A maioria das conspirações antivacinas online vem das mesmas 12 pessoas, mostra estudo

0
255
Créditos: Dragon Images / Getty Images.

Por Peter Dockrill
Publicado na ScienceAlert

Garantir que as pessoas sejam vacinadas contra a COVID-19 é a maneira mais infalível de salvar vidas na pandemia global em curso. Ainda assim, a hesitação da vacina está impedindo esforços vitais de imunização e é mais importante do que nunca entender sua origem.

De acordo com pesquisas recentes, uma grande parte desse grande problema, na verdade, tem um ponto de partida muito pequeno. Em um novo estudo, os pesquisadores descobriram que a maioria das conspirações antivacinas que circulam nas redes sociais pode ser atribuída a um simples grupo pequeno de contas individuais que representam personalidades antivacinas proeminentes.

Ao todo, apenas 12 dessas pessoas e suas organizações – a chamada dúzia da desinformação (disinformation dozen, em inglês) – são responsáveis ​​por iniciar até 65% de toda a propaganda antivacina falsa e enganosa compartilhada no Facebook e no Twitter.

Esse número é baseado em uma análise de mais de 812.000 postagens extraídas do Facebook e Twitter entre 1 de fevereiro e 16 de março de 2021, conduzida em uma investigação pelo Centro de Combate ao Ódio Digital (CCDH, na sigla em inglês) e Anti-Vax Watch, uma organização sem fins lucrativos organização que monitora a indústria de antivacinas.

“Exposto para todo o público na Internet ver está um pequeno grupo de indivíduos que não têm especialização médica relevante e só se preocupam com seus próprios bolsos, que estão abusando das plataformas de mídia social para deturpar a ameaça da COVID e espalhar informações incorretas sobre a segurança de vacinas”, explica o CEO da CCDH, Imran Ahmed, no relatório.

“De acordo com nosso relatório recente, os ativistas antivacinas no Facebook, YouTube, Instagram e Twitter alcançam mais de 59 milhões de seguidores, tornando essas as maiores e mais importantes plataformas de mídia social para os antivacinas”.

De acordo com a pesquisa, a ‘dúzia da desinformação’ por trás de quase dois terços do conteúdo antivacinas compartilhado amostrado pelo estudo inclui Joseph Mercola, Robert F. Kennedy Jr., Ty e Charlene Bollinger, Sherri Tenpenny, Rizza Islam, Rashid Buttar, Erin Elizabeth, Sayer Ji, Kelly Brogan, Christiane Northrup, Ben Tapper, e Kevin Jenkins.

Os pesquisadores dizem que essas contas influentes têm um grande número de seguidores e produzem grandes volumes de conteúdo antivacinas.

Muitas pessoas nas redes sociais que acabam compartilhando conteúdo antivacinas não seguiriam necessariamente nenhuma dessas contas, mas a nova análise sugere que a maioria das postagens antivacinas compartilhadas em plataformas como Facebook e Twitter originalmente começam com esse grupo relativamente pequeno de atores.

A influência do grupo varia dependendo da plataforma social, apresentando em até 17 por cento dos tweets antivacinas no Twitter, mas até 73 por cento do conteúdo antivacinas no Facebook, sugere o relatório.

A pesquisa, lançada originalmente em março, foi publicada para exortar os líderes das plataformas de mídia social a ‘desplataformizar’ essas vozes proeminentes, cuja divulgação e compartilhamento de conspirações e boatos antivacinas acaba custando vidas.

“A desinformação se tornou uma ameaça direta à saúde pública”, disse Ahmed em março.

“A mídia social está permitindo que os antivacinas recrutem milhões de estadunidenses e os doutrinem com medo e negação. Se as grandes empresas de tecnologia não agirem agora, a pandemia se prolongará e mais vidas serão perdidas”.

Apesar de uma onda de pressão política para tomar medidas contra as dezenas de contas identificadas, um estudo de acompanhamento publicado pela CCDH e pelo Anti-Vax Watch em abril descobriu que 10 pessoas do grupo ainda estavam no Facebook e Twitter em 25 de abril, com nove restantes no Instagram.

Nas semanas desde então, algumas contas foram proibidas ou restringidas, mas outras foram deixadas de lado, mantendo sua capacidade de espalhar informações incorretas, cuja exposição tem sido associada a taxas mais altas de hesitação à vacina.

De acordo com os pesquisadores, é uma falha perigosa das empresas de tecnologia controlar de maneira adequada e responsável a disseminação de falsidades imprudentes nas plataformas sociais – muitas das quais são lideradas por um corpo astuto e altamente organizado de empresários em busca de lucro.

“Os principais protagonistas da ‘indústria antivacina’ são um grupo coerente de propagandistas profissionais”, escreveu Ahmed em um estudo na Nature Medicine no início do ano.

“São pessoas que dirigem organizações multimilionárias, incorporadas principalmente nos EUA, com até 60 funcionários cada. Elas produzem manuais de treinamento para ativistas, adaptam suas mensagens para públicos diferentes e organizam reuniões semelhantes a conferências comerciais anuais, como qualquer outra indústria”.

O relatório está disponível no site do CCDH, assim como a análise de acompanhamento.