Pular para o conteúdo

Astrônomos estão intrigados com 25 sinais de rádio repetidos do espaço profundo

Traduzido por Julio Batista
Original de Victor Tangermann para o Futurism

Uma equipe de astrônomos descobriu 25 rajadas rápidas de rádio, que são pulsos misteriosos e extremamente poderosos de ondas de rádio que se repetem em padrões complexos.

Os astrônomos observaram as rajadas rápidas de rádio repetidas em dados capturados entre 2019 e 2021 pelo observatório de rádio Canadian Hydrogen Intensity Mapping Experiment (CHIME – Experimento Canadense de Mapeamento de Intensidade de Hidrogênio, na tradução livre) na Colúmbia Britânica, Canadá.

Desde que a primeira rajada rápida de rádio foi detectada em 2007, os astrônomos têm tentado descobrir a fonte do fenômeno desconcertante. Até hoje, podemos apenas arriscar um palpite sobre por que elas ocorrem, com alguns argumentando que os pulsares, que são estrelas de nêutrons altamente carregadas magneticamente, podem ser a fonte.

Os novos dados provavelmente só aumentarão o mistério no curto prazo. Mas também pode nos trazer um passo mais perto de uma resposta.

Rajadas ativas

Usando um algoritmo, Ziggy Pleunis, um pós-doutorando da Universidade de Toronto e principal autor de um paper ainda a ser revisado por pares, e seus colegas descobriram 25 novas fontes repetidas enquanto examinavam um catálogo de amostras de rajadas rápidas de rádio criado anteriormente, que continha mais de 500 eventos detectados pelo CHIME.

Até agora, apenas 29 de um total de 1.000 rajadas rápidas de rádio detectadas até o momento estavam se repetindo, de acordo com o Universe Today, o que significa que os novos dados podem quase dobrar o número de rajadas rápidas de rádio repetidas conhecidas.

“Quando contamos cuidadosamente todas as nossas rajadas rápidas de rádio e as fontes que se repetem, descobrimos que apenas cerca de 2,6% de todas as rajadas rápidas de rádio que descobrimos se repetem”, disse Pleunis à publicação. “Para muitas das novas fontes, detectamos apenas algumas rajadas, o que torna as fontes bastante inativas. Quase tão inativas quanto as fontes que vimos apenas uma vez.”

“É possível que todas as fontes de rajada rápida de rádio eventualmente se repitam, mas muitas fontes não são muito ativas”, acrescentou.

Muitos desses padrões repetidos ainda são extremamente difíceis de classificar, tornando-os ainda mais elusivos.

Mas, à medida que os astrônomos constroem um conjunto de dados cada vez maior dessas rajadas, além de alguns radiotelescópios extremamente grandes sendo construídos como o Observatório Square Kilometer Array na Austrália e na África do Sul, em breve poderemos finalmente obter algumas respostas.

nv-author-image

Julio Batista

Sou Julio Batista, de Praia Grande, São Paulo, nascido em Santos. Professor de História no Ensino Fundamental II. Auxiliar na tradução de artigos científicos para o português brasileiro e colaboro com a divulgação do site e da página no Facebook. Sou formado em História pela Universidade Católica de Santos e em roteiro especializado em Cinema, TV e WebTV e videoclipes pela TecnoPonta. Autodidata e livre pensador, amante das ciências, da filosofia e das artes.