A autópsia prematura da filosofia

0
267
Martin Heidegger (esquerda) e Ludwig Wittgenstein (direita).

Mario Bunge

Tradução de Glauber Frota
O texto está presente na obra Elogio de la Curiosidad (1998).

Nunca houve tantos professores de filosofia e simultaneamente, tão pouca filosofia nova, interessante e útil. Com efeito, dos fins da Segunda Guerra Mundial, o número de filósofos profissionais se multiplicou ao menos por dez e os congressos, livros e revistas de filosofia acompanharam o aumento desta população. Contudo, a enorme maioria dos filósofos não propõem ideias originais. Ensinam, comentam ou criticam ideias de outros, vivos ou mortos, ou se dedicam a jogos de passatempo, quando não a jogos de palavras.

A gravidade da crise da filosofia contemporânea é tal, que rende fervoroso culto a dois antifilósofos notórios: Ludwig Wittgenstein e Martin Heidegger. O primeiro disse que a filosofia é a doença consistente no mau uso da linguagem. E o segundo tem a dúbia distinção de ser o escrevinhador mais obscuro da história. Ambos estavam obcecados pela palavra e ignoraram as revoluções científicas que estavam acontecendo debaixo de seu nariz, e nenhum deles resolveu um único problema filosófico.

Mas tanto o fundador da filosofia da linguagem comum como o pai do existencialismo moderno originaram caminhos industriais altamente lucrativos. Estes ocupam muitos professores comprometidos em anotar, comentar, interpretar e reinterpretar os textos dos fundadores. Uma das razões para a popularidade de Wittgenstein e Heidegger é que a leitura não requer nenhum conhecimento anterior. Os aforismos do primeiro são triviais. As orações do segundo são divididas em inteligíveis (mas triviais e falsas), e incompreensíveis e portanto, intraduzíveis. O primeiro aborrece e o segundo indigna qualquer intelecto racional.

A disparidade entre qualidade e quantidade na filosofia contemporânea é tão óbvia que o professor norte-americano Richard Rorty proclamou a morte de filosofia. (No entanto, ele argumenta que Wittgenstein e Heidegger são dois dos três picos filosóficos do século. O terceiro seria o pragmático John Dewey, pensador muito influente nos EUA, mas de pouca originalidade). Naturalmente, Rorty e outros publicaram copiosamente sobre o assunto. A necrofilia se move para a filosofia.

Confesso que não li nenhum dos obituários da filosofia contemporânea. Meu amigo, o falecido José María Ferrater Mora, me deixava ciente desta e de outras patologias filosóficas, que a ele tanto divertiam como a mim, me irritavam.

Se você realmente acredita que a filosofia acabou e em particular, que alguém está acabado como um filósofo, então você tem o dever moral de permanecer em silêncio, para ser convencido de que ela não pode trazer nada de novo que não tenha sido dito antes.

Mas, se alguém não acredita na morte de filosofia, ou acredita que ele está ferida mas ainda pode ser salva, deve fazer algo para salvá-la. E a única coisa que você pode fazer de boa fé para contribuir para a restauração da filosofia é filosofar um pouco. Como diz a sabedoria popular, não há luta pior do que aquela que não se faz.

A quem dos dois devemos acreditar: o pessimista ou otimista, o funerário ou um médico? Eu acho que no segundo, pela simples razão de que há muitos, incontáveis problemas filosóficos não resolvidos ou, ainda pior, mal resolvidos. E enquanto não há um problema filosófico aberto e um cérebro interessado em trabalhar isso, a filosofia não terá morrido.

Em suma, eu acho que a filosofia não está morta, mas doente. Se isso é verdade, e se queremos que a filosofia se recupere, temos de começar a formular um diagnóstico correto: é preciso identificar os males da filosofia. Meu diagnóstico é que a filosofia de nosso tempo sofre com as seguintes doenças:

  1. substituição da vocação pela profissão;
  2. confusão entre filosofar e historiar;
  3. confusão entre profundidade e obscuridade;
  4. obsessão por linguagem;
  5. subjetivismo;
  6. refúgio em miniproblemas e jeux d’esprit;
  7. formalismo sem substância e substância informal;
  8. desdém pelos sistemas: uma preferência pelo fragmento e o aforismo;
  9. divórcio dos dois motores da cultura intelectual moderna: ciência e tecnologia;
  10. falta de interesse em questões sociais.

Vamos ver em detalhes o que esses males constituem.

O primeiro dos males anotados é a profissionalização excessiva. Antes, filosofar era algo amador, de amantes da sabedoria. Desde um par de séculos a filosofia é uma profissão como qualquer outra. (No entanto, eu não conheço nenhum filósofo que, ao declarar sua profissão, defina “filósofo”). Além disso, há tantos postos de professores de filosofia que, inevitavelmente, muitos deles são ocupados por pessoas sem vocação. Pior ainda, eles são obrigados a publicar para conseguir um emprego ou promoção. Com a comunidade científica a mesma coisa acontece: ela é cheia de funcionários que, em outros tempos, teriam sido competentes artesãos, secretários ou advogados. O resultado inevitável da profissionalização da filosofia e da ciência é a perda de qualidade.

O segundo mal é a confusão entre filosofia e contar sua história. Não há dúvida de que o conhecimento do passado de sua disciplina é mais importante para o filósofo do que para o químico ou biólogo, porque muitos problemas filosóficos têm raízes antigas e permanecem abertos. Ou seja, a história da filosofia é uma ferramenta para filosofar. Mas isso acontece muito frequentemente à medida em que o meio se toma pelo fim. A consequência é que marchamos olhando para trás. Isto é uma aberração. Ao final de tudo, os historiadores da filosofia se ocupam de filósofos originais, não de historiadores da filosofia.

O terceiro mal é a confusão entre profundidade e obscuridade. É verdade que é difícil entender um pensamento profundo. Mas também é verdade que é mais fácil passar um truísmo, ou mesmo um absurdo, por pensamento profundo. Para isso basta usar expressões confusas ou retorcidas. Por exemplo, escrevendo que “o mundo mundeia”, que “o tempo é originalmente a maturação da temporalidade” e absurdos semelhantes, Heidegger se fez passar por um pensador profundo. Caso contrário as pessoas teriam tomado o professor alemão por um louco, quando não o foi, mas era um charlatão.

O quarto mal é a obsessão com a linguagem, que atinge tanto os filósofos analíticos como os existencialistas. É claro que o filósofo deve tomar cuidado com a língua, mas isto não o distingue do matemático, geólogo, escritor ou jornalista. Além disso, uma coisa é escrever corretamente e com clareza, e outra, é tomar a linguagem como tema central de reflexão filosófica ou pior, ignorando o trabalho de especialistas na área, ou seja, linguistas. O filósofo não está interessado em saber como esta ou aquela palavra é usada nesta ou naquela comunidade linguística. Certamente, pode querer uma ideia geral da linguagem, mas apenas como uma das muitas ideias gerais. Se ele se limita à linguagem, irrita o linguista e entedia a todos. O resultado é que não enriquece a linguística e nem a filosofia.

O quinto mal é o subjetivismo. Este é o conjunto de doutrinas filosóficas que negam a realidade objetiva do mundo e a possibilidade de alcançar verdades objetivas. Exemplos modernos de subjetivismo são a fenomenologia ou egologia (teoria do eu) de Husserl, a tese positivista de que não há fatos físicos mas apenas observações e a tese relativista, segundo a qual cada grupo social está a construir as suas próprias verdades, sem que haja uma maneira racional para decidir entre elas. O subjetivismo é extremamente confortável. Porque, se o mundo é o que eu penso, eu não tenho nenhuma razão para me dar ao trabalho de estudá-lo. E se não há verdades objetivas, não temos porquê nos esforçarmos para encontrá-las. O resultado líquido é a desvalorização da pesquisa científica.

O sexto dos males que afligem a filosofia de hoje é a atenção exagerada que é dada à problemas ínfimos e jogos acadêmicos, tais como as especulações sobre mundos possíveis. Esta preferência frequentemente justifica o cínico velho ditado: “A filosofia é uma coisa com a qual e sem a qual o mundo continua tal e qual”.

A sétima das doenças enumeradas é o abuso do formalismo sem substância, e seu complemento, o abuso do substancial informal. Aqueles que cometem o primeiro pecado muitas vezes acreditam que a lógica formal não é apenas necessária, mas suficiente para filosofar. No segundo pecado caem aqueles que não percebem que o preciso tratamento de profundos problemas requer o uso de algumas ferramentas lógicas ou matemáticas formais. (Exemplos: a elucidação e sistematização dos conceitos de significado e de verdade, de sistema e de emergência da novidade, e de mente e de redução).

O oitavo mal é o desdém para a construção de sistemas filosóficos, com o pretexto de que todos os sistemas anteriores, como Leibniz e Hegel, falharam. Isto é como negar a física, porque cada uma das teorias físicas resultaram defeituosas. O problema não é próprio esforço de sistematização, mas este ou aquele resultado. Precisamos sistematizar nossas ideias porque as ideias isoladas são apenas inteligíveis, e porque o próprio mundo é um sistema em vez de um agregado de objetos desconectados. Uma ideia qualquer “arrasta” ou “atrai” para outras ideias, assim como todo corpo atrai outros organismos. Por exemplo, a ideia da negação é incompreensível sem as ideias de proposição e de afirmação. E a partir de Einstein, a ideia de tempo é incompreensível sem referência às ideias de evento, matéria e espaço. Por estas razões, precisamos de sistemas conceituais, ou seja, teorias, e devemos construir pontes entre eles. A filosofia não foge à necessidade de sistematizar.

O nono mal é o desinteresse em ciência e tecnologia. Este desinteresse leva a formular especulações escandalosamente anacrônicas. Exemplos: a filosofia da mente que ignora as descobertas da psicologia e da neurociência; a filosofia da história que não dá ciência das contribuições da escola francesa dos Annales da historiografia e a filosofia da ação que não toma nota das descobertas da ciência política ou técnica de administração de empresas. Este desinteresse faz a filosofia atual raramente ser útil para a ciência ou a técnica.

Por último, a maioria dos filósofos vive na torre de marfim, sem preocupação com os problemas sociais. Por exemplo,a maioria dos éticos não está interessada nos problemas morais que nos colocam a guerra e a tirania, a pobreza e a degradação ambiental. Portanto sua análise é interesse puramente acadêmico.

Em suma, acredito que a filosofia de nosso tempo está sofrendo dez males. Qualquer um deles teria sido suficiente por si só para prostrá-la. As dez doenças juntas a fizeram gravemente doente. Mas a doença não é o mesmo que a morte. Além disso, o diagnóstico preciso de uma doença precede o tratamento eficaz e, portanto, pode ser a fase de recuperação.

A filosofia não vai morrer enquanto restem pessoas curiosas por problemas gerais curiosos cuja solução não tem outro propósito além de nos ajudar a compreender a realidade, particularmente os seres humanos. Que nem todas essas pessoas são professores de filosofia, não importa no longo prazo. Descartes não era professor e no entanto, foi o pai da filosofia moderna.

O que realmente importa para a saúde da filosofia é manter a curiosidade viva por ideias gerais. Como diz o ditado popular, aquele que luta não está morto.

CONTINUAR LENDO