Cidades maias antigas parecem ter sido assoladas de poluição por mercúrio

0
215
Uma pirâmide na cidade maia de Tikal. (Créditos: traumlichtfabrik/Moment Open/Getty Images)

Traduzido por Julio Batista
Original de Mike McRae para o ScienceAlert

Níveis tóxicos de um poluente comumente associado aos resíduos da indústria moderna foram descobertos em meio aos sítios arqueológicos mais improváveis.

Muito antes dos conquistadores europeus introduzirem o declínio civilizacional por meio de guerras e doenças, as culturas maias estavam polvilhando os solos de seus centros urbanos com o metal pesado mercúrio.

Os níveis do elemento são tão grandes em algumas áreas que os pesquisadores estão sendo aconselhados a se preparar para cuidar da saúde.

“A poluição por mercúrio no meio ambiente é geralmente encontrada em áreas urbanas contemporâneas e paisagens industriais”, disse Duncan Cook, um geoarqueólogo da Universidade Católica Australiana e principal autor de uma revisão sobre o legado ambiental dos maias.

Juntamente com uma equipe de pesquisadores dos EUA e do Reino Unido, Cook revisou conjuntos de dados coletados de 10 locais de escavação maias do período clássico e seus arredores que incluíam medições ambientais dos níveis de mercúrio.

Uma comparação das leituras de toda a região identificou que sete dos locais relataram pelo menos uma área contaminada com uma concentração de mercúrio que excede ou iguala os padrões modernos de níveis tóxicos.

“Descobrir mercúrio enterrado em solos e sedimentos nas antigas cidades maias é difícil de explicar, até que comecemos a considerar a arqueologia da região, que nos diz que os maias usavam mercúrio há séculos”.

Em sua forma pura, o mercúrio é um metal cinza brilhante que derrete a uma temperatura relativamente baixa, transformando-o em um fluido espesso, uma vez comumente referido como mercúrio.

No entanto, ao longo de grande parte da história, os compostos que contêm mercúrio tiveram uma variedade de usos na indústria e na cultura. Entre os mais famosos está o nitrato de mercúrio, uma substância usada para endurecer o feltro de chapéus que supostamente envenenava o sistema nervoso dos artesãos do século 19 que trabalhavam com ele.

Talvez a forma de mercúrio mais utilizada ao longo dos tempos seja o cristal de sulfeto de mercúrio, um mineral também conhecido como cinábrio.

Comumente encontrado perto de fontes termais e regiões de atividade vulcânica, o pigmento mercurial tem sido usado como agente de coloração carmesim em peças de arte em todo o mundo desde tempos imemoriais.

Para os maias obcecados por sangue, o cinábrio era mais do que apenas um belo tom de vermelho.

“Para os maias, os objetos podiam conter ch’ulel, ou poder da alma, que residia no sangue”, disse o geoarqueólogo da Universidade de Cincinnati, Nicholas Dunning.

“Portanto, o pigmento vermelho brilhante do cinábrio era uma substância inestimável e sagrada, mas sem o conhecimento deles também era mortal e seu legado persiste em solos e sedimentos em torno de antigos locais maias”.

Curiosamente, as fundações de calcário sobre as quais a antiga infraestrutura maia foi construída não fornecem o tipo de geologia ideal para a produção de cinábrio. Para encontrar uma boa fonte do mineral, você precisaria viajar até os confins do mundo maia.

Estudos arqueológicos sugerem, de fato, que o cinábrio estava sendo extraído na América Central desde o segundo ao primeiro milênio a.C., uma época em que a cultura olmeca floresceu.

Quando os maias estavam erguendo monumentos a seus deuses por toda a terra, por volta do século III d.C., o cinábrio já era de uso comum, principalmente em sua forma de pó para adicionar cor a peças decorativas ou mesmo em sepultamentos.

Em raras ocasiões, o próprio metal purificado foi descoberto, geralmente associado locais de rituais ou funerais da elite. Exatamente como os maias colocaram as mãos nessa forma purificada do elemento – seja através do comércio ou de seus próprios métodos de química – ainda é um mistério.

Até que ponto esse pó de sulfeto de mercúrio afetou a saúde dos maias ainda não está totalmente claro, embora um crescente corpo de estudos indique que o metal tóxico estava no mínimo entrando profundamente em seus ossos.

Um dos últimos governantes da cidade maia de Tikal, um rei chamado Sol Sombrio, era notavelmente obeso, uma possível pista para uma doença metabólica comumente causada por envenenamento por mercúrio.

Deixando de lado as preocupações com a saúde do passado, os pesquisadores enfatizam a necessidade de os arqueólogos de hoje tomarem precauções para se proteger do metal tóxico enquanto escavam a história em camadas da cultura maia.

“Este resultado é mais uma evidência de que, assim como vivemos hoje no Antropoceno, também houve um ‘antropoceno maia’ ou ‘maiaceno'”, disse Tim Beach, geoarqueólogo da Universidade do Texas.

“A contaminação por metais parece ter sido um efeito da atividade humana ao longo da história.”

Esta pesquisa foi publicada em Frontiers in Environmental Science.