As sondas Voyager podem ser o mais próximo que a humanidade chegará à imortalidade. Eis o porquê

0
51
Ilustração da Voyager 1. (Créditos: Laboratório de Propulsão a Jato da NASA/YouTube)

Traduzido por Julio Batista
Original de James Edward Huchingson para o The Conversation

A Voyager 1 é o objeto feito pelo homem mais distante da Terra. Depois de passar por Júpiter, Saturno, Urano e Netuno, está agora a quase 24 bilhões de quilômetros da Terra no espaço interestelar.

Tanto a Voyager 1 quanto sua gêmea, a Voyager 2, carregam pequenos pedaços de humanidade na forma de seus Discos de Ouro.

Funcionando como mensagens em uma garrafa, elas incluem saudações faladas em 55 idiomas, sons e imagens da natureza, um álbum de gravações e imagens de várias culturas e uma mensagem escrita de boas-vindas de Jimmy Carter, que era presidente dos EUA quando a espaçonave deixou a Terra em 1977.

Os Discos de Ouro foram construídos para durar um bilhão de anos no ambiente do espaço, mas em uma análise recente dos caminhos e perigos que essas exploradoras podem enfrentar, os astrônomos calcularam que elas poderiam existir por trilhões de anos sem se aproximar remotamente de nenhuma estrela.

Tendo passado minha carreira no campo da religião e da ciência, pensei muito sobre como as ideias espirituais se cruzam com as conquistas tecnológicas. A incrível longevidade da espaçonave Voyager apresenta um ponto de entrada tangível e único para explorar ideias de imortalidade.

Para muitas pessoas, a imortalidade é a existência eterna de uma alma ou espírito que segue a morte. Também pode significar a continuação do legado de alguém na memória e nos registros. Com seus Discos de Ouro, cada Voyager fornece tal legado, mas somente se for descoberto e apreciado por uma civilização alienígena em um futuro distante.

Vida após a morte

As crenças religiosas sobre a imortalidade são numerosas e diversas. A maioria das religiões prevê uma jornada pós-morte para uma alma ou espírito pessoal, e estes vão desde a residência eterna entre as estrelas até a reencarnação.

A vida eterna ideal para muitos cristãos e muçulmanos é permanecer para sempre na presença de Deus no céu ou no paraíso.

Os ensinamentos do judaísmo sobre o que acontece após a morte são menos claros. Na Bíblia hebraica, os mortos são meras “sombras” em um lugar escuro chamado Sheol. Algumas autoridades rabínicas dão crédito à ressurreição dos justos e até mesmo ao status eterno das almas.

A imortalidade não se limita ao indivíduo. Pode ser coletivo também. Para muitos judeus, o destino final da nação de Israel ou seu povo é de suma importância. Muitos cristãos antecipam uma futura ressurreição geral de todos os que morreram e a vinda do reino de Deus para os fiéis.

Jimmy Carter, cuja mensagem e autógrafo estão imortalizados no Discos de Ouro, é um Batista do Sul progressista e um exemplo vivo de esperança religiosa pela imortalidade.

Agora lutando contra um câncer no cérebro e se aproximando do status de centenário, ele refletiu sobre a morte. Após seu diagnóstico, Carter concluiu em um sermão: “Não importava para mim se eu iria morrer ou viver… Minha fé cristã inclui total confiança na vida após a morte. Então, vou viver novamente depois que morrer”.

É plausível concluir que o potencial de um alienígena testemunhar os Discos de Ouro e tomar conhecimento da identidade de Carter bilhões de anos no futuro ofereceria apenas um consolo adicional marginal para ele.

O conhecimento de Carter em seu destino final é uma medida de sua profunda fé na imortalidade de sua alma. Nesse sentido, ele provavelmente representa pessoas de várias religiões.

Imortalidade secular

Para as pessoas seculares ou não religiosas, há pouco consolo a ser encontrado em um apelo à existência contínua de uma alma ou espírito após a morte.

Carl Sagan, que teve a ideia dos Discos de Ouro e liderou seu desenvolvimento, escreveu sobre a vida após a morte: “Não conheço nada que sugira que seja mais do que apenas uma ilusão“.

Ele estava mais triste com pensamentos de perder experiências importantes da vida – como ver seus filhos crescerem – do que com medo da aniquilação esperada de seu eu consciente com a morte de seu cérebro.

Para aqueles como Sagan, existem outras opções possíveis para a imortalidade. Eles incluem congelar e preservar o corpo para uma futura ressurreição física ou carregar a consciência de alguém e transformá-la em uma forma digital que duraria muito mais do que o cérebro.

Nenhum desses caminhos potenciais para a imortalidade física provou ser viável ainda.

As Voyagers e o legado

A maioria das pessoas, sejam seculares ou religiosas, quer que as ações que fazem enquanto vivas tenham um significado contínuo no futuro como seu legado frutífero. As pessoas querem ser lembradas e apreciadas, até mesmo queridas. Sagan resumiu bem: “Viver nos corações que deixamos para trás é viver para sempre“.

Com as Voyagers 1 e 2 estimadas para uma vida de mais de um trilhão de anos, elas são tão imortais quanto possível para artefatos humanos.

Mesmo antes da morte esperada do Sol, quando ele ficar sem combustível em cerca de 5 bilhões de anos, todas as espécies vivas, montanhas, mares e florestas terão sido destruídas há muito tempo. Será como se nós e toda a beleza maravilhosa e extravagante do planeta Terra nunca existisse – um pensamento devastador para mim.

Mas em um futuro distante, as duas espaçonaves Voyager ainda estarão flutuando no espaço, aguardando a descoberta por uma civilização alienígena avançada para quem as mensagens nos Discos de Ouro foram destinadas. Apenas esses registros provavelmente permanecerão como testemunho e legado da Terra, uma espécie de imortalidade objetiva.

Pessoas religiosas e espirituais podem encontrar consolo na crença de que Deus ou uma vida após a morte espera por eles. Para os seculares esperando que alguém ou alguma coisa se lembre da humanidade, quaisquer alienígenas atentos e agradecidos serviriam o propósito.


James Edward Huchingson é Professor Emérito e Conferencista em Religião e Ciência da Universidade Internacional da Flórida.