Análise de múmia pode reescrever completamente a história da mumificação egípcia antiga

0
68
Créditos: Purestock / Getty Images.

Por Ali Shoaib
Publicado no Business Insider

Uma nova análise de uma múmia egípcia antiga sugere que técnicas avançadas de mumificação foram usadas 1.000 anos antes do que se acreditava, reescrevendo a história das práticas funerárias egípcias antigas.

A descoberta gira em torno de uma múmia, conhecida como Khuwy, que se acredita ter sido um nobre de alto escalão. Ele foi escavado na necrópole, um vasto cemitério antigo de faraós egípcios e membros da realeza perto do Cairo, em 2019.

Os cientistas agora acreditam que Khuwy é muito mais velho do que se pensava, remontando ao Império Antigo do Egito, o que o tornaria uma das múmias egípcias mais antigas a serem descobertas, relatou o The Observer.

O Império Antigo durou de 2.700 a 2.200 a.C. e era conhecido como a “Era dos Construtores de Pirâmides”.

Khuwy foi embalsamado usando técnicas avançadas que se acredita terem sido desenvolvidas muito mais tarde.

Sua pele foi preservada com resinas caras feitas de seiva de árvore, e seu corpo foi impregnado com resinas e amarrado com faixas de linho de alta qualidade.

A nova análise sugere que os antigos egípcios que viviam há cerca de 4.000 anos atrás realizavam sepultamentos sofisticados.

Interior da tumba de Khuwy, localizada na necrópole de Sacará. Créditos: Mohamed El-Shahed / Agence France-Presse via Getty Images.

“Isso mudaria completamente nosso entendimento da evolução da mumificação”, disse a professora Salima Ikram, chefe de egiptologia da Universidade Americana no Cairo, ao The Observer. “Se esta for realmente uma múmia do Império Antigo, todos os livros sobre mumificação e a história do Império Antigo precisarão ser revisados”.

“Até agora, pensávamos que a mumificação do Império Antigo era relativamente simples, com dessecação básica – nem sempre bem-sucedida – sem remoção do cérebro, e apenas remoção ocasional dos órgãos internos”, disse Ikram ao The Observer.

Ikram ficou surpreso com a quantidade de resina usada para preservar a múmia, o que não é frequentemente registrado em múmias do Império Antigo.

Ela acrescentou que normalmente se dá mais atenção à aparência externa do falecido do que ao interior.

“Esta múmia está repleta de resinas e tecidos e dá uma impressão completamente diferente da mumificação. Na verdade, é mais como múmias encontradas 1.000 anos depois”, disse ela.

Ikram disse ao The National que a resina usada teria sido importada do Oriente Próximo, provavelmente do Líbano, demonstrando que o comércio com os impérios vizinhos naquela época era mais extenso do que se pensava.

A descoberta foi documentada na nova série da National Geographic, Vale dos Reis: Tesouros do Egito, que será exibida em 7 de novembro.

Tom Cook, que produziu a série para Windfall Films, disse ao The Observer que Ikram inicialmente não podia acreditar que Khuwy datava do Império Antigo por causa das técnicas avançadas de mumificação.

“Eles sabiam que a cerâmica na tumba era do Império Antigo, mas [Ikram] não achava que a múmia fosse [daquele período] porque estava muito bem preservada”, disse Cook ao The Guardian. “Mas, no decorrer da investigação, ela começou a aceitar a ideia”.

A tumba ornamentada de Khuwy apresentava hieróglifos que sugeriam que o sepultamento ocorreu durante o período da Quinta Dinastia, abrangendo o início do século 25 a meados do século 24 a.C., disse a Smithsonian Magazine.

Os arqueólogos também encontraram cerâmicas e potes usados ​​para armazenar partes do corpo durante o processo de mumificação que datava dessa época.

A equipe de Ikram fará mais testes para confirmar se os restos mortais pertencem a Khuwy.

Ela disse ao The National que uma possibilidade era que outra pessoa pudesse ter sido mumificada e enterrada séculos depois, em uma redefinição do túmulo.

“Eu continuo hesitante até que possamos conduzir a datação por carbono-14”, disse Ikram à agência, acrescentando que provavelmente levaria de seis a oito meses.