Cientistas finalmente sabem como um réptil antigo vivia com um pescoção gigantesco

0
208
T. longobardicus no Museu de Paleontologia de Zurique. (Créditos: Ghedoghedo/Wikimedia Commons/CC BY-SA 4.0)

Traduzido por Julio Batista
Original de Mike McRae para o ScienceAlert

Faça um crocodilo de massinha. Pegue sua cabeça e puxe-a até que seu pescoço se estenda alguns metros de seu corpo. De longe, pode ficar parecido com um réptil estranho do Triássico, chamado Tanystropheus. Bem, mais ou menos.

A variedade de ossos do pescoço fossilizados ridiculamente longos deste animal confundiu os paleontólogos por quase 170 anos. Usando tomografias computadorizadas para descompactar os crânios amassados dos restos mortais dos répteis, os pesquisadores finalmente resolveram algumas questões incômodas em torno deste estranho animal em agosto do ano passado.

Os espécimes de Tanystropheus podem atingir mais de 5 metros de comprimento, com sua cauda representando cerca de um terço de seu comprimento, e seu corpo talvez um quarto. O resto é tudo pescoço.

Tamanhos de Tanystropheus em comparação com um humano. (Créditos: Spiekman, et al., Current Biology, 2020)

Tanystropheus parecia um crocodilo atarracado com um pescoço muito, muito longo”, disse o paleontólogo Olivier Rieppel, do Museu de Campo de Chicago.

O porquê deste réptil ter desenvolvido tais dimensões estendidas é um mistério completo. O fato de ninguém saber se ele preferia ficar submerso na água ou andar pesadamente sobre a terra só tornava mais difícil chegar a qualquer conclusão.

Parte de sua estranheza é o formato dos ossos do pescoço. Ao contrário das de uma cobra ou lagarto, as vértebras cervicais nos fósseis de Tanystropheus são esticadas como as de uma girafa. Na verdade, quando seus restos foram descobertos pela primeira vez em 1852, os ossos espalhados foram considerados os ossos das asas alongadas de um pterossauro voador.

Nem todos os indivíduos que descobrimos são do tamanho de crocodilos. Alguns são bem menores, levando os paleontólogos a questionar se alguns dos espécimes em seus registros pertencem a jovens ou representam uma espécie completamente diferente.

Este é um problema comum na paleontologia – o fóssil diminuto de uma espécie anã pode ser quase idêntico aos ossos imaturos de um jovem. Para separá-los, é necessário procurar pistas para saber se o esqueleto ainda não atingiu o tamanho total ou se ainda precisava crescer.

Felizmente, essas pistas podem ser encontradas analisando profundamente os fósseis. Assim como os anéis dentro do tronco de uma árvore apresentam um registro de sua idade, os ossos podem fazer a mesma coisa.

Para encontrá-los, Rieppel e seus colegas usaram raios-X em uma variedade de esqueletos de Tanystropheus, transformando os exames em modelos 3D por meio da tecnologia de tomografia computadorizada (TC) de alta resolução.

“O poder da tomografia computadorizada nos permite ver detalhes que de outra forma seriam impossíveis de observar em fósseis”, disse o autor principal Stephan Spiekman, especialista em evolução de répteis do Triássico na Universidade de Zurique.

Para diferenciá-los, a equipe batizou o maior de T. hydroides, em homenagem à hidra da mitologia grega. Seu primo menor manteve o nome da espécie original T. longobardicus.

Transformar os exames em modelos digitais também forneceu aos pesquisadores uma maneira de reorganizar os ossos amassados em uma configuração mais clara, tornando muito mais fácil ter uma boa visão de toda a anatomia da criatura.

“A partir de um crânio fortemente amassado, fomos capazes de reconstruir um crânio 3D quase completo, revelando detalhes morfológicos cruciais”, disse Spiekman.

Com todos os fragmentos de ossos em seus devidos lugares, parece que Tanystropheus se sentiria bem na água, afinal.

O crânio do réptil tem suas narinas empoleiradas no topo, muito parecido com o focinho de um crocodilo – uma característica ideal para um predador de emboscada manter o pulmão cheio de ar enquanto espera a refeição passar.

Tradução da imagem: as anatomias das espécies T. hydroides e T. longobardicus; presas alongadas para capturar peixes e cefalópodes (elongate fangs for catching fish and cephalopods), focinho achatado com narinas no topo indica um estilo de vida aquático (flattened snout with nostrils on top indicate an aquatic lifestyle), dentição tricúspide para esmagar invertebrados de casca mole (tricuspid dentition for crushing soft-shelled invertebrates) e linhas de crescimento indicam que a pequena espécie estava esqueleticamente madura (growth lines indicate the small species was skeletally mature). (Créditos: Spiekman et al., Current Biology, 2020)

O que tinha sido uma pilha confusa de dentes pontiagudos também pode ser visto formando uma armadilha bastante eficiente para capturar um cefalópode, pelo menos para as espécies gigantes.

“As espécies pequenas provavelmente se alimentavam de pequenos animais com carapaça, como o camarão, em contraste com os peixes e lulas que as espécies grandes comiam”, disse Spiekman.

“Isso é realmente notável, porque esperávamos que o pescoço bizarro de Tanystropheus fosse especializado para uma única tarefa, como o pescoço de uma girafa. Mas, na verdade, permitiu vários estilos de vida. Isso muda completamente a maneira como olhamos para este animal.”

Uma ilustração que mostra a caça do T. hydroides. (Créditos: Emma Finley-Jacob)

O fato das duas espécies muito semelhantes terem maneiras tão diferentes de usar seus corpos longos tornou muito mais fácil para elas existirem nos mesmos habitats, compartilhando seu ambiente sem competir pelas mesmas fontes de alimento.

Quase podemos imaginar o corpo atarracado e semelhante a um crocodilo deitado no chão de uma costa rasa cerca de 242 milhões de anos atrás, com sua cabeça subindo para a superfície para que suas narinas possam sugar o ar e sua boca eriçada ligeiramente aberta em antecipação de uma lula cruzar seu caminho.

Por mais familiar que pareça a cena, Tanystropheus ainda é uma criatura estranha.

Esta pesquisa foi publicada na Current Biology.