humilhando-os, despindo-os e pulverizando seus corpos com produtos químicos desinfetantes e geralmente assediando e intimidando-os, de acordo com o site Stanford Prison Experiment.

Acontece que, de acordo com uma reportagem do Medium, em junho de 2018, os guardas não se tornaram agressivos por conta própria – Zimbardo incentivou o comportamento abusivo – e alguns dos prisioneiros fingiram seus colapsos emocionais. Por exemplo, Douglas Korpi, um prisioneiro voluntário, disse que fingiu um colapso para ser libertado mais cedo para poder estudar para um exame.

Mesmo assim, o Experimento da Prisão de Stanford tem sido a base do entendimento de psicólogos e até historiadores de como mesmo pessoas saudáveis ​​podem se tornar tão más quando colocadas em certas situações, de acordo com a American Psychological Association.