A pseudociência de Masaru Emoto

Por Steven Novella
Publicado na Neurologica

Masaru Emoto pensou que as emoções poderiam afetar objetos inanimados. Se você ficar feliz com a água e, em seguida, congelá-la, cristais belos emergirão. Se você ficar infeliz com a água e, novamente, congelá-la, cristais feios surgirão. Ele escreveu:

“O resultado foi que sempre observamos belos cristais depois de pronunciar palavras boas, tocar boas músicas e mostrar, tocar ou oferecer oração pura à água. Por outro lado, observamos cristais desfigurados na situação oposta.”

Eu sei – isso é ridículo. Por que se preocupar? Os céticos científicos estudam a pseudociência por várias razões. O que é interessante na pesquisa de Emoto não é a questão de pesquisa que ele estava buscando (que tem plausibilidade quase zero), mas como ele conseguiu se convencer de que sua pesquisa apoiava sua noção fantástica. Além disso, ele conseguiu convencer (ou, pelo menos, intrigar) um grande segmento do público que estava interessado em algo do tipo, e isso representa a oportunidade para ensinar ao público sobre como a ciência funciona e como podemos distingui-la da pseudociência. Por fim, mesmo a ciência pode ser vítima de erro e autoengano. A pseudociência flagrante é uma excelente oportunidade de ver a ciência patológica ao extremo, o que nos ajuda a entender melhor empiricamente e, em seguida, a evitar manifestações mais sutis em outros lugares.

Quero enfatizar que não tenho nenhum problema com o Emoto pesquisando essa questão (desde que ele não esteja desperdiçando fundos públicos limitados de pesquisa). Explorar ideias aparentemente malucas pode gerar frutos imprevisíveis. A probabilidade é baixa, mas essa é a natureza da pesquisa exploratória. A pesquisa marginal é uma boa maneira de nos manter atentos, impedir que fiquemos complacentes ou confortados demais em nossa visão. E, ocasionalmente, podemos nos surpreender. Mesmo que a hipótese em si se mostre irremediavelmente errada, podemos encontrar algo inesperado ao longo do caminho.

O meu problema é com a elaboração de pesquisas ruins ou de má qualidade que servem para confirmar uma ideia tola e depois afirmar que a ideia tola é científica. Na minha opinião, era isso que o Emoto estava fazendo.

No caso de alguém afirmar que há alguma plausibilidade misteriosa nas alegações de Emoto – de antemão, não há qualquer uma. Ele alegou que simplesmente escrever palavras negativas em um recipiente de água é suficiente para alterar as propriedades físicas dessa água. Essa afirmação exigiria uma mudança fundamental em nossa compreensão das forças básicas da natureza e como a natureza funciona. Apelar simplesmente aos limites do conhecimento humano não é suficiente para resgatar a hipótese.

Embora não conheçamos e não possamos saber tudo, e sempre devemos deixar a porta aberta para novas evidências e ideias, acumulamos um corpo de conhecimento que podemos utilizar para avaliar novas hipóteses. Essencialmente, podemos perguntar – esse alegado fenômeno é compatível com o que já foi estabelecido e requer nova física? Esses são dois critérios distintos. Exigir simplesmente novos fenômenos para que uma hipótese seja viável diminui a probabilidade de ser verdade, simplesmente porque estamos nos aventurando no desconhecido. A maioria das novas ideias científicas acaba por estar errada.

Muito mais condenatório, no entanto, é quando uma nova hipótese derrubaria uma montanha de pesquisas existentes. Quanto maior o corpo de pesquisa verificada que precisaria estar errado para que uma hipótese fosse verdadeira, maior o ônus da prova para a nova ideia. Então – eu não digo que você nunca poderia me convencer (que não é uma abordagem científica), mas que a evidência para a nova hipótese deve ser de qualidade e quantidade maior do que a evidência que sugere que a hipótese deve estar errada.

Essa é uma das principais maneiras pelas quais os pseudocientistas falham – eles montam um formigueiro e afirmam que ele desaprova uma montanha. Quando a comunidade científica não está impressionada, eles os acusam de ter a mente fechada ou se envolver em uma conspiração.

Para manter suas reivindicações, geralmente superestimam a magnitude de suas próprias evidências e são ignorantes ou desprezam as evidências estabelecidas. Parte da superestimação do valor de sua própria pesquisa é o desconhecimento da metodologia e a subestimação grosseira do papel da autoilusão e do viés na pesquisa.

Por exemplo, a pesquisa de Emoto é bastante criticada universalmente por uma metodologia pobre. Ele usou tamanhos de amostras pequenos, resultados subjetivos e métodos insuficientemente cegos. Por esse motivo, seus resultados não resistem à replicação quando métodos apropriados são utilizados. Ele estava envolvido no processo pseudocientífico clássico de começar com uma conclusão e depois tentar provar essa conclusão, em vez de tentar genuinamente provar que sua própria hipótese estava errada.

Para ilustrar isso, Emoto expandiu sua pesquisa de água para arroz. Ele encheu potes com arroz e adicionou água para o arroz absorver. Em seguida, ele os deixou por dias para ver quanto mofo e fungos eles cultivavam. Alguns potes de arroz foram expostos a emoções positivas, outros a emoções negativas e outros foram ignorados. De uma maneira não surpreendente, ele descobriu que o arroz com emoções positivas cresceu com menos fungos do que o arroz exposto a emoções negativas.

E novamente – sua metodologia não é convincente. Ele utilizou uma amostra pequena, seus resultados foram abertos e suas observações não foram cegadas. Quanto tempo ele observou o arroz? O que ele considerou como um resultado positivo ou negativo? Quantas vezes ele fez o experimento antes de gostar dos resultados?

De uma maneira não surpreendente, seu experimento não aguenta nem mesmo a replicação básica. As tentativas de repetir o experimento com um tamanho de amostra maior foram totalmente negativas.

As lições aqui são básicas para entender a metodologia científica. Para evitar o p-hacking (obter os resultados que você quer aprimorando o experimento), você precisa utilizar métodos rigorosos. Os tamanhos da amostra precisam ser grandes o suficiente para ter poder estatístico. Você precisa determinar antes do experimento qual será a medida de resultado, quanto tempo terão as observações, quais serão os escopos e que tipo de análise será feito. Você não pode tomar essas decisões depois de começar a coletar dados, porque, então, você pode facilmente inconscientemente p-hackear os resultados.

Emoto nos dá um exemplo extremo disso. Isso mostra que não há hipótese tão ridícula que você não consiga abrir caminho para um resultado aparentemente positivo. Esta é uma lição importante para pesquisadores científicos sérios para permanecer vigilantes contra manifestações mais sutis do p-hacking.

Todos os cientistas e entusiastas da ciência devem ser estudantes de pseudociência.

CONTINUAR LENDO