As ondas cerebrais de uma pessoa morrendo foram registradas em detalhes pela primeira vez

0
286
Créditos: Artur Debat / Getty Images.

Por Conor Feehly
Publicado na ScienceAlert

As pessoas que viram sua morte de perto muitas vezes descrevem suas experiências de quase morte em termos surpreendentemente semelhantes – lembranças vívidas de memórias, uma sensação de estar fora de seu corpo, luzes brilhantes ou uma sensação de tranquilidade.

Embora haja muitas evidências anedóticas de pessoas que tiveram experiências de quase morte (EQMs), os cientistas têm pouco ou nenhum dado sobre o que acontece no cérebro à medida que as pessoas transitam para a morte. No entanto, em circunstâncias trágicas, cientistas coletaram os primeiros dados contínuos sobre a dinâmica neural do cérebro durante a morte.

Quando um paciente de 87 anos desenvolveu convulsões após uma cirurgia devido a uma queda, os médicos usaram eletroencefalografia (EEG) para monitorar sua condição; infelizmente, o estado do paciente se deteriorou e ele infelizmente faleceu enquanto esse monitoramento estava ocorrendo.

Devido à ordem de não ressuscitação do paciente e com o consentimento da família, o evento inesperado permitiu que os cientistas registrassem a atividade elétrica de um cérebro humano morrendo. Embora gravações de EEG simplificadas tenham sido capturadas anteriormente de pacientes retirados do suporte de vida, a disposição completa do equipamento de gravação neste caso proporcionou um nível de detalhe sem precedentes.

“Medimos 900 segundos de atividade cerebral na hora da morte e estabelecemos um foco específico para investigar o que aconteceu nos 30 segundos antes e depois do coração parar de bater”, disse Ajmal Zemmar, neurocirurgião da Universidade de Louisville, EUA. “Pouco antes e depois que o coração parou de funcionar, vimos mudanças em uma faixa específica de oscilações neurais, as chamadas oscilações gama, mas também em outras, como as oscilações delta, teta, alfa e beta”.

As oscilações neurais são a atividade elétrica coletiva dos neurônios disparando no cérebro e são mais comumente conhecidas como ondas cerebrais. Essas ondas de atividade elétrica acontecem em diferentes frequências, e várias bandas de frequência foram relacionadas a diferentes estados de consciência.

Assim, os neurocientistas conseguiram associar diferentes frequências de ondas cerebrais a funções específicas, como processamento de informações, percepção, consciência e memória durante a vigília e estados de sonho e meditação.

Logo depois que o paciente sofreu a parada cardíaca que levou à sua morte, sua atividade cerebral revelou um aumento relativo na potência da banda gama que estava interagindo mais com as ondas alfa – um padrão não muito diferente da memória.

“Dado que o acoplamento cruzado entre a atividade alfa e gama está envolvido nos processos cognitivos e na recuperação da memória em indivíduos saudáveis, é intrigante especular que tal atividade poderia apoiar uma última ‘recordação da vida’ que pode ocorrer no estado de quase morte”, escreveu a equipe.

Os autores fazem várias ressalvas. Em primeiro lugar, o cérebro do paciente estava em um estado pós-traumático que sofria de sangramento, inchaço e convulsões. Além disso, o paciente recebeu grandes doses de anticonvulsivantes, o que também pode afetar o comportamento oscilatório neural.

Também não houve varreduras cerebrais ‘normais’ como base deste paciente para comparar a atividade cerebral. No entanto, por definição, não podemos ter acesso a esses dados em pacientes saudáveis ​​cujas mortes são impossíveis de prever. Portanto, a obtenção de registros do estágio de quase morte só poderia vir de um paciente já doente.

Apesar dessas limitações, as descobertas da equipe apontam para uma ligação potencial entre as ondas cerebrais observadas durante a morte com as experiências fenomenológicas das EQMs, onde os participantes descrevem sua vida passando diante de seus olhos.

O que sabemos sobre as ondas cerebrais durante a recuperação da memória aponta para evidências de que o cérebro pode passar por um padrão de atividade estereotipado durante a morte. Os autores também observam que os achados são semelhantes às alterações na atividade neuronal que foram observadas em roedores durante a morte.

Fascinantemente, os resultados são consistentes com a noção de que o cérebro organiza e executa uma resposta biológica à morte que pode ser conservada em espécies com linhagem evolutiva fortemente conectada e com estruturas neuronais amplamente semelhantes.

Embora investigar o que acontece com o cérebro durante a morte possa ser difícil, especialmente quando os pacientes deixam para trás familiares traumatizados, Zemmar se conforta com a ideia de que nossos cérebros podem nos mergulhar em nossas memórias mais queridas enquanto deixamos o mundo.

“Algo que podemos aprender com esta pesquisa é: embora nossos entes queridos estejam com os olhos fechados e prontos para descansar para sempre, seus cérebros podem estar revivendo alguns dos melhores momentos que vivenciaram em suas vidas”, disse o pesquisador.

O estudo foi publicado em Frontiers in Aging Neuroscience.