Cientificismo, Racionalismo e Humanismo

Créditos da Imagem: The Conversation.

Por Mario Bunge
Publicado no Evaluating Philosophies

Para inovar nas ciências jovens é necessário adotar o cientificismo. Esta é a tese metodológica que diz que a melhor maneira de explorar a realidade é adotando o método científico, que pode ser resumido a “verifique suas suposições”. O cientificismo tem sido explicitamente contestado por dogmáticos e obscurantistas de todos os lados, como o neoliberal Friedrich von Hayek e o “teórico crítico” Jürgen Habermas, um escritor pesado que conseguiu amalgamar Hegel, Marx e Freud, e decretou que “a ciência é a ideologia do capitalismo tardio”.

Em contrapartida, o sóbrio Vocabulaire de Lalande (1938: II, 740) deu a seguinte definição de cientificismo: “é a ideia de que o espírito e os métodos da ciência deveriam ser estendidos a todos os domínios intelectuais e morais da vida [social], sem exceções.” Assim, ao contrário do seus detratores, o cientificismo não é o mesmo que o naturalismo social, ou a tentativa de imitar as ciências naturais no domínio social: é apenas a tentativa de usar o método científico para lidar com todos os problemas relacionados a fatos. Isto é, por exemplo, a abordagem do cientista que, após ter encontrando um artefato raro em um sítio arqueológico, faz conjecturas sobre seus possíveis usos, e os submete a testes: ele se engaja em arqueologia experimental.

O cientificismo não nasceu até o final do Iluminismo. A Índia antiga produziu tantas escolas filosóficas como a Europa (veja Dragonetti e Tola 2004). Em particular, ela produziu filósofos materialistas, realistas e humanistas. Mas até um século atrás não havia cientificismo na Índia porque não havia ciência também. A ciência gera cientificismo, que por sua vez promove a ciência.

O cientificismo se opõe ao irracionalismo, em particular ao intuicionismo e o misterismo – a afirmação de que há mistérios, como a natureza da mente, que a ciência nunca vai resolver. Mas o cientificismo também é rejeitado por aqueles que tentam passar suas especulações improvisadas como descobertas científicas. Este é o caso da ideia de gene egoísta, a memética, o nativismo psicológico e a especulativa psicologia evolutiva. Esta última é a tentativa de explicar o meio social em termos exclusivamente biológicos e, além disso, por hipóteses implausíveis, como as de que somos fósseis ambulantes: que nossas mentes não mudaram ao longo dos últimos 50.000 anos. Além disso, os psicólogos evolutivos ignoram o fato de que existem invenções sociais e que algumas destas — tais como a guerra, o sacrifício humano, algumas regras dietéticas e algumas regras de parentesco nas sociedades primitivas — são prejudiciais à vida.

O cientificismo inclui a racionalidade, isto é, requisitos de clareza e coerência lógica. O mínimo que podemos esperar de um filósofo é uma expressão clara e razões para ser contra ou a favor das teses em que se discute. Uma doutrina hermética, que é tão sem sentido que nem chega mesmo a ser falsa, de modo que não pode ser debatida racionalmente, não merece ser chamada de filosofia.

Pode-se objetar que a racionalidade é desiderato, ao invés de fato; a psicanálise, o behaviorismo, o modelo computacional da mente e a psicologia evolutiva, têm mostrado que somos basicamente irracionais: que somos escravos de paixões (Hume, Nietzsche, Freud) dos programas inatos, ou fósseis vivos, cujas mentes foram moldadas durante o Pleistoceno para lidar com os perigos da savana africana. Estas doutrinas, que John Kihlstrom chamou de “estúpidas”, foram severamente criticadas por Elliot Turiel (2010). Este pesquisador lembra que Jean Piaget na psicologia do desenvolvimento acumulou evidências para a hipótese de Aristóteles, que somos animais racionais (ou pelo menos de raciocínio), embora seja verdade que as razões se entrelaçam com as emoções e ações. Em suma, o postulado de racionalidade é descritivo, bem como normativo.

O cientificismo é centrado na racionalidade, mas exclui o racionalismo dogmático ou apriorismo, segundo o qual a lógica é suficiente para compreender a realidade. A razão é que a lógica é um ramo neutro: ela não faz suposições sobre existentes reais. O cientificismo também exclui as lógicas paraconsistentes. Estas são as teorias formais que admitem contradição e, portanto, rejeitam o kernel da racionalidade, de modo que elas se colocam além do que é estabelecido na lógica adequada. Na verdade, desde o início, a própria razão de ser da lógica tem sido a proteção de sua consistência, uma condição necessária para a deliberação convincente e ação racional.

A motivação original de Newton da Costa para propor a lógica paraconsistente foi a tese de Hegel de que o mundo é “contraditório”, ou seja, construído com conflito. Se isso é verdade, e se a lógica é confundida com a ontologia, segue-se que a lógica deve admitir uma contradição adequada, isto é, inconsistência lógica, que em sua forma mais simples consiste na afirmação simultânea e a negação de uma instrução. Mas isso equivale à morte da razão, sem a qual é impossível de gerenciar conflitos.

Além disso, se toleramos a contradição, não poderemos usar o argumento de reductio ad absurdum, e assim, perderemos a grande maioria das provas matemáticas. Pior, perderemos a noção do absurdo, e pela mesma razão que consagramos todos os absurdos pós-modernos. Em resumo, a lógica paraconsistente é ilógica, tanto quanto a moralidade egoísta é imoral. O mínimo que um filósofo pode fazer é alertar-nos contra o absurdo. Mas voltemos ao cientificismo.

Obviamente, o cientificismo é necessário, mas insuficiente para o progresso científico. Na verdade, o método científico pode ser usado para tratar problemas desinteressantes ou mesmo ridículos, ou seja, os problemas com soluções triviais, ou que ignoram peças bem conhecidas do conhecimento. Este é o caso das publicações em revistas científicas que conquistaram o Prêmio Ig Nobel, que é concedido anualmente a dez artigos publicados em conceituados periódicos de ciência. A seguir, são algumas das conclusões que mereceram os prêmios de 2008: as pulgas do cão saltam mais alto do que as pulgas do gato; tatus podem estragar sítios arqueológicos; os placebos mais caros são os mais eficazes; cabelo tende a embaraçar; e as plantas têm dignidade. Como disse Molière, um tolo erudito é ainda mais tolo do que um ignorante.

O cientificismo pode ser falsificado como a ciência, a arte, o amor e o dinheiro. Por exemplo, durante dois séculos o positivismo autodenominou-se de científico, e ainda foi levado para o cientificismo. Na verdade, ele proclamou seu amor à ciência, ao mesmo tempo que ele tentou forçá-la em camisa de força para o fenomenalismo, que exclui entidades e propriedades imperceptíveis, tais como átomos, genes, mente e forças sociais.

A confusão entre o cientificismo e o positivismo era tão comum durante a segunda metade do século XIX, que transbordou até na política. De fato, entre 1880 e 1910 o positivismo gozou de tal prestígio, que os intelectuais argentinos, todos eles progressistas na época, juravam por Comte e Spencer.

Mas estes eram os mesmos heróis do partido “científico”, liderado pelo ditador Porfirio Díaz, que paralisou a sociedade mexicana durante seu longo governo. Não é novidade que, após esse período, tanto os progressistas mexicanos e os conservadores argentinos, substituíram o positivismo, erroneamente nomeado de cientificismo, com o idealismo. No entanto, vamos retornar ao pentágono filosófico.

Para concluir a discussão do cientificismo, note que não é um substituto para a filosofia, mas um programa filosófico. Filosofia é inevitável porque lida com conceitos extremamente gerais que são usados descuidadamente em todos os campos, tais como a realidade, o começar, o conhecer e o bom. No entanto, uma vez que a maioria das filosofias têm tratado de maneira insatisfatória com essas ideias, há uma tendência entre os cientistas e tecnólogos de acreditar que eles podem dispensar a filosofia. A experiência sugere que ao ignorar a filosofia levamos em uso uma filosofia ignorante. O cientificismo não entrega boa filosofia, mas ajuda a evitar má filosofia, bem como usar teorias filosóficas de pensamento que usam o que é conhecido e ajudam a explorar o desconhecido.

Por último, mas não menos importante, o progresso científico também requer uma observação sobre as normas morais que controlam a busca da verdade e de sua difusão. Isto é porque a pesquisa científica é um empreendimento social, que envolve a cooperação em alguns aspectos, enquanto a competição em outros. Na verdade, até mesmo o mais recluso dos investigadores utiliza resultados de outros e, por sua vez, alimenta seus leitores. E, para evitar conflitos puramente destrutivos, todas as transações sociais devem observar as normas de convivência, que são normas morais. Por exemplo, o plágio é fortemente mais condenado nas ciências do que na área de humanidades, porque o trabalho em equipe é mais frequente no primeiro do que no último.

Em um artigo clássico, o fundador da sociologia científica da ciência (Merton 1975: 259) mostrou que a pesquisa básica é regido pelas seguintes normas morais: honestidade intelectual, integridade, ceticismo organizado, desinteresse, e impessoalidade. Gostaria de acrescentar mais algumas: a cooperação entre colegas e alunos, ao invés da exploração; a combinação de pesquisa com a orientação e o ensino; a promoção da livre e justa concorrência para bolsas, em estudos e empregos; Não contornar os problemas cuja a investigação poderia incomodar os poderes constituídos; dizendo a verdade, mesmo que, particularmente, contradiga a cosmovisão do governante; a popularização da ciência e do cientificismo; denunciar a pseudociência e o obscurantismo; e abster-se de usar a ciência para prejudicar as pessoas.

O conjunto, ou sistema, de normas que governa a busca da verdade e da justiça é muitas vezes chamado de humanismo. O humanismo eleva-se a uma combinação de responsabilidade social com o universalismo: ele evita tudo o que pode prejudicar a maioria das pessoas, enquanto beneficia determinados grupos sociais em detrimento da maioria.

O humanismo condena a agressão militar e o racismo, a opressão política e a exclusão cultural. As doutrinas que promovem o nacionalismo extremo, o regionalismo, o racismo, ou o sexismo – seja machista ou feminista – são ideológicas, não filosóficas. Isto é válido em particular para as diatribes de Nietzsche e Heidegger contra o humanismo.

As doutrinas exclusivistas e relativistas não são humanistas, porque elas não são universalistas. Além disso, elas são conservadoras ou reacionárias, uma vez que elas defendem interesses escusos. Os humanistas proclamam a universalidade dos valores filosóficos básicos – clareza, coerência e verdade -, bem como dos valores sociais da Revolução Francesa de 1789: liberdade, igualdade e fraternidade. (Observe que estes valores constituem um pacote ou sistema: cada um deles pode ser realizado apenas junto com os outros dois.) Os humanistas são universalistas sobre a moral, a ciência e a filosofia. No entanto, eles defendem o direito de diferir em todo o resto, em determinada ocupação, estilo de vida, comida, roupa, tecnologia e política.

Referências

  • Dragonetti, Carmen, and Fernando Tola. 2004. On the myth of the opposition between Indian thought and western philosophy. Hildesheim: Georg Olms.
  • Lalande, Andre. 1938. Vocabulaire technique et critique de la philosophie, vol. 3. Paris: Alcan.
  • Merton, Robert K. 1975. The sociology of science. Chicago: University of Chicago Press.
  • Turiel, Elliot. 2010. Snap judgment? Not so fast: Thought, reasoning, and choice as psychological realities. Human Development 53: 105–109.
CONTINUAR LENDO
Artigo anteriorA Ciência Não Está Falida
Próximo artigoOMEGA-3 pode previnir doenças psicóticas
Douglas Rodrigues Aguiar de Oliveira
Sou fundador do Universo Racionalista | Graduando em Tecnologia em Redes de Computadores pela Universidade de Franca | Pós-graduando em Ethical Hacking e Cybersecurity do Centro de Inovação VincIT (UNICIV) pela Faculdade Eficaz | Especializando em Cybersecurity pela Rochester Institute of Technology (edX MicroMasters Programs) | Especialização em Fundamentals of Computing Network Security pela University of Colorado System (Coursera Specialization) | Especialização em Journey of the Universe: A Story for Our Times pela Yale University (Coursera Specialization) | Graduação interrompida em Licenciatura em Filosofia pela Universidade de Franca | Colaborador do Instituto Ética, Racionalidade e Futuro da Humanidade | Colunista da Climatologia Geográfica | Membro da Rede Brasileira de Astrobiologia | Membro do Science Vlogs Brasil | Interesse em Divulgação Científica das ciências fáticas em geral | Interesse em Filosofia da Ciência no problema da demarcação entre Ciência e Pseudociência e da justificação entre Realismo e Antirrealismo | Estudando também o problema entre Tecnologia e Pseudotecnologia na Filosofia da Tecnologia | Interesse em Segurança Defensiva e Segurança Ofensiva em sites, servidores e redes de computadores | Endereço do Currículo Lattes e do LinkedIn.