‘Cadernos Negros’ de Heidegger revelam antissemitismo no centro de sua filosofia

Novos documentos revelam que Heidegger enxergava 'judaísmo mundial' como motor de desumanização da modernidade.

Por Philip Oltermann
Publicado no The Guardian

Ele é amplamente considerado como um dos filósofos mais influentes da Europa no século XX, cujos escritos inspiraram alguns dos pensadores da era moderna. Mas quase quatro décadas após a morte de Martin Heidegger, estudiosos da Alemanha e da França estão perguntando se as tendências antissemitas do autor de Ser e Tempo eram mais profundas do que se pensava anteriormente.

A simpatia dos filósofos pelo regime nazista foi bem documentada no passado: Heidegger ingressou no partido em 1933 e permaneceu membro até o final da Segunda Guerra Mundial. Anteriormente, pensava-se que as ideias antissemitas haviam manchado seu caráter em vez de tocarem o cerne de sua filosofia – principalmente por pensadores judeus como Hannah Arendt ou Jacques Derrida, que citaram suas dívidas com Heidegger.

A publicação dos “Cadernos Negros” (uma espécie de diário filosófico que Heidegger pediu para guardar até que seu trabalho final fosse concluído) desafia essa visão. Na França, as revelações foram debatidas vigorosamente desde que as passagens vazaram para a mídia em dezembro de 2013, inclusive com alguns estudiosos de Heidegger até tentando impedir a publicação dos cadernos.

Na Alemanha, um crítico argumentou que seria difícil defender o pensamento de Heidegger após a publicação dos cadernos, enquanto outro considerou as revelações como um “desastre” à filosofia continental moderna – mesmo que os cadernos completos estivessem até agora restritos ao editor.

As passagens mais controversas dos cadernos negros são uma série de reflexões desde o início da Segunda Guerra Mundial até 1941. Enquanto Heidegger buscava se distanciar das teorias raciais defendidas pelos intelectuais nazistas, ele argumentava que o Weltjudentum (“judaísmo mundial”) é um dos principais motores desumanizadores da modernidade ocidental.

O “judaísmo mundial”, escreve Heidegger nos cadernos, “é incompreensível em todos os lugares e não precisa estar envolvido em ações militares, pois continua a desdobrar sua influência, enquanto o que nos resta é o sacrifício do melhor sangue do nosso povo soberano”.

Em outra passagem, o filósofo escreve que o povo judeu, com seu “talento para o cálculo”, se opôs tão veementemente às teorias raciais nazistas porque “eles mesmos viveram de acordo com o princípio da raça por mais tempo”.

A noção de “judaísmo mundial” foi propagada nos Protocolos dos Sábios de Sião, a notória falsificação histórica que pretendia revelar um plano judaico de dominação mundial. Adolf Hitler declarou a teoria da conspiração como fato em Mein Kampf e Heidegger também adotou alguns de seus principais objetivos.

“Heidegger não apenas adotou essas ideias antissemitas, mas deu aparência filosófica em seus escritos – ele não conseguiu imunizar seu pensamento a partir dessas tendências”, disse o editor do caderno, Peter Trawny, ao The Guardian.

Os cadernos também mostram que, de acordo com Heidegger, o antissemitismo se sobrepunha a um forte ressentimento da cultura americana e inglesa, que ele caracterizou como impulsionadores do que chamava de Machenschaft, traduzido de várias maneiras como “maquinação” ou “dominação manipuladora”.

Em uma passagem, Heidegger argumenta que, como o fascismo e o “judaísmo mundial”, o comunismo soviético e o parlamentarismo britânico deveriam ser vistos como parte do imperioso impulso desumanizador da modernidade ocidental: “A forma cristão-burguesa do inglês ‘bolchevismo’ é a mais perigosa. Sem sua destruição, a era moderna permanecerá intacta”.

Em uma escavação quase lúdica na cultura inglesa, ele escreve: “O que, além da engenharia e do metafisicamente pavimentado caminho para o socialismo, além do pensamento comum e do mau gosto, a Inglaterra contribuiu em termos de ‘cultura’?”

Trawny, que também é diretor do Instituto Martin Heidegger, disse que ficou “chocado” ao descobrir as passagens antissemitas há um ano e meio, mas decidiu continuar com a publicação, apesar dos possíveis danos que poderiam causar ao legado do filósofo. “Eu ainda acho que você pode se envolver com Heidegger de forma construtiva”, disse ele. “Essas revelações ajudarão nesse processo”.

Outros filósofos argumentaram que as novas revelações não equivalem a uma “arma fumegante” do antissemitismo e não devem levar à rejeição dos outros escritos de Heidegger. “A filosofia serve para aprender a ter consciência dos problemas de seu próprio pensamento, onde você pode não suspeitar de sua suposta razoabilidade”, disse o filósofo britânico Jonathan Rée sobre os cadernos negros.

CONTINUAR LENDO