Apollo 1: o incêndio fatal que quase acabou com o programa que levou o homem à Lua

0
305
Quatro das fotografias tiradas dos destroços da cabine queimada do módulo de comando da Apollo 1, depois que três astronautas foram mortos em um incêndio durante um teste da plataforma de lançamento em Cabo Canaveral, no dia 27 de janeiro de 1967.

Por vários editores
Publicado no Seeker e na Live Science

“A conquista do espaço vale o risco de vida.” — virgil “gus” grissom

O Presidente John. F. Kennedy havia anunciado que, no final da década de 1960, os Estados Unidos enviaria um homem à Lua e o traria de volta em segurança. A corrida espacial estava esquentando e a NASA já havia feito voos espaciais com humanos nas missões Gemini e Mercury. A Apollo 1 seria a primeira missão tripulada do programa de pouso na Lua, com um objetivo modesto: testar em órbita baixa os equipamentos que levariam o ser humano à Lua. A data de lançamento estava prevista para 21 de fevereiro de 1967 com três tripulantes experientes: Virgil “Gus” Grissom, Edward H. White e Roger B. Chaffee. A missão, porém, jamais sairia do solo.

Retrato oficial da equipe principal e de apoio da Apollo 1, em 1966. Em pé, estão os astronautas da equipe de apoio: McDivitt (no centro), Scott (à esquerda) e Schweickart (à direita). Futramente, os três seriam substituídos. Sentados, estão os astronautas que foram mortos no acidente: Grissom (no centro), White (à esquerda) e Chaffee (à direita).

No início de seu treinamento, a tripulação manifestou preocupação com a espaçonave, principalmente com a quantidade de material inflamável na cabine. Os astronautas não estavam sozinhos com suas preocupações. De fato, alguns especialistas acreditavam que a imensa pressão do prazo do presidente John F. Kennedy obrigou a NASA e o contratante, a North American Aviation, a tomar decisões que sacrificassem a segurança. Uma das principais preocupações foi a decisão da NASA de optar por um único ambiente de gás dentro da cápsula em vez de um ambiente de gás duplo, porque exigia um sistema mais leve. Isso significava que a espaçonave Apollo usaria cem por cento de oxigênio na cabine da tripulação, de modo que até uma pequena faísca poderia rapidamente se transformar em chamas. Adicionando a esse medo, outros astronautas relataram ter visto o que pareciam ser fios desgastados e curtos-circuitos na cabine da espaçonave. Também houve problemas com a decisão de abrir a escotilha para dentro e o fato de ela não carregar parafusos explosivos em caso de emergência.

A tripulação da Apollo 1 expressou sua preocupação com os problemas de sua missão, apresentando essa paródia do retrato oficial da tripulação ao gerente da ASPO, Joseph Shea, em 19 de agosto de 1966.

Um mês antes do lançamento, o foguete e a espaçonave foram liberados para um teste. Às 13 horas do dia 27 de janeiro, os astronautas da Apollo 1 entraram no módulo de comando, selaram a escotilha e se prepararam para o que era considerado um ensaio geral para o voo real. Às 18h31, os condutores de teste estavam prontos para iniciar a contagem regressiva, mas segundos depois um incêndio repentino atravessou a espaçonave. Em apenas trinta segundos, chamas e fumaça tóxica envolveram a cabine da tripulação, matando os três astronautas.

Os tripulantes da Apollo 1 embarcando em sua espaçonave em outubro de 1966.

O relatório da autópsia confirmou que a causa de morte dos três astronautas foi parada cardíaca causada por altas concentrações de monóxido de carbono. Acredita-se que as queimaduras de terceiro grau sofridas pelos três membros da missão não sejam fatores importantes, e concluiu-se que a maioria delas ocorreu após a morte. Por causa dos grandes fios de nylon que fundiram os astronautas ao interior da cabine, a remoção dos corpos demorou quase 90 minutos.

Foram 5 minutos para que a cápsula pudesse ser aberta e, dentro dela, implacavelmente, só fossem encontrados astronautas carbonizados, infernalmente misturados com material derretido. Para tirá-los, seriam preciso mais 90 minutos.

A causa do incêndio foi atribuída a uma falha na eletricidade. E o fogo se espalhou rapidamente devido aos materiais de nylon, e a alta pressão da atmosfera de cabine de oxigênio puro. A abundante presença de velcro também ajudou na distribuição do fogo pela cabine.

Exterior do módulo de comando, enegrecido após o incêndio.

A tragédia foi um grande golpe para a NASA e as investigações subsequentes levaram a grandes mudanças no design do módulo lunar. A porta da escotilha foi melhorada para ser facilmente aberta em uma emergência, os materiais inflamáveis ​​foram removidos e a atmosfera de oxigênio puro foi substituída por uma mistura de oxigênio e nitrogênio.

Os trajes espaciais dos três heroicos astronautas exibidos no museu U.S. Space & Rocket Center. Acima, um icônico discurso de Grissom: “Se morrermos, queremos que as pessoas aceitem. Estamos em um negócio arriscado e esperamos que, se algo acontecer conosco, isso não atrase o programa. A conquista do espaço vale o risco de vida”.

Um remendo da missão Apollo 1 foi deixado na superfície da Lua após o primeiro pouso lunar tripulado pelos astronautas da Apollo 11 Neil Armstrong e Buzz Aldrin. A missão Apollo 15 deixou na superfície da Lua uma pequena estátua memorial batizada de “Astronauta Caído”, juntamente com uma placa contendo os nomes dos astronautas da Apollo 1, entre outros, incluindo cosmonautas soviéticos, que morreram durante os primórdios da exploração espacial humana.

Uma placa dedicada à memória da tripulação da Apollo 1, localizada num memorial no Complexo de Lançamento 34 em Cabo Canaveral, onde ocorreu o incêndio.