A cultura orienta a evolução humana mais do que a genética, segundo extensa pesquisa

0
274

Publicado na University of Maine

Em um novo estudo, pesquisadores da Universidade do Maine, nos Estados Unidos, descobriram que a cultura ajuda os humanos a se adaptarem ao ambiente e a superarem os desafios de maneira melhor e mais rápida do que a genética.

Depois de realizar uma extensa revisão da literatura e evidências da evolução humana de longo prazo, os cientistas Tim Waring e Zach Wood concluíram que os humanos estão passando por uma “transição evolutiva especial” na qual a importância da cultura, como conhecimentos, práticas e habilidades aprendidas, está ultrapassando o valor dos genes como o principal motor da evolução humana.

A cultura é um fator subestimado na evolução humana, disse Waring. Como os genes, a cultura ajuda as pessoas a se ajustarem ao ambiente e a enfrentar os desafios de sobrevivência e reprodução. A cultura, no entanto, faz isso de maneira mais eficaz do que os genes porque a transferência de conhecimento é mais rápida e flexível do que a herança dos genes, de acordo com Waring e Wood.

A cultura é um mecanismo de adaptação mais forte por algumas razões, disse Waring. É mais rápido: a transferência de genes ocorre apenas uma vez por geração, enquanto as práticas culturais podem ser aprendidas rapidamente e atualizadas com frequência. A cultura também é mais flexível do que os genes: a transferência de genes é rígida e limitada à informação genética dos pais, enquanto a transmissão cultural é baseada no aprendizado humano flexível e efetivamente ilimitado, com a capacidade de fazer uso de informações de colegas e especialistas. Como resultado, a evolução cultural é um tipo de adaptação mais forte do que a velha genética.

Waring, um professor associado de modelagem de sistemas socioecológicos, e Wood, um pós-doutorado associado da School of Biology and Ecology, acabam de publicar suas descobertas em uma revisão da literatura no Proceedings of the Royal Society B, o principal periódico de pesquisa biológica da Royal Society em Londres.

“Esta pesquisa explica porque os humanos são uma espécie única. Nós evoluímos geneticamente e culturalmente ao longo do tempo, mas aos poucos estamos nos tornando cada vez mais culturais e cada vez menos genéticos”, disse Waring.

A cultura influenciou como os humanos sobrevivem e evoluem por milênios. De acordo com Waring e Wood, a combinação de cultura e genes alimentou várias adaptações importantes em humanos, como agressão reduzida, inclinações a cooperação, habilidades colaborativas e a capacidade de aprendizagem social. Cada vez mais, os pesquisadores sugerem, as adaptações humanas são guiadas pela cultura e requerem genes para se acomodar.

Waring e Wood dizem que a cultura também é especial em um aspecto importante: é fortemente orientada para o grupo. Fatores como conformidade, identidade social e normas e instituições compartilhadas – que não têm equivalente genético – tornam a evolução cultural muito orientada para o coletivo, de acordo com os pesquisadores. Portanto, a competição entre grupos culturalmente organizados impulsiona adaptações como novas normas cooperativas e sistemas sociais que ajudam os grupos a sobreviver melhor juntos.

De acordo com os pesquisadores, “grupos culturalmente organizados parecem resolver problemas adaptativos mais prontamente do que indivíduos, por meio do valor agregado do aprendizado social e da transmissão cultural em grupos”. As adaptações culturais também podem ocorrer mais rapidamente em grupos maiores do que em grupos pequenos.

Com grupos orientando a cultura e a cultura agora alimentando a evolução humana mais do que a genética, Waring e Wood descobriram que a própria evolução se tornou mais orientada para o grupo.

“No longo prazo, sugerimos que os humanos estão evoluindo de organismos genéticos individuais para grupos culturais que funcionam como superorganismos, semelhantes a colônias de formigas e colmeias”, disse Waring. “A metáfora da ‘sociedade como organismo’ não é tão metafórica, afinal. Essa percepção pode ajudar a sociedade a entender melhor como os indivíduos podem se encaixar em um sistema bem organizado e mutuamente benéfico. Veja a pandemia de coronavírus, por exemplo. Um programa nacional de resposta à epidemia eficaz é realmente um sistema imunológico nacional e, portanto, podemos aprender diretamente de como o sistema imunológico funciona para melhorar nossa resposta à COVID-19”.