A extraordinária história de Alan Turing

Créditos: Parameter Bond / Flickr.

Por Francisco Doménech
Publicado na OpenMind

Em 19 de agosto de 2014, algo excepcional aconteceu. A rainha Elizabeth II da Inglaterra finalmente concedeu um perdão póstumo a Alan Turing (1912-1954), condenado em 1952 por atos homossexuais. Assim, terminou um longo processo do estado britânico para pedir desculpas a uma de suas figuras científicas mais destacadas do século XX, cujas contribuições tiveram um impacto histórico. Durante a Segunda Guerra Mundial, ele desempenhou um papel fundamental ao ajudar os Aliados a decifrarem as comunicações secretas dos nazistas. Antes disso, Turing havia lançado uma ideia que transformou os computadores nas máquinas poderosas e versáteis que conhecemos hoje.

Hoje, os computadores fazem muita coisa incrível. “Computador” foi o nome dado aos objetos versados em cálculos numéricos e, no século XIX, esse termo começou a ser aplicado às máquinas, que começaram a substituir os seres humanos nessas tarefas. Essas máquinas calculavam cada vez mais rápido, especialmente no século XX, quando suas engrenagens eram substituídas por componentes eletrônicos.

No entanto, os computadores primitivos tinham a desvantagem de serem construídos para resolver um problema específico. Seus circuitos tiveram que serem trocados para usá-los para outros propósitos. Foi assim até 1936, quando um estudante inglês de matemática, Alan Turing, pensou que um computador poderia resolver qualquer problema – desde que o problema pudesse ser traduzido em expressões matemáticas e depois reduzido a uma série de operações lógicas com números binários, que se encaixavam em apenas duas decisões: verdadeira ou falsa. A ideia era reduzir tudo (números, letras, figuras, sons) a sequências de um e zeros e, em seguida, usar uma receita – um programa – para resolver os problemas em etapas mais simples. O computador digital havia nascido, mas no momento ainda era apenas uma máquina imaginária.

Após a Segunda Guerra Mundial, durante a qual ele ajudou a decifrar o código Enigma usado para criptografar as mensagens dos nazistas, Turing criou um dos primeiros computadores de estilo moderno, que além de digital também era programável. Ele poderia ser usado para muitas coisas apenas mudando o programa.

Sua máquina logo se tornou obsoleta, como acontece ainda hoje. Os computadores continuaram dobrando seu poder computacional a cada ano e meio, como previsto por Gordon Moore em 1965. Turing só viu os primeiros cérebros eletrônicos. Ele acreditava que os computadores podiam até pensar e, com o software certo, fazer coisas como conversar, sem que pudéssemos distinguir se é uma pessoa ou um computador. Ninguém conseguiu ainda criar um programa que pudesse passar nesse teste, o teste de Turing. Aos 40 anos, ele inaugurou o campo da inteligência artificial, mas em 1952, no auge de sua carreira científica, ele foi preso e condenado por indecência grosseira por um relacionamento homossexual. Turing também teve acesso negado às instalações do Bletchley Park, a central de criptografia do Reino Unido, onde ele trabalhou durante a Segunda Guerra Mundial.

Para evitar o tempo de prisão, ele optou por um tratamento para reverter seus impulsos naturais, mesmo sabendo que não era possível. Dois anos depois de iniciar essa suposta cura por castração química, Alan Turing tomou uma decisão muito mais complexa para a qual seus genes não haviam sido programados: ele cometeu suicídio em 7 de junho de 1954.

Foi isso que a investigação policial determinou. De acordo com a autópsia, a causa da morte foi envenenamento por cianeto, e ao lado de seu corpo uma maçã mordida foi encontrada. Os pesquisadores concluíram que Turing havia injetado cianeto na maçã antes de mordê-la. Mas a maçã nunca foi analisada, deixando em aberto outras possibilidades, como a inalação acidental de cianeto, que Turing aparentemente estava usando para um experimento em seu quarto.

Há muitas dúvidas sobre o suicídio de Turing, pois ainda não está claro se ele havia decidido encerrar sua vida por causa de sua convicção e tratamento por castração química, que foi concluída um ano antes de sua morte. Tampouco há evidências que confirmem que o logotipo da Apple, a maçã mordida (que, novamente, revolucionou a computação na década de 1970), seja uma homenagem a Alan Turing. A coincidência das listras do arco-íris do logotipo original da Apple com a bandeira do orgulho gay alimenta essa hipótese, mas Steve Jobs negou que essa fosse a origem do emblema: “Gostaríamos que fosse”, disse o fundador da empresa ao escritor e ator Stephen Fritar.

O verdadeiro tributo veio de seus colegas, que em 1966 começaram a dar o Prêmio Turing, equivalente ao Nobel de ciência da computação. No final do século XX, o reconhecimento da figura de Turing começou a ser muito mais difundido. E em 2009, o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, desculpou-se oficialmente com Alan Turing pela forma como foi tratado. Foi uma reação a uma petição online que buscava um perdão real.

A inicial reticência política e a complexidade dos procedimentos atrasaram a medida para restaurar a honra de Turing, e não chegou a tempo do centenário de seu nascimento em 2012. O perdão real chegou em agosto de 2014 com o objetivo de “lembrar-se de Turing por suas contribuições durante a guerra e não por sua subsequente condenação criminal”. Foi uma medida simbólica e excepcional, uma vez que os perdões geralmente são concedidos apenas se o agressor for tecnicamente inocente. Além disso, o decreto real da rainha Elizabeth II lançou outro processo. Em fevereiro de 2015, a família de Turing solicitou perdão póstumo aos outros quase 50.000 homens condenados na Grã-Bretanha por sua homossexualidade, que foi um crime naquele país entre 1885 e 1967.