As maiores obras da história da ciência

0
303

Por diversos editores
Publicado no Discover Magazine

Uma lista de leitura essencial para qualquer pessoa interessada em ciência.

1. A Viagem do Beagle (1845) e 2. A Origem das Espécies (1859) por Charles Darwin 

Uma das mais deliciosas, espirituosas e lindamente escritas de todas as histórias naturais, A Viagem do Beagle relata a viagem de 1831 a 1836 do jovem Darwin para a América do Sul, as Ilhas Galápagos, na Austrália e de volta à Inglaterra, uma jornada que transformou sua vida e a compreensão da biologia e alimentou o desenvolvimento de suas ideias sobre evolução. Os fósseis ganham vida nas páginas enquanto Darwin descreve suas aventuras, que incluem encontros com “selvagens” na Terra do Fogo, uma refeição de um pássaro raro na Patagônia (que foi então nomeado em homenagem a Darwin) e tentativas frustadas de cavalgar nas tartarugas de Galápagos.

No entanto, a obra-prima de Darwin é, inegavelmente, A Origem das Espécies, na qual ele introduziu sua teoria da evolução pela seleção natural. Antes de sua publicação, a visão predominante era que cada espécie existia em sua forma atual desde o momento da criação divina e que os humanos eram uma forma de vida privilegiada, acima e à parte da natureza. A teoria de Darwin nos tirou daquele pedestal. Com medo de uma reação religiosa, ele manteve suas ideias em segredo por quase duas décadas, reforçando-as com observações e experimentos adicionais. O resultado é uma avalanche de detalhes – parece não haver espécies que ele não contemplou – felizmente entregues em prosa acessível e conversacional. Um século e meio depois, o apelo de Darwin à evolução ainda implora para ser ouvido: “Há grandeza nessa visão da vida”, escreveu ele, que “desde um começo tão simples as infinitas formas mais belas e maravilhosas foram, e continuam, se evoluindo”.

“O livro de ciências mais importante de todos os tempos. Darwin revolucionou a nossa compreensão da vida, a relação da humanidade com todas as criaturas do mundo, e a fundação mitológica de todas as religiões.”

 — Lee M. Silver, geneticista da Universidade de Princeton

3. Princípios Matemáticos da Filosofia Natural por Isaac Newton (1687)

Dramático é uma palavra improvável para um livro que dedica metade de suas páginas a desconstruções de elipses, parábolas e tangentes. No entanto, o poder cognitivo em exibição aqui pode provocar calafrios. A obra de Newton marca o alvorecer da física moderna, começando com as três leis do movimento (“Para cada ação há sempre oposição a uma reação igual” é a terceira). Mais tarde, Newton explica os caminhos excêntricos dos cometas, observa a similaridade entre ondas sonoras e ondulações em um lago e apresenta seu famoso caso de que a gravidade guia a órbita da Lua com tanta precisão quanto define o arco de uma pedra lançada. O texto é meio entendiante, mas acessível a qualquer um com ensino médio – uma oportunidade de comungar com talvez o gênio superior na história da ciência.

“Você não precisa ser um viciado em Newton como eu para realmente achar essa obra emocionante. Quero dizer, como é incrível que esse homem tenha conseguido descobrir que a mesma força que deixa um cocô de pássaro na sua cabeça governa os movimentos dos planetas no céu? Isso é um gênio imponente, não?.”

— Richard A. Friedman, psiquiatra da Universidade de Cornell

4. Diálogo sobre os dois principais sistemas do mundo por Galileu Galilei (1632)

O Papa Urbano VIII autorizou Galileu a escrever um tratado neutro sobre a nova visão do sistema solar centrada no Sol de Copérnico. Galileu respondeu com uma conversa atrevida entre três personagens: um defensor de Copérnico, um leigo educado, e um seguidor antiquado de Aristóteles. Este último – um pensador chato chamado Simplicio – representava a posição da igreja, e Galileu estava logo de pé diante da Inquisição. Galileu aparece como um contador de histórias magistral; suas discussões sobre descobertas astronômicas recentes, em particular, evocam um sentimento eletrizante de descoberta. A última seção, na qual ele erroneamente argumenta que as marés do oceano provam que a Terra está em movimento, é fascinantemente de má qualidade em comparação. Galileu, tentando dar um golpe fatal no pensamento aristotélico da igreja, foi sabotado por sua própria fé em uma ideia que ele tinha certeza que era verdade, mas não podia provar.

“Não é apenas um dos livros mais influentes da história do mundo, mas uma leitura maravilhosa. Claro, divertido, comovente, e muitas vezes hilariante, mostrou desde cedo como a escrita científica não precisa ser enfadonha.”

Steven Pinker, cientista cognitivo da Universidade de Harvard

5. Das revoluções das esferas celestes por Nicolau Copérnico (1543)

Copérnico esperou até que ele estivesse em seu leito de morte para publicar este volume, em seguida, prefaciou-o com uma carta para o Papa Paulo III, explicando por que o trabalho não era realmente heresia. Nenhum furor realmente se seguiu até muito tempo depois da morte de Copérnico, quando o encontro de Galileu com a igreja fez com que a obra entrasse para o índice da Inquisição de livros proibidos. Copérnico, argumentando que a Terra e os outros planetas se movem em torno do Sol (em vez de tudo girando em torno da Terra), provocou uma revolução em que o pensamento científico primeiro se atreveu a afastar-se do dogma religioso. Embora não seja mais proibido, a obra dificilmente é fácil de entender. A página de título do livro dá um aviso justo: “Que ninguém destreinado em geometria entre aqui”.

6. Física por Aristóteles (cerca de 330 a.C.)

Por outro lado, Aristóteles colocou a Terra firmemente no centro do Cosmos, e viu o Universo como um conjunto puro de esferas aninhadas. Ele também erroneamente concluiu que as coisas se movem de forma diferente na Terra e nos céus. No entanto, o tratado de Aristóteles sobre a natureza do movimento, da mudança e do tempo, destaca-se porque nele ele apresentou uma forma sistemática de estudar o mundo natural – que teve influência por dois milênios e levou ao método científico moderno.

“Aristóteles abriu a porta para as ciências empíricas, em contraste com o amor do platonismo pela razão pura. Você não pode superestimar sua influência no Ocidente e no mundo.”

Arthur Caplan, bioético da Universidade da Pensilvânia

7. Da Organização do Corpo Humano por Andreas Vesalius (1543)

Em 1543, no mesmo ano em que apareceu Das revoluções das esferas celestes de Copérnico, o anatomista Andreas Vesalius publicou o primeiro livro de anatomia ilustrado do mundo. Durante séculos, os anatomistas dissecaram o corpo humano de acordo com as instruções dos textos gregos antigos. Vesalius dispensou essa metodologia empoeirada e conduziu suas próprias dissecções, relatando descobertas que se afastaram dos antigos em vários pontos da anatomia. As centenas de ilustrações, muitas renderizadas em detalhes meticulosos por estudantes do estúdio de Ticiano, são arrebatadoras.

8. Relatividade: A Teoria Especial e Geral por Albert Einstein (1916)

As teorias de Albert Einstein derrubaram noções de longa data sobre corpos em movimento. Tempo e espaço, ele mostrou, não são absolutos. A obra, escrita para aqueles que não estão familiarizados com a matemática subjacente, revela Einstein como um habilidoso popularizador de suas ideias. Para explicar a teoria especial da relatividade, Einstein convida-nos a bordo de um trem cheio de réguas e relógios; para a teoria geral mais complexa, seguimos em um elevador cósmico através do espaço vazio. Como Einstein adverte em seu prefácio, no entanto, o livro exige “uma quantidade razoável de paciência e força de vontade por parte do leitor”.

9. O gene egoísta por Richard Dawkins (1976)

Nesta duradoura popularização da biologia evolucionária, Dawkins argumenta que nossos genes não existem para nos perpetuar; em vez disso, somos máquinas úteis que servem para perpetuá-los. Esta mudança inesperada de perspectiva, uma “visão do gene da natureza”, é um agradável quebra-cabeças para os não iniciados. Assim é uma noção relacionada: que o comportamento altruísta em animais não evolui para “o bem da espécie”, mas é realmente egoísmo disfarçado. “Tal como os gangsters de sucesso de Chicago,” escreve Dawkins, “os nossos genes sobreviveram, em alguns casos durante milhões de anos, num mundo altamente competitivo”.

10. Um Dois Três… Infinito por George Gamow (1947)

Ilustrando esses contos com seus próprios esboços encantadores, o renomado físico russo Gamow cobre a gama de ciência do Big Bang até a curvatura do espaço e a quantidade de material genético misterioso em nossos corpos (o DNA ainda não havia sido descrito). Ninguém pode ler este livro e concluir que a ciência é enfadonha. Quem senão um físico analisaria os constituintes atômicos do material genético e calcularia quanto todo esse material, se extraído de cada célula do seu corpo, pesaria? (A resposta é menos de duas onças.)

“Essa obra influenciou minha decisão de me tornar um físico e é parte da razão pela qual escrevo livros para o público hoje.”

Lawrence M. Krauss, físico teórico da Case Western Reserve University

11. A Dupla Hélice por James D.Watson (1968)

O relato franco de James Watson, e muitas vezes francamente rude, de seu papel na descoberta da estrutura do DNA enfureceu quase todos cujo nome apareceu nele, mas, no entanto, classifica-se como uma peça de primeira linha da escrita científica. Essa obra leva-nos para dentro de uma corrida cujos vencedores teriam fama garantida e um Prêmio Nobel. Mais contundentes são as descrições depreciativas de Watson de seus encontros com a pesquisadora de DNA Rosalind Franklin. Suas imagens de cristalografia de raios-X mostraram que a molécula era uma hélice, dados cruciais que Watson e seu colaborador Francis Crick “pegaram emprestado” para construir seu modelo de DNA. Franklin morreu de câncer de ovário em 1958, perdendo o Prêmio Nobel de 1962 pela descoberta. Ela nunca soube que suas fotos foram as principais provas para a teoria da dupla hélice. Watson sugeriu que seria ideal que Franklin fosse premiada com um Prêmio Nobel de Química, mas o Comitê Nobel não faz indicações póstumas. Talvez para se redimir, Watson descreveu a contribuição chave de Franklin no epílogo de seu livro.

“A telenovela da minha geração de geneticistas.”

— Mary-Claire King, geneticista da Universidade de Washington

12. O que é a vida? por Erwin Schrödinger (1944)

Por muito tempo um clássico entre os biólogos, este volume descreve, da perspectiva de um físico vencedor do Prêmio Nobel, como os organismos vivos diferem dos objetos inanimados, como os cristais. Schrödinger descreve cuidadosamente como os dois grupos obedecem a leis e quebra-cabeças diferentes sobre o que o “modelo de ordem” dos seres vivos pode significar. Algumas edições incluem um esboço autobiográfico, no qual Schrödinger descreve o conflito sobre o ensino de Darwin que grassava quando ele estava na escola, bem como seu próprio fascínio pela evolução.

” ‘O que é a vida?’ Foi o que fez Francis Crick e outros pioneiros da biologia molecular nos anos 50 se interessarem pelo problema em primeiro lugar.”

— Steven Pinker, cientista cognitivo da Universidade de Harvard

13. A conexão cósmica por Carl Sagan (1973)

Numa altura em que a NASA estava se recuperando do final do programa Apollo, Sagan familiarizou tanto o público quanto os seus colegas com a majestade do Universo, começando com os mundos muitas vezes negligenciados do nosso próprio sistema solar. Ele também defendeu a busca por vida extraterrestre e defendeu a probabilidade de planetas ao redor de outras estrelas duas décadas antes de serem descobertos. A série de TV Cosmos trouxe Sagan para as massas, mas a aventura começou aqui.

14. As sociedades de insetos por Edward O. Wilson (1971)

O patriarca da biologia evolutiva moderna explora as vidas dos insetos rastejantes favoritos de todos – formigas, cupins, abelhas e vespas – neste tratado de 500 páginas incomparável em escopo e detalhe por qualquer outro trabalho sobre o tema (com a possível exceção de seu próprio volume de 1990, As Formigas). Também estabelece as bases para o seu clássico de 1975, Sociobiologia: A Nova Síntese, que explora a então controversa ideia de que o comportamento social dos animais, incluindo os humanos, tem uma base biológica profunda. O livro é um trabalho de amor, infundido com o fascínio ilimitado do autor por seus pequenos assuntos. Wilson reconhece abertamente a peculiaridade de sua obsessão; a dedicatória diz: “Para minha esposa Irene, que entende”.

15. Os três primeiros minutos por Steven Weinberg (1977)

Quando Weinberg era estudante, “o estudo do Universo primitivo era amplamente considerado como o tipo de coisa a que um cientista respeitável não dedicaria seu tempo”. Mas após a Segunda Guerra Mundial, os radioastrônomos voltaram seus instrumentos para o céu e ajudaram a trazer histórias da criação para fora do reino dos mitos e para dentro do reino da ciência. Weinberg, vencedor do Prêmio Nobel de Física de 1979, ofereceu o primeiro relato do cenário resultante do Big Bang nos três primeiros minutos. Um posfácio de 1993 discute avanços mais recentes. Surpreendentemente, apenas a descrição da primeira fração de segundo da história cósmica mudou significativamente.

16. Primavera Silenciosa por Rachel Carson (1962)

Quando essa obra foi publicada pela primeira vez, um coro de críticos chamou Carson de “histérica” e “extremista”. No entanto, a acusação meticulosamente documentada da bióloga marinha sobre o pesticida DDT levou tanto a uma proibição dos E.U.A. sobre o inseticida e para o nascimento do movimento ambientalista moderno. Carson argumenta que o DDT não só mata indiscriminadamente insetos, incluindo espécies benéficas como abelhas, mas também se acumula na gordura de aves e mamíferos no alto da cadeia alimentar, diminuindo cascas de ovos e causando problemas reprodutivos. A sua visão arrepiante de uma América sem personalidade continua a assombrar. “Sobre áreas cada vez mais grandes dos Estados Unidos,” escreve, “a primavera agora não é anunciada pelo retorno dos pássaros, e as primeiras manhãs são estranhamente silenciosas, onde antes estavam cheias da beleza do canto dos pássaros”.

17. A Falsa Medida do Homem por Stephen Jay Gould (1981)

Nesta crítica espirituosa da má ciência, o estudioso de Harvard Stephen Jay Gould se propõe a eviscerar a noção de determinismo biológico. Por centenas de anos, argumenta Gould, medidas questionáveis ​​da inteligência humana, como o tamanho do crânio ou o QI, têm sido usadas para justificar o racismo, o sexismo e a estratificação de classe. Segundo Gould, mesmo sociólogos e psicólogos respeitados usaram dados falsificados ou instáveis ​​para apoiar a crença de que os ocidentais são geneticamente predispostos a governar o mundo. O livro atraiu críticas políticas e científicas, especialmente de cientistas sociais furiosos por Gould ter simplificado demais ou demonizado seus trabalhos.

18. O homem que confundiu sua mulher com um chapéu e outras histórias clínicas por Oliver Sacks (1985)

Nesses perfis de pacientes com distúrbios neurológicos incomuns, Sacks revoluciona a tradição literária secular de apresentar estudos de casos clínicos. Longe de relatar secamente cada caso, o eminente neurologista de Nova York, nascido na Grã-Bretanha, escreve em prosa animada com o carinho gentil de um médico do interior de plantão e um sentimento contagioso de admiração. Para ele, o homem com síndrome de Tourette e a mulher que não consegue sentir sua própria posição corporal são os heróis das histórias. Legiões de neurocientistas que agora investigam os mistérios do cérebro humano citam este livro como sua maior inspiração.

19. Os Diários de Lewis e Clark por Meriwether Lewis e William Clark (1814)

Um dos contos de exploração mais famosos da história começou em 14 de maio de 1804, quando William Clark e seu Corps of Discovery partiram da foz do rio Missouri, iniciando uma jornada épica de 28 meses para o oeste, às margens do Oceano Pacífico. (Meriwether Lewis se juntou ao grupo dois dias depois). Os Diários de Lewis e Clark, uma crônica meticulosa de sua expedição, oferecem uma visão sem precedentes da América inexplorada e pouco desenvolvida a oeste do Mississippi. Lewis, naturalista e astrônomo do grupo, e Clark, pesquisador, documentaram novas espécies de animais selvagens (coiotes, coelhos, coelhos, veados e outras), geologia desconhecida e interações com os povos nativos. Uma cópia completa dos diários e seu material complementar é uma leitura pesada (a edição definitiva de Nebraska tem 13 volumes), mas uma versão resumida captura toda a aventura em um pacote de tamanho palatável.

20. Lições de Física de Feynman por Richard P. Feynman, Robert B. Leighton e Matthew Sands (1963)

O físico Richard Feynman não só ganhou o Prêmio Nobel de 1965 por seu trabalho em eletrodinâmica quântica, como tocou bongô em um balé de São Francisco. O livro O Senhor Está Brincando, Sr Feynman? relata suas aventuras estridentes, mas essas palestras de graduação em física, apresentadas ao longo de dois anos na Caltech na década de 1960, são o verdadeiro presente de Feynman para estudantes de todos os níveis. As primeiras 94 palestras cobrem uma ampla faixa da física básica, da mecânica newtoniana ao eletromagnetismo, enquanto as 21 finais se aventuram na mecânica quântica. O humor característico de Feynman e as explicações inigualáveis ​​elevam essas lições da sala de aula a clássicos duradouros.

“Feynman, o gênio dos brincalhões, apela não importa em que campo você esteja. Ajuda conhecer um pouco de física básica para abordar suas palestras, mas ele tem uma mente tão luminosa e é tão bom com metáforas que você pode entender uma quantidade razoável sobre o que está acontecendo na física moderna sem a compreensão formal de matemática complexa, até certo ponto.”

— Richard A. Friedman, psiquiatra da Universidade de Cornell

21. Comportamento Sexual no Homem Humano por Alfred C. Kinsey (1948)

O primeiro de dois livros conhecidos coletivamente como Relatório Kinsey, esse tratado se tornou um best-seller improvável. Com descrições técnicas brutas e técnicas de atos sexuais, destiladas a partir de milhares de entrevistas, documentou pela primeira vez o que as pessoas realmente fazem a portas fechadas. Muitos pesquisadores consideram o livro defeituoso por causa de seu viés de amostragem: a maioria dos homens entrevistados era jovem, branca e ansiosa por participar. No entanto, o trabalho continua sendo um excelente modelo de bravura científica no século XX, com sua insistência em que os atos sexuais sejam descritos como funções saudáveis ​​do corpo humano e que os tabus culturais não atrapalhem a ciência.

22. Gorilas na névoa por Dian Fossey (1983)

Em um retrato ricamente colorido das vidas e do comportamento dos gorilas das montanhas africanas, Fossey documenta seus 13 anos morando em uma floresta tropical remota em meio a esses animais enigmáticos. Um de um trio de protegidos escolhidos pelo famoso antropólogo Louis Leakey para realizar estudos de campo de grandes símios, Fossey estava determinado, dedicado e muitas vezes zangado – pelo habitat cada vez menor dos macacos e especialmente pelo perigo que eles enfrentavam dos caçadores ilegais (que podem ter sido responsável pelo assassinato de Fossey em 1985). Em Gorilas na névoa, ela deixa para trás um tesouro científico, que se tornou mais comovente por sua morte a serviço dessas bestas pacíficas e inteligentes.

23. Sob uma estrela da sorte por Roy Chapman Andrews (1943)

Roy Chapman Andrews fez história científica durante a década de 1920, liderando cinco expedições motorizadas em áreas inexploradas do deserto de Gobi. Ele emergiu com o equivalente ao ouro paleontológico: mais de 350 novas espécies (incluindo os dinossauros Protoceratops e Velociraptor ), os primeiros fósseis de mamíferos cretáceos e os primeiros ninhos de ovos de dinossauros. Ele também publicou muitos contos selvagens que estão entrelaçados nessa autobiografia envolvente. Continuam os rumores de que o explorador que veste fedora, que odeia cobras e desafia a morte pode ter servido de inspiração para o Indiana Jones de Hollywood.

24. Micrografia por Robert Hooke (1665)

Uma revelação em seu tempo, Micrografia expôs o mundo microscópico anteriormente oculto. Hooke, um dos primeiros desenvolvedores do microscópio composto, usou seu dispositivo para espiar os olhos das moscas, o ferrão de uma abelha, cabelos, cerdas, partículas de areia, sementes e muito mais, observando cada detalhe com palavras e ilustrações magistrais. O livro original tem um peso de quase um quilo e meio, por isso as versões digitais disponíveis agora são mais convenientes, mas há algo a ser dito para folhear uma cópia impressa e descobrir, como um tesouro escondido, cada desenho em sua bela complexidade.

25. Gaia: Um Novo Olhar sobre a Vida na Terra por James Lovelock (1979)

Como inventor de instrumentos científicos, James Lovelock pode parecer uma figura emblemática por ter inspirado indiretamente o movimento pseudocientífico New Age, que é conhecido pela sua posição místico-ambiental. No entanto, isso é exatamente o oposto do que ele apresenta em Gaia: Um Novo Olhar sobre a Vida na Terra. Nessa obra, Lovelock expôs a sua ideia ousada de que o nosso planeta é um sistema único, autorregulado, chamado Gaia, onde “toda a gama de matéria viva na Terra, de baleias a vírus, e de carvalhos a algas, poderia ser considerada como um organismo vivo, capaz de manipular a atmosfera da Terra para atender às suas necessidades gerais”. Lovelock tem desde então refinado a hipótese, que muitos cientistas criticaram como quase mística, e observado que sua ideia nunca implicou que Gaia fosse um ser senciente.

CONTINUAR LENDO