A estrela Betelgeuse perdeu seu brilho em 2019. Astrônomos acham que sabem o porquê

0
71
Esta ilustração mostra as mudanças no brilho da estrela supergigante vermelha Betelgeuse. (Créditos: NASA, ESA e E. Wheatley (STScI))

Traduzido por Julio Batista
Original de Stephanie Pappas para a LiveScience

A estrela Betelgeuse diminuiu seu brilho visivelmente em 2019. Agora, uma nova análise revela o porquê: Betelgeuse explodiu e ainda está se recuperando.

A estrela supergigante vermelha, que fica a cerca de 530 anos-luz da Terra, está entre as mais brilhantes do céu noturno. A estrela forma o ombro da constelação de Órion (O Caçador).

Também é muito velha: Betelgeuse está chegando ao fim de sua vida estelar e acabará explodindo em uma supernova visível da Terra, embora possa levar mais 100.000 anos, de acordo com pesquisas de 2021.

No final de 2019, a luz de Betelgeuse começou a escurecer. Em fevereiro de 2020, havia perdido dois terços de sua luminosidade normal vista da Terra.

Os cientistas que estudam o escurecimento bizarro concluíram que a própria estrela não estava prestes a se tornar uma supernova, mas que uma gigantesca nuvem de poeira obscureceu parte da luz da estrela.

Agora, cientistas usando o Telescópio Espacial Hubble revelaram que esta nuvem de poeira foi o resultado de uma enorme ejeção da superfície da estrela: uma pluma de mais de 1,6 milhão de quilômetros de diâmetro pode ter subido de dentro da estrela, produzindo o equivalente de um tremor estelar, um choque que explodiu um pedaço da superfície da estrela 400 milhões de vezes maior do que os normalmente vistos nas ejeções de massa coronal do Sol, a equipe relatou em um paper publicado no banco de dados de pré-publicação arXiv e aceito pelo The Astrophysical Journal para publicação.

“Betelgeuse continua fazendo algumas coisas muito incomuns agora; o interior está meio que pulsando”, disse a autora do estudo Andrea Dupree, diretora associada do Centro de Astrofísica Harvard & Smithsonian, em um comunicado.

Este é um território desconhecido na ciência estelar, disse Dupree.

“Nunca vimos uma enorme ejeção de massa da superfície de uma estrela”, disse ela. “É algo acontecendo que não entendemos completamente. É um fenômeno totalmente novo que podemos observar diretamente e resolver detalhes da superfície com o Hubble. Estamos assistindo a evolução estelar em tempo real.”

A nova pesquisa também incorporou informações de uma variedade de outros observatórios estelares, como o Observatório Robótico STELLA, nas Ilhas Canárias, na Espanha, e a espaçonave STEREO-A, da NASA, que orbita a Terra.

Ao reunir diferentes tipos de dados, Dupree e sua equipe conseguiram montar uma linha do tempo e uma narrativa da explosão e suas consequências.

A erupção explodiu um pedaço da atmosfera inferior da estrela, a fotosfera, deixando para trás um ponto frio que foi ainda mais obstruído pela nuvem de poeira da explosão.

Nos dois primeiros painéis, vistos em luz ultravioleta com o Telescópio Espacial Hubble, uma bolha brilhante e quente de plasma é ejetada do surgimento de uma enorme célula de convecção na superfície da estrela. No painel três, o gás expelido que flui rapidamente se expande para fora. Ele esfria para formar uma enorme nuvem de grãos de poeira obscurecendo. O painel final revela a enorme nuvem de poeira bloqueando a luz (vista da Terra) de um quarto da superfície da estrela. (Créditos: NASA, ESA e E. Wheatley (STScI))

O pedaço de fotosfera tinha várias vezes a massa da Lua da Terra , de acordo com a declaração da NASA.

Este ponto frio e a nuvem de poeira explicam por que a luz de Betelgeuse diminuiu. A estrela ainda está sentindo as reverberações, descobriram os pesquisadores.

Antes da erupção, Betelgeuse tinha um padrão pulsante, escurecendo e clareando em um ciclo de 400 dias. Esse ciclo agora se foi, pelo menos temporariamente.

É possível que as células de convecção dentro da estrela ainda estejam se movendo, interrompendo esse padrão, descobriram os pesquisadores.

A atmosfera externa da estrela pode estar de volta ao normal, mas sua superfície ainda pode estar balançando como gelatina, de acordo com o Hubblesite da NASA.

A erupção não é evidência de que Betelgeuse se tornará uma supernova tão cedo, disseram os pesquisadores, mas mostra como as estrelas antigas perdem massa.

Se Betelgeuse finalmente morrer em uma explosão estelar, a luz será visível durante o dia da Terra, mas a estrela está muito longe para ter outros impactos em nosso planeta.