Os lobos realmente podem se apegar aos humanos como os cães, segundo estudo adorável

0
127
Um dos filhotes de lobo envolvidos na pesquisa. (Créditos: Christina Hansen Trigo/Universidade de Estocolmo)

Traduzido por Julio Batista
Original de David Nield para o ScienceAlert

Poucos animais demonstram tanto carinho e lealdade quanto os cães. Mas um novo estudo oferece evidências de que o mesmo apego humano a animal também pode se desenvolver em lobos.

Embora estudos anteriores tenham sugerido algo semelhante, não há muitas pesquisas anteriores sobre os laços entre lobos e humanos, e os resultados têm variado. Aqui, a equipe do estudo queria adotar uma abordagem padronizada na qual um grupo de teste de cães e lobos tivesse sido criado em circunstâncias idênticas desde o nascimento.

Entre 40.000 e 15.000 anos atrás, os cães foram domesticados a partir de espécies de lobos que agora estão extintas, e os pesquisadores acham que suas descobertas podem ajudar as esclarecer quais características evoluíram através da domesticação e quais estavam lá em primeiro lugar.

“Lobos mostrando apego dirigido aos humanos poderiam ter uma vantagem seletiva nos estágios iniciais da domesticação de cães”, disse a etóloga e principal autora do estudo, Christina Hansen Wheat, da Universidade de Estocolmo, na Suécia.

O estudo analisou as respostas e comportamentos de 12 cães husky siberianos e 10 lobos cinzentos europeus (Canis lupus) no que é conhecido como Teste de Situação Estranha, um teste científico padrão originalmente usado com crianças para julgar o apego a seus cuidadores, e foi adaptado para cães (e neste caso, lobos) há 20 anos.

Tendo sido criados desde a idade de 10 dias até 23 semanas por cuidadores treinados, os cães e lobos foram submetidos a um experimento de aproximadamente 15 minutos.

Nele, a principal cuidadora dos lobos e cães se revezava com uma estranha entrando e saindo de uma sala e se envolvendo com os animais, seja por meio de brincadeiras ativas ou, se o animal chegasse perto, por meio de carinho.

Assim como os cães, os lobos demonstraram mais afeto e passaram mais tempo com a pessoa familiar e se envolveram em mais contato físico. A pessoa familiar também era mais provável de ser seguida até a porta quando eles saíam.

“Ficou muito claro que os lobos, assim como os cães, preferiam a pessoa familiar à estranha”, disse Hansen Wheat.

“Mas o que talvez tenha sido ainda mais interessante foi que, embora os cães não tenham sido particularmente afetados pela situação de teste, os lobos foram.”

Em comparação com os cães, os lobos demonstraram mais comportamentos relacionados ao estresse e ao medo ao lidar com estranhos, incluindo andar de um lado para o outro, agachar e colocar o rabo entre as pernas.

Esses comportamentos coincidiam com o estranho entrando na sala e quando o estranho e o lobo estavam na sala sem a pessoa familiar.

Quando o humano familiar voltava para a sala, esses comportamentos se tornavam menos pronunciados. Em outras palavras, parecia que a pessoa familiar agia como uma espécie de ‘suplemento social’ para o lobo.

Os cientistas continuam a examinar as maneiras pelas quais cães e lobos são e não são parecidos, na tentativa de entender sua história evolutiva – mas parece que em termos de vínculo com as pessoas, existem algumas semelhanças importantes. As diferenças, no entanto, sugerem áreas a serem mais exploradas em pesquisas futuras.

“Juntamente com estudos anteriores que fizeram contribuições importantes para esta questão, acho que agora é apropriado alimentar a ideia de que, se existe variação no comportamento de apego dirigido aos humanos em lobos, esse comportamento poderia ter sido um alvo potencial para pressões seletivas precoces exercidas durante a domesticação dos cães”, disse Hansen Wheat.

A pesquisa foi publicada em Ecology and Evolution.