Estas partículas de asteroide podem ser a nossa amostra mais ‘pura’ do Sistema Solar Exterior

0
40
Uma das amostras do asteroide Ryugu. (Créditos: JAXA)

Traduzido por Julio Batista
Original de Michelle Starr para o ScienceAlert

Os detritos recuperados de um asteroide na órbita solar próxima da Terra podem ser a amostra mais ‘pura’ de rocha cósmica que já tivemos em nossas mãos de primata.

De acordo com uma nova análise aprofundada do material entregue à Terra pelo asteroide Ryugu, as amostras de rochas e poeira estão entre os materiais do Sistema Solar mais não contaminados que já tivemos a oportunidade de estudar – e sua composição sugere que eles incorporar a química dos limites externos do nosso sistema.

Isso não apenas nos dá uma ferramenta única para entender o Sistema Solar e sua formação, mas também nos dá um novo contexto para interpretar outras rochas espaciais que foram contaminadas ao entrar em contato com a Terra.

“As partículas do Ryugu”, escreveu uma equipe liderada pelo cosmoquímico Motoo Ito, da Agência Japonesa de Tecnologia de Ciência Marinha da Terra (JAMSTEC) no Japão, “são os materiais extraterrestres mais não contaminados e não fracionados estudados até agora, e fornecem a melhor combinação disponível para o composição em massa do Sistema Solar.”

Já se passaram cerca de 4,6 bilhões de anos desde que o Sol se formou e o Sistema Solar ao seu redor. Obviamente isso é muito tempo, e muitas coisas mudaram desde então; mas temos cápsulas do tempo que nos permitem estudar a química do início do Sistema Solar para entender como tudo aconteceu. Estes são pedaços de rocha, como cometas e asteroides, que estão à deriva no espaço mais ou menos inalterados desde que se formaram.

Visitar uma rocha distante da Terra não é fácil, e coletar e devolver amostras ainda menos. Historicamente, contamos com rochas espaciais que vinham até nós para colocar nossas luvas nessas cápsulas do tempo. Meteoritos conhecidos como condritos carbonáceos têm sido a melhor ferramenta disponível para investigar a composição dos asteroides que podem ter levado água para a Terra, já que o Sistema Solar ainda estava se formando.

No entanto, esse registro é enviesado por uma espécie de versão mineral de sobrevivência do mais apto. Apenas os pedaços mais fortes de rocha espacial persistem através dos processos explosivos da entrada atmosférica e, mesmo assim, são alterados e contaminados pelo ambiente terrestre.

Nos últimos anos, aventurar-se a pousar em asteroides entrou dentro de nossas capacidades. Em dezembro de 2020, uma sonda que havia sido enviada a Ryugu pela Agência Espacial Japonesa (JAXA) trouxe uma carga inestimável: amostras de material coletadas da superfície do asteroide e transportadas para casa em recipientes estéreis.

Os cientistas vêm estudando avidamente o conteúdo desde então, revelando que o asteroide é composicionalmente muito semelhante a esses condritos carbonáceos, tornando-o o que chamamos de asteroide do tipo C. Ele também contém moléculas prebióticas – os precursores de compostos biológicos – e pode ter sido um cometa.

A nova análise se aprofunda ainda mais. Ito e seus colegas descobriram que as abundâncias de hidrogênio e nitrogênio pesados ​​no asteroide são consistentes com uma origem no Sistema Solar externo; isto é, Ryugu começou sua vida muito mais longe do Sol. Isso seria consistente com a teoria do cometa, já que esses corpos gelados são visitantes dos confins do Sistema Solar.

Ryugu, descobriram os pesquisadores, também tem uma diferença gritante de condritos carbonáceos. Faltam nas amostras de asteroide ferrihidrita (compostos de ferro e oxigênio) e sulfato (enxofre e oxigênio). Como esses compostos são encontrados em meteoritos, pensava-se que fossem um componente de materiais extraterrestres. A falta deles em Ryugu sugere que eles podem ser o resultado do intemperismo terrestre nos meteoritos.

Isso significa que futuros estudos de meteoritos devem permitir essa possibilidade… e que futuras missões de retorno de amostras de asteroides poderão ajudar a esclarecer ainda mais sobre o assunto.

“Neste estudo, demonstramos que os meteoritos [carbonáceos], apesar de sua importância geoquímica como indicadores da composição do Sistema Solar, são amostras contaminadas pela Terra”, escreveram os pesquisadores em seu paper.

“Os resultados deste estudo demonstram claramente a importância da amostragem direta de asteroides primitivos e a necessidade de transportar amostras devolvidas em condições totalmente inertes e estéreis. As evidências apresentadas aqui mostram que as partículas Ryugu estão, sem dúvida, entre os materiais do Sistema Solar mais não contaminados disponíveis para laboratório. O estudo e as investigações em andamento dessas preciosas amostras certamente expandirão nossa compreensão dos primeiros processos do Sistema Solar.”

A pesquisa foi publicada na Nature Astronomy.