Corpos de animais estão mudando de forma para sobreviver às mudanças climáticas

0
126
Imagem térmica de um periquito-rei, mostrando que seu bico é mais quente que seu corpo. Crédito: Alexandra McQueen.

Por Sara Ryding e Matthew Symond
Publicado no The Conversation

O aquecimento global é um grande desafio para os animais de sangue quente, que devem manter uma temperatura corporal interna constante. Como qualquer pessoa que já passou por uma insolação pode lhe dizer, nossos corpos ficam gravemente prejudicados ​​quando superaquecemos.

Os animais estão lidando com o aquecimento global de várias maneiras. Alguns se mudam para áreas mais frias, como mais perto dos polos ou para terrenos mais altos. Alguns mudam o período de eventos importantes da vida, como reprodução e migração, para que ocorram em períodos mais frios. E outros evoluem para mudar o tamanho do corpo para esfriar mais rapidamente.

Nossa nova pesquisa examinou outra maneira como as espécies de animais lidam com as mudanças climáticas: mudando o tamanho de suas orelhas, caudas, bicos e outros apêndices. Revisamos a literatura publicada e encontramos exemplos de animais que aumentam o tamanho dos apêndices em paralelo com as mudanças climáticas e com os aumentos de temperatura associados.

Ao fazer isso, identificamos vários exemplos de animais que são mais provavelmente “metamorfos” – incluindo espécies na Austrália. O padrão é generalizado e sugere que o aquecimento do clima pode resultar em mudanças fundamentais na forma animal.

Aderindo à regra de Allen

É bem sabido que os animais usam seus apêndices para regular sua temperatura interna. Os elefantes-africanos, por exemplo, bombeiam sangue quente para suas orelhas grandes, que então batem para dispersar o calor.

Os bicos das aves desempenham uma função semelhante – o fluxo sanguíneo pode ser desviado para o bico quando a ave está com calor. Esta função de dispersão de calor é representada na imagem térmica de um periquito-rei acima, que mostra que o bico está mais quente do que o resto do corpo.

Tudo isso significa que há vantagens em apêndices maiores em ambientes mais quentes. Na verdade, já na década de 1870, o zoólogo estadunidense Joel Allen observou que, em climas mais frios, os animais de sangue quente – também conhecidos como endotérmicos – tendiam a ter apêndices menores, enquanto os de climas mais quentes tendiam a ter apêndices maiores.

Esse padrão ficou conhecido como regra de Allen, que desde então tem sido apoiado por estudos de pássaros e mamíferos.

Padrões biológicos como a regra de Allen também podem ajudar a fazer previsões sobre como os animais evoluirão com o aquecimento do clima. Nossa pesquisa teve como objetivo encontrar exemplos de mudanças de forma de animais no século passado, consistentes com o aquecimento climático e a regra de Allen.

Quais animais estão mudando?

Descobrimos que a maioria dos exemplos documentados de mudança de forma envolve pássaros – especificamente, aumentos no tamanho do bico.

Isso inclui várias espécies de periquitos-australianos. Estudos mostram que o tamanho do bico de cacatuas-gang-gang e periquitos-dorso-vermelho aumentou entre 4 e 10 por cento desde 1871.

Apêndices de mamíferos também estão aumentando de tamanho. Por exemplo, no  musaranho mascarado, o comprimento da cauda e da perna aumentou significativamente desde 1950. E no grande-morcego-dos-Himalaias, o tamanho das asas aumentou 1,64% no mesmo período.

A variedade de exemplos indica que a mudança de forma está acontecendo em diferentes tipos de apêndices e em uma variedade de animais, em muitas partes do mundo. Porém, mais estudos são necessários para determinar quais tipos de animais são mais afetados.

Um periquito-dorso-vermelho, uma espécie que aumenta o tamanho do bico em resposta às mudanças climáticas. Crédito: Ryan Barnaby.

Outros usos de apêndices

É claro que os apêndices animais têm usos muito além da regulação da temperatura corporal. Isso significa que os cientistas às vezes se concentram em outras razões que podem explicar as mudanças na forma do corpo dos animais.

Por exemplo, estudos mostraram que o tamanho médio do bico dos tentilhões de Galápagos mudou ao longo do tempo em resposta ao tamanho da semente, que por sua vez é influenciado pela chuva. Nossa pesquisa examinou dados coletados anteriormente para determinar se a temperatura também influenciou as mudanças no tamanho do bico desses tentilhões.

Esses dados demonstram que a precipitação (e, por extensão, o tamanho da semente) determina o tamanho do bico. Após verões mais secos, a sobrevivência das aves de bico pequeno foi reduzida.

Mas encontramos evidências claras de que pássaros com bicos menores também têm menos probabilidade de sobreviver a verões mais quentes. Este efeito na sobrevivência foi mais forte do que o observado com a chuva. Isso nos diz que o papel da temperatura pode ser tão importante quanto outros usos de apêndices, como alimentação, para impulsionar as mudanças no tamanho dos apêndices.

Nossa pesquisa também sugere que podemos fazer algumas previsões sobre quais espécies têm maior probabilidade de alterar o tamanho dos apêndices em resposta ao aumento da temperatura – a saber, aquelas que aderem à regra de Allen.

Isso inclui (com algumas ressalvas) estorninhos, pardais-americanos e uma série de aves marinhas e pequenos mamíferos, como cuícas-graciosas da América do Sul.

Por que a mudança de forma é importante?

Nossa pesquisa contribui para a compreensão científica de como a vida selvagem responderá às mudanças climáticas. Além de melhorar nossa capacidade de prever os impactos das mudanças climáticas, isso nos permitirá identificar quais espécies são mais vulneráveis ​​e requerem prioridade de conservação.

relatório do mês passado do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas mostrou que temos muito pouco tempo para evitar o aquecimento global catastrófico.

Embora nossa pesquisa mostre que alguns animais estão se adaptando às mudanças climáticas, muitos não conseguirão. Por exemplo, algumas aves podem ter que manter uma dieta específica, o que significa que não podem mudar o formato do bico. Outros animais podem simplesmente não ser capazes de evoluir com o tempo.

Portanto, embora seja importante prever como a vida selvagem responderá às mudanças climáticas, a melhor maneira de proteger as espécies no futuro é reduzir drasticamente as emissões de gases de efeito estufa e evitar o máximo possível o aquecimento global.