Antroposofia não é ciência

Rudolf Steiner, o pai da antroposofia.

Por Sven Ove Hansson
Publicado no Conceptus XXV

Resumo

A antroposofia é um dos movimentos ocultistas de maior sucesso na Europa. Neste artigo, sua reivindicação de ser uma ciência é examinada. São utilizados dois critérios que foram aceitos pelo fundador da antroposofia, Rudolf Steiner: (1) intersubjetividade e (2) confirmação pela ciência empírica. Nenhum desses critérios é satisfatório. As alegações de que a antroposofia é uma ciência não se justificam.

Introdução

A antroposofia, originalmente uma consequência da teosofia, é um dos movimentos ocultistas de maior sucesso no norte e no centro da Europa. Os novos seguidores são atraídos por suas escolas Waldorf, seus medicamentos fitoterápicos e sua agricultura livre de pesticidas. No entanto, a antroposofia é mais do que um amontoado de movimentos sociais. Seus seguidores afirmam que é uma ciência. A força e a influência do movimento antroposófico são razões suficientes para examinar a afirmação de que a antroposofia é uma ciência. Outra razão é que reivindicações precisas e autoritárias de sua epistemologia estão disponíveis, de modo que a antroposofia é mais acessível à análise filosófica do que a maioria dos outros movimentos com objetivos e métodos relacionados.

O caminho antroposófico ao conhecimento

A antroposofia é uma doutrina ocultista sobre realidades espirituais. É quase inteiramente baseada nos ensinamentos de seu fundador, Rudolf Steiner (1861-1925). Na prática, os pronunciamentos de Steiner nunca são questionados no movimento antroposófico e muito pouca informação foi adicionada à doutrina após sua morte. É em seus escritos que a epistemologia (esotérica) da antroposofia pode ser encontrada. [1]

Steiner enfatizou que estava fazendo “ciência” [Wissenschaft]. Ele intercambiavelmente chamou seu projeto de “ciência oculta” [Geheimwissenschaft], “ciência divina” [göttliche Wissenschaft] e – mais comumente – “ciência espiritual” [Geisteswissenschaft]. [2] A ciência espiritual “falaria do não sensível no mesmo espírito em que a ciência natural fala do sensível”. [3] Ela trabalha desenvolvendo no indivíduo a capacidade de ver diretamente a realidade espiritual (“clarividência” [Hellsehen]). O processo de aquisição dessa habilidade é chamado de “iniciação” [Einweihung]. [4] Steiner forneceu diretrizes bastante detalhadas para os primeiros estágios do processo de iniciação. Algumas pessoas têm, segundo Steiner, uma personalidade que facilita o desenvolvimento da clarividência.

“Há crianças que olham com temor reverente [heilige Scheu] a certas pessoas veneradas. A reverência por essas pessoas as proíbe, mesmo nas profundezas do coração, de admitir qualquer pensamento de crítica ou oposição… Muitos alunos ocultistas [Geheimschüler] vêm das fileiras dessas crianças”. [5]

Se um discípulo não nasceu com essa atitude, é necessário que ele “se comprometa, por rigorosa autoeducação, a gerar em si mesmo essa atitude de devoção”. A razão para isso é que “toda crítica, todo julgamento adverso passado, dissipa os poderes da alma para a obtenção de um conhecimento superior, assim como a veneração reverente desenvolve esses poderes”. [6]

Quando o discípulo se livrar de suas atitudes críticas, o próximo passo consistirá em realizar meditações diárias. Uma das meditações descritas por Steiner é olhar para uma semente e tentar ver, com um olho interior, como ela cresce em uma planta. Gradualmente, isso levará à capacidade de ver a planta em potencial dentro da semente. [7]

Para que a capacidade clarividente se desenvolva, o discípulo deve restringir continuamente qualquer tendência interna de analisar ou criticar. “Por essa intelectualização [Verstandesarbeit], ele simplesmente se desvia do caminho certo. Ele deve olhar o mundo com sentidos puros e saudáveis ​​e um forte poder de observação – e se entregar aos seus sentimentos”. [8] Ou, em outras palavras:

“Devemos dizer a nós mesmos: nosso pensamento cessa e nossa cabeça se torna o cenário da influência [Wirken] das hierarquias superiores”. [9]

Quando ele adquire conhecimento dessa maneira, o clarividente “experimenta a prova e nada mais pode ser alcançado com qualquer prova adicional de fora”. [10]

O clarividente de sucesso experimentará mudanças mentais dramáticas. Anteriormente, sua consciência era “continuamente interrompida pelos períodos de sono”. [11] Não será mais assim. “Seus sonhos, até agora confusos e aleatórios, começarão a assumir um caráter mais regular. Suas imagens começarão a se organizar de maneira ordenada, como pensamentos e ideias da vida cotidiana”. [12]

O clarividente terá acesso ao conhecimento que não está disponível para os não iniciados. Como um exemplo, ele transcenderá os limites da ciência histórica e sentirá “os eventos passados ​​em seu caráter eterno”. [13] Em particular, ele será capaz de ler a chamada crônica Akasha. Essa não é uma crônica no sentido comum de um texto histórico. Em vez disso, consiste nos traços supersensíveis de eventos passados.

“Aqueles que são iniciados na leitura de um roteiro da vida, poderão olhar para um passado muito mais distante do que é relatado pela história externa [åussere Geschichte]; e eles também serão capazes – por meio da percepção espiritual imediata [geistige Wahrnehmung] – de dar uma explicação muito mais confiável do objeto dessa história do que aquilo que ela própria é capaz”. [14]

Steiner era um leitor frequente da crônica Akasha. As partes significativas de seus volumosos escritos consistem em relatos exaustivos de eventos históricos. Ele forneceu detalhes sobre Atlântida e outras civilizações perdidas. Ele corrigiu os Evangelhos, revelou os segredos dos antigos sacerdotes egípcios, etc. Tudo isso ele aprendeu com a crônica de Akasha.

Steiner também ensinou muitos outros ramos do conhecimento, como agricultura, medicina e educação. Sua fonte de conhecimento era sempre a mesma: suas próprias visões clarividentes.

Entre as críticas mais óbvias que podem ser feitas contra a trajetória de Steiner para o conhecimento estão (1) que ele não satisfaz a intersubjetividade e (2) que seus resultados contradizem a ciência convencional. Steiner estava bem ciente desses argumentos. De fato, ele enfaticamente afirmou que seu método satisfaz a intersubjetividade e que seus resultados serão confirmados pela ciência convencional. Isso torna possível avaliar seu caminho para o conhecimento por dois critérios aceitos por ele e pelos praticantes da ciência convencional. Vamos primeiro voltar à intersubjetividade.

Intersubjetividade

De acordo com Steiner, os verdadeiros clarividentes certamente alcançarão o mesmo resultado. “Assim como uma mesa redonda será vista como redonda por duas pessoas com visão normal e não como redonda por uma e quadrada por outra, assim, ao ver a flor, a mesma figura espiritual se apresentará a duas almas”. [15] De fato, essa intersubjetividade foi maior do que a da ciência empírica:

“E o que diferentes iniciados podem relatar sobre história e pré-história estará essencialmente de acordo [im wesentlichen in Übereinstimmung]. De fato, todas as escolas ocultistas têm essa história e pré-história. E temos aqui, há milhares de anos, uma aceitação completa [volle Übereinstimmun] que o acordo a ser encontrado entre os historiadores externos de um único século não pode ser comparado a ele. Em todos os tempos e em todos os lugares, os iniciados se relacionam essencialmente com o mesmo”. [16]

Esse ponto de vista pode ser algo surpreendente, considerando a grande variedade de ensinamentos ocultistas que estariam competindo pelas nossas almas. E, de fato, Steiner não podia negar que doutrinas contraditórias estavam sendo promovidas como conhecimento verdadeiro e oculto. Porém, isso acontecia, segundo ele, porque alguns praticantes da clarividência cometiam erros. O verdadeiro conhecimento oculto era o mesmo para todos que fossem capazes de alcançá-lo. “As divergências existem apenas enquanto os homens tentam abordar as verdades mais elevadas pelos meios arbitrários, em vez de seguirem um caminho cientificamente seguro”. [17]

Para estabelecer que o conhecimento antroposófico é intersubjetivo, não basta apenas declarar que algumas visões são verdadeiras e outras estão equivocadas. Além disso, é necessário um método para decidir se uma visão específica é verdadeira ou não. Se esse método puder ser especificado e produzir o mesmo resultado para todos que decidirem utilizar, a intersubjetividade estará protegida.

Steiner realmente forneceu esse método. Para evitar cometer erros e garantir que suas visões fossem verdadeiras, o clarividente em potencial deveria seguir o conselho de um professor. “Você deixa um professor transmitir a você o que foi alcançado pela humanidade através de precursores inspirados [inspirierte Vorgånger]”. [18] Em uma passagem muito esclarecedora, ele disse:

“Aquele que, sem primeiro voltar a atenção para alguns dos fatos essenciais do mundo supersensível, apenas faz ‘exercícios’ com a ideia de ganhar entrada lá, encontrará nele um caos vago e confuso. O homem encontra seu caminho para esse mundo – para começar, por assim dizer, ingenuamente – aprendendo a entender suas características essenciais. Depois, ele pode ter uma ideia clara de como – deixando seu estágio “ingênuo” para trás – ele próprio alcançará, em plena consciência, as experiências que foram relacionadas a ele”. [19]

Em outras palavras, o praticante da antroposofia deve comparar suas visões com as relatadas por seu professor e  por outros “precursores inspirados”. Suas próprias visões são verdadeiras somente se elas corresponderem a esses precedentes. Essas comparações são, de fato, uma parte necessária do caminho antroposófico para o conhecimento. Steiner disse que “a orientação segura do experiente professor de ocultismo [Geheimlehrer] não pode ser completamente substituída”. [20]

Em um sentido importante, esse critério estabelece intersubjetividade. Suponhamos que todo discípulo do caminho antroposófico do conhecimento julgue a autenticidade de suas visões de acordo com a forma como elas se conformam com as de um precursor. Além disso, suponhamos que todos eles usem o mesmo precursor. Então, o método deles é inegavelmente intersubjetivo.

No entanto, essa forma particular de intersubjetividade dá origem a pelo menos mais dois problemas epistemológicos:

(1) Uma vez que existem diferentes precursores ocultistas com distintos ensinamentos, como descobrimos (intersubjetivamente) quais são os genuínos?

(2) Se a orientação de um professor é necessária, de onde o primeiro professor de ocultismo obteve seu conhecimento?

Steiner parece não ter tentado resolver nenhum desses dois problemas. Na ausência de soluções satisfatórias, a intersubjetividade de Steiner consiste na sujeição a uma autoridade cujo acesso superior ao conhecimento é meramente assumido. Isso é intersubjetividade, mas uma forma autoritária de intersubjetividade.

Na prática antroposófica, um outro problema se seguiu: desde a morte de Steiner em 1925, ninguém mais chegou perto de sua capacidade de clarividência. Como exemplo, apesar dos esforços dedicados de milhares de antroposofistas, ninguém depois de Steiner parece ter sido capaz de ler a crônica de Akasha.

Poder-se-ia esperar que a antroposofia, como praticada hoje, se baseie principalmente em visões clarividentes de seus praticantes contemporâneos (isto é, visões certificadas por sua concordância com os ensinamentos de Steiner). Na prática, no entanto, apenas uma parte muito pequena do que os antroposofistas acreditam tem essa base. Em vez disso, os livros de Steiner e as palestras (estenograficamente gravadas) são fontes dominantes da doutrina antroposófica.

Seria errado, no entanto, denunciar essa prática como contrária à metodologia de Steiner. Se alguém aceita suas próprias visões apenas quando está de acordo com os ensinamentos de um “precursor”, nada poderia ser mais natural do que aceitar esses ensinamentos, mesmo quando não se tem visões correspondentes. De fato, é exatamente isso que Steiner nos aconselhou a fazer: “quem não pode ou não deseja trilhar o caminho para o mundo supersensível”. [21]

Há um paralelo óbvio entre esse atalho para o conhecimento antroposófico e a maneira normal de aprender ciências nas escolas e universidades. Não aprendemos mecânica repetindo meticulosamente os experimentos de Galileu Galilei ou as observações de Tycho Brahe. Aprendemos a história egípcia antiga sem tentar decifrar hieróglifos, etc. Em vez disso, aprendemos com os “precursores”, cujos resultados são resumidos em livros didáticos.

Porém, apesar da semelhança, existem pelo menos duas diferenças importantes. Uma delas diz respeito à atitude em relação ao pensamento crítico. No ensino da ciência comum, o ideal é inspirar o aluno a pensar criticamente. Na antroposofia, o ideal é ajudá-lo a suprimir o pensamento crítico. Isso se aplica não apenas à prática da clarividência, mas também à aquisição secundária do conhecimento oculto:

“Se essas verdades lhe forem comunicadas, elas, por sua própria força, despertarão inspiração na alma. No entanto, se você quiser participar dessa inspiração, deve tentar não receber essas ideias [Ertkenntnisse] de uma maneira sóbria e intelectual [nüchtern und verstandesmåssig], mas permitir que a exaltação das ideias o leve a todas as experiências emocionais possíveis”. [22]

A outra grande diferença diz respeito ao acesso ao conhecimento. Na ciência convencional, os professores devem incentivar os alunos iniciantes a aprender o máximo que puderem, mesmo sobre as partes mais avançadas da ciência. Não é considerado “perigoso” para o físico iniciante tentar entender a cromodinâmica quântica ou para o linguista iniciante estudar alguns pictogramas antigos parcialmente decifrados.

Na antroposofia, no entanto, existem limites estritos para quais informações devem ser acessíveis aos não iniciados. Os sentidos físicos do discípulo escondem dele “coisas que, se ele não estivesse preparado, o lançariam em completa desordem; a visão dele seria mais do que ele poderia suportar. O aluno [Geheimschüler] deve ser capaz de suportar essa visão”. [23] É “uma lei natural entre todos os iniciados” não revelar nenhuma informação para aqueles de nós que não estão preparados para ela. [24]

“Você pode bajulá-lo, você pode atormentá-lo: nada pode induzi-lo a divulgar tudo o que ele sabe que não deve ser divulgado a você, porque no seu estágio atual de desenvolvimento você não entende como preparar em sua alma uma recepção digna para esse mistério [Geheimnis]”. [25]

Previsões testáveis

De acordo com Steiner, não há contradição entre antroposofia e ciência convencional.

“Os resultados da ciência espiritual em nenhum caso contradizem a pesquisa fática da ciência natural. Em todos os casos, quando você olha imparcialmente para a relação entre ambas, algo bastante diferente aparecerá para a nossa época. Acontece que essa pesquisa fática orienta para o objetivo de ser levado, em um tempo não muito distante, a plena harmonia com o que a ciência espiritual deve, a partir de suas fontes supersensíveis, estabelecer para certas áreas”. [26]

Em outras palavras, a ciência convencional deve redescobrir gradualmente as verdades já descobertas pela ciência espiritual.

Steiner não aceitou a ciência empírica como juiz da antroposofia. No entanto, sua previsão da convergência da ciência comum para a antroposofia o colocou em uma posição em que suas alegações podem ser testadas contra a ciência comum. Se as ciências naturais avançaram na direção da antroposofia nos 66 anos desde sua morte, esse é um forte apoio ao seu caminho para o conhecimento. Se, por outro lado, a ciência natural se afastou ainda mais da antroposofia, sabemos com certeza que o conhecimento oculto de Steiner não era infalível.

Deve-se enfatizar que a previsão de Steiner sobre o futuro da ciência natural torna um teste contra a ciência natural mais relevante nesse caso do que para muitas outras doutrinas sobre o conhecimento espiritual. Muitos ocultistas se retiraram da testabilidade alegando falar sobre uma realidade completamente separada da realidade física.

A seguir, considerarei três casos de teste, extraídos dos escritos de Steiner. Os exemplos 1 e 2 foram escolhidos porque se referem a questões básicas em ciências naturais. O exemplo 3 foi escolhido porque contém uma previsão incomumente precisa.

Meu primeiro exemplo é a estrutura dos átomos. Em 1917, Steiner disse:

“Os materialistas [Stoffler] – nós simplesmente os chamaremos assim – imaginam que o mundo consiste em átomos. O que a ciência espiritual nos mostra? Certamente, os fenômenos naturais nos trazem de volta a esses átomos, mas o que são esses átomos? De acordo com os materialistas, o espaço é vazio e os átomos giram em torno dele, sendo assim os mais sólidos que existem [das allerfesteste]. Porém, isso não é verdade, tudo depende da má compreensão [Tåuschung]. Os átomos são bolhas da cognição imaginativa [Blasen vor der imaginativen Erkenntnis] e a realidade é onde está o espaço vazio; e os átomos consistem exatamente no fato dessas bolhas serem infladas. No interior das bolhas, não há exatamente nada, ao contrário do ambiente. Você conhece as pérolas de uma garrafa de água mineral, não há nada na água onde as pérolas estão, mas lá você vê as pérolas. Dessa forma, os átomos são bolhas. O espaço está vazio lá, não há nada dentro delas”. [27]

De acordo com a previsão de Steiner sobre a relação entre antroposofia e ciências naturais, deveria haver desde 1917 pelo menos algum movimento na ciência natural em direção a uma concepção de átomos como algo que contém “exatamente nada”. No entanto, a física atômica mudou na direção oposta. Do ponto de vista da ciência natural, está bem estabelecido – para dizer o mínimo – que os átomos não são bolhas vazias.

Meu segundo exemplo diz respeito à relatividade especial. No mesmo discurso de 1917, Steiner dedicou uma passagem à relatividade especial. Vou citar toda a passagem:

“Todo o absurdo brilhante que hoje é servido, por exemplo, como filosofia realista [Realphilosophie], e através do qual Einstein foi feito um grande homem, deve ser rejeitado se você quiser ter conceitos claros sobre essas coisas, que correspondem à realidade. Você sabe o quão óbvia é a teoria da relatividade? Você só precisa imaginar que quando uma arma é disparada à distância, você a ouvirá apenas depois de um certo tempo. Agora, no entanto, vamos supor que vamos avançar em direção à arma. Agora, o teórico da relatividade conclui: se você se mover tão rápido quanto o som, você se moverá com o som e não o ouvirá. E se você for mais rápido do que o som, encontrará aqui algo que foi disparado mais tarde, mais cedo do que algo que foi disparado antes. Atualmente, essa é uma suposição comum, mas não tem nenhuma relação com a realidade. O fato é que, quando você se move tão rápido quanto o som, você pode ser um som, mas não pode ouvir um som. Essas ideias bastante doentias estão vivas hoje, como a teoria da relatividade, e têm a melhor reputação”. [28]

De acordo com as previsões de Steiner sobre a relação entre antroposofia e ciências naturais, deveríamos esperar que a teoria da relatividade tivesse uma posição mais fraca nas ciências naturais do que em 1917. Porém, não é o caso. Em vez disso, sua posição foi muito fortalecida pela evidência empírica acumulada a seu favor.

Aliás, o pronunciamento de Steiner sobre a relatividade tem uma surpreendente semelhança com o que poderia ter sido dito por alguém cujo conhecimento da relatividade estava restrito à leitura (e mal-entendido) de um texto popular de ciência em que o efeito Doppler da luz era explicado por uma comparação com ondas sonoras.

A afirmação de Steiner de que alguém que se move com a velocidade do som “não pode ouvir um som” deve ser visto em seu contexto histórico. Quando ele disse isso, essa informação estava sendo considerada como errada pelos cientistas, enquanto o público em geral não sabia muito sobre o assunto. Atualmente, na era das aeronaves supersônicas, praticamente todos consideram essa afirmação equivocada. É surpreendente que tal afirmação tenha sido feita por alguém capaz de prever o desenvolvimento futuro das ciências naturais.

Meu terceiro e último exemplo diz respeito à terapia contra a sífilis. Steiner acreditava firmemente na utilidade terapêutica dos chamados metais do planeta, incluindo chumbo e mercúrio. Ele fez uma previsão muito clara sobre o uso futuro de mercúrio contra a sífilis:

“E com relação a esses efeitos do mercúrio nas doenças sifilíticas, deve-se mencionar que o mercúrio foi recentemente substituído de várias maneiras. No entanto, as famosas novas drogas que o substituíram são conhecidas por seus efeitos não muito inaceitáveis ​​e em breve [sehr bald] a medicina nesse campo retornará completamente ao mercúrio”. [29]

Quase setenta anos depois, nenhum sinal foi visto de retorno ao mercúrio.

A lista de previsões com falha pode ser prolongada ad nauseam. Fica claro a partir de uma leitura dos escritos de Steiner que ele estava errado em sua previsão de que a ciência natural estava se desenvolvendo na direção de confirmar cada vez mais seus próprios ensinamentos.

Naturalmente, pode-se afirmar que, embora Steiner falhasse com frequência, o conhecimento confiável é obtido por seu método. No entanto, isso torna um dos problemas apontados na seção 2 muito mais problemáticos. Se eu só consigo saber quando minhas visões estão corretas comparando com as de alguém com visões corretas, mas as visões do próprio Steiner já se mostraram parcialmente incorretas, então como encontro um “precursor” com visões que eu possa confiar?

Só posso ver uma fuga possível para o fiel antroposofista: levar a sério as advertências de Steiner contra uma atitude crítica em relação ao ocultismo (isto é, em relação aos ensinamentos de Steiner). Se alguns dos pronunciamentos de Steiner parecem falsos ou contraditórios, isso deve ser porque não os compreendemos. Então, qual é o problema?

O problema é que praticamente não resta nada que a antroposofia possa ter em comum com a ciência.

Conclusão

Claramente, não se segue que a partir da natureza não científica da antroposofia ela não tem qualquer valor. Em seguida, algumas palavras serão ditas sobre outras maneiras possíveis pelas quais a antroposofia pode ter algum valor. A antroposofia inclui práticas e crenças e suas contribuições positivas podem ser encontradas em duas categorias.

Como exemplo de uma proeminente prática antroposófica, podemos citar sua agricultura “biodinâmica”. As principais diferenças entre a agricultura biodinâmica e a convencional são: (1) a ausência de fertilizantes artificiais e pesticidas e (2) a presença de várias práticas mágicas, como semear e colher de acordo com calendários astrológicos, espalhando as cinzas de uma pele de rato queimada para evitar novos ataques de ratazanas, etc. Não há razão alguma para acreditar que essas práticas mágicas sejam superiores à agricultura convencional. De fato, na medida em que o agricultor colhe de acordo com os planetas e não de acordo com as colheitas e o clima, isso revela sua péssima aptidão como agricultor. Por outro lado, reduzir o uso de produtos agrícolas pode apresentar algumas vantagens ambientais. No entanto, essas propostas pelas mudanças na agricultura convencional também existem fora do movimento biodinâmico. Na medida em que existem elementos positivos na agricultura antroposófica, esses elementos terão um impacto mais forte se forem libertados de sua conexão com o restante da biodinâmica.

O mesmo pode ser dito dos elementos positivos que podem subsistir em outras práticas antroposóficas, como os cuidados com a saúde e a educação (Waldorf). Se ingredientes positivos podem ser encontrados na prática antroposófica, eles podem ser utilizados sem a aceitação por completo da antroposofia. (Aliás, não conheço nenhum ingrediente positivo exclusivo da antroposofia.) Em outras palavras, um não antroposofista que encontra elementos positivos nas práticas antroposóficas não precisa dos ensinamentos ou das organizações da antroposofia para se aproveitar de algumas vantagens desses elementos.

Até que ponto, finalmente, o sistema antroposófico de crenças pode ter um valor predominantemente positivo? Como deve ficar claro a partir do exposto, essas crenças são menos eficientes do que a ciência – ou o senso comum cientificamente orientado – como diretrizes para lidar com a realidade empírica. O que resta, então, são essencialmente as funções tradicionalmente reivindicadas para a religião: consolo, senso de significado e propósito, esperança para o além, fundamentos da moralidade.

Esse não é o lugar para discutir os prós e contras da religião. Basta admitir que não há razão para acreditar que a antroposofia seja necessariamente pior do que as principais religiões tradicionais para satisfazer as “necessidades religiosas”. No entanto, uma defesa da antroposofia nesse sentido teria que ser contrária aos ensinamentos dela própria, uma vez que o movimento nega enfaticamente qualquer descrição de si como religião.

Referências

[1] Rudolf Steiner será citado na tradução para o português. As traduções publicadas pelo movimento antroposófico serão utilizadas quando disponíveis. O original alemão de algumas palavras-chave será mostrado entre colchetes.

As seguintes abreviações serão usadas para os escritos mais frequentemente citados por Steiner:

  • Akasha: Rudolf Steiner, Aus der Akasha-Chronik, Dornach, n.d.
  • Geheimw: Rudolf Steiner, Die Geheimwissenschaft im Umriss, Leipzig 1920.
  • Knowledge: Rudolf Steiner, Knowledge of the Higher Worlds. How it is achieved, London 1969. (Translation of Wie Erlangt.)
  • Occult: Rudolf Steiner, Occult Science. An Outline, London 1979. (Translation of Gehiemw.)
  • Stufen: Rudolf Steiner, Die Stufen der hoheren Erkenninis, Dornach 1931.
  • Wie erlagt: Rudolf Steiner, Wie erlangt man Erkenninisse der hoheren Welten?, Berlin 1918.

[2] para “gottliche Wissenshaft”, veja Wie erlangt, p. 25. (Knowledge p. 41.)

[3] Geheimw, p. 4. (Occult p. 27)

[4] Wie erlangt, p. 61. (Knowledge p. 77)

[5] Wie erlangt, pp. 4-5. (Knowledge pp. 22-23.)

[6] Wie erlangt, p. 6. (Knowledge p. 24)

[7] Wie erlangt, pp. 47 ff. (Knowledge pp. 63 ff.)

[8] Wie erlangt, pp. 32-33. (Knowledge p. 49)

[9] Rudolf Steiner, Meditation und Konzentration. Die drei Arten des Hellsehens, Dornach 1935, p. 33.

[10] Geheimw, p. 10. (Occult p. 31)

[11] Wie erlangt, p. 159. (Knowledge p. 170)

[12] Wie erlangt, p. 148. (Knowledge p. 160)

[13] Akasha, p. 2-3.

[14] Akasha, p. 3.

[15] Wie erlangt, p. 32. (Knowledge p. 49)

[16] Akasha, p. 3.

[17] Geheimw, pp. 14-15. (Occult p. 33)

[18] Stufen, p. 65.

[19] Geheimw, p. 21. (Occult p. 37)

[20] Stufen, p. 69.

[21] Wie erlangt, p. X. (Knowledge pp. 15-16.)

[22] Stufen, p. 66.

[23] Wie erlangt, p. 58. (Knowledge p. 74)

[24] Wie erlangt, p. 3. (Knowledge, p. 21)

[25] Wie erlangt, pp. 3-4. (Knowledge, pp. 21-22)

[26] Akasha, p. 227.

[27] Rudolf Steiner, Das Karma des Materialismus, Berliner Vortrage, gehalten im August und September 1917, Berlin 1922, pp. 2:14-15.

[28] Ibid., p. 2:16.

[29] Rudolf Steiner, “Uber Gesundheit und Krankheit”, lectures held in 1922 and 1923, quoted from franz Stratmann, Zum Einfluss der Anthroposophie in der Medzin, Munchen 1988, p. 39.