Criptozoologia e Pseudociência

0
1628
Museu Internacional de Criptozoologia

Por Sharon Hill
Publicado no
Committee for Skeptical Inquiry

Quando eu era criança, os livros de criptozoologia defendiam repetidamente a existência de criaturas como o Pé Grande e o monstro do Lago Ness usando as mesmas histórias dramáticas. No início, eu era influenciada por essas histórias, mas, eventualmente, eu fiquei entediada com elas. Alguma coisa estava faltando. Somente histórias não iam tão longe; Eu realmente queria um argumento coerente com estrutura e detalhes. E eu não encontrei nada disso nos livros de criptozoologia, na minha infância.

A maioria do material criptozoológico popular remontam as mesmas velhas histórias e contos. Em 19 de maio de 2011, no site Boing Boing, um blog popular da Internet que aponta coisas legais e interessantes acontecendo, Maggie Koerth-Baker escreveu sobre um novo recurso da revista Popular Science, destacando artigos da revista. Ela ligou isso a uma galeria de artigos rotulados como “uma breve incursão ás pseudociências populares” (disponível no http://is.gd/2bnQoV). Um artigo de 1952 descreveu uma aventura de um caçador do homem das neves, no qual Koerth-Baker observou: “É fácil ver que o escritor se sentiu tão imerso na emoção da caçada que ele parou de se questionar se havia realmente qualquer coisa para caçar” (www.boingboing.net/2011/05/19/hunting-the-yeti-wit.html). No artigo de 1952 chamado de “O [abominável] Homem das neves definitivamente existe”, com um breve gracejo, Koerth-Baker diz que este olhar para trás no tempo é um “pontapé nas calças”, pois parece dirigir-se ao fato de que embora a denominada “Ciência Popular” esteja tão certa que o Homem das neves existe, ainda não temos nenhum Abominável Homem das Neves para mostrar.

Loren Coleman do Cryptomundo, um dos sites criptozoológicos mais conhecidos da rede, tomou como exceção a utilização da palavra pseudociência por Koerth-Baker em referência a criptozoologia (veja www.webcitation.org/5yxUGuhIp). Parece que o co-criador do Boing Boing David Pescovitz também pensou que Koerth-Baker estava sendo depreciativa. No primeiro comentário após o post de Koerth-Baker, Pescovitz disse que “as opiniões sobre esses assuntos variam entre os contribuintes [do Boing Boing]”. Pescovitz tem muitas vezes escrito sobre temas criptozoológicos, incluídos no Museu Criptozoológico de Coleman, em Maine, sob uma luz favorável.

Mas espere: Koerth-Baker usou o próprio título de “Ciência Popular” para o recurso quando ela mencionou a pseudociência. Ela era apenas a mensageira; a “Ciência Popular” em si, não o Boing Boing, mostra uma coleção de asneiras em seus próprios arquivos. Coleman escolheu criticar Koerth-Baker por participar de “transgressões… fora do limite”. Ele continuou: “Ela não se incomodou que mesmo pessoas bem-intencionadas podem tão cegamente bater num grupo inteiro de pessoas cientificamente, com o ceticismo em mente de humilhantes categorizações que têm pouco ou nenhum fundamento na verdade”.

Irei levar como exceção a opinião de Coleman. Eu examinei a “ciência” da criptozoologia e assuntos paranormais. Vamos falar um pouco sobre a perícia caseira e o uso da palavra pseudociência para descrever a criptozoologia para ver se o campo é, de fato, científico e criticamente cético.

Criptozoologistas tem um clássico relacionamento de amor e ódio com a comunidade científica. Este campo tem uma história de interesse de cientistas credenciados, incluindo antropólogos, zoólogos e biólogos. (Para saber mais sobre esse assunto no contexto da investigação do pé grande especificamente, veja o livro de Brian Regan Searching for Sasquatch). No entanto, a maioria dos entusiastas da criptozoologia são amadores sem treinamento formal de ciência. Eles seguem o Cryptomundo, assistem a documentários de televisão, leem seus livros, e talvez até mesmo participam de grupos de pesquisa.

hill-cryptozoologyAnos atrás, eu compartilhei uma história local interessante com Coleman. Ele passou para uma lista de e-mails, se identificando e dizendo como estava chocado; a “Criptozoologista de Sharon Hill”, eu não me chamava disso. Eu aprendi rapidamente que qualquer um pode chamar a si mesmo de criptozoologista. Você não precisa de qualificações ou de formação especial, apenas de interesse e conhecimento dos jargões (e, o mais importante, uma reverência pelos auto-nomeados peritos). Coleman riu das minhas objeções, dizendo-me que eu não havia entendido o seu senso de humor.

Não quero menosprezar o site Cryptomundo, mas meus comentários em vários posts de lá com frequência tem sido excluídos e, em alguns casos, alterados porque eram críticos das afirmações de Coleman. Neste tema mais recente, Coleman incluiu um dos meus comentários ligando ao meu site. No entanto, ele adicionou um link no comentário direcionando os leitores para um site cético, mostrando claramente a sua audiência (alguns dos quais muitas vezes se referiam aos céticos como “scoftics“) onde residem as minhas afiliações. A comunidade cripto é calorosa e acolhedora para os profissionais que lhes são simpáticos, mas os seus membros mostram um enorme desprezo para os cientistas e investigadores críticos de suas reivindicações.

Na verdade, tenho formação científica e licenciatura em um campo científico; Eu tenho feito trabalhos de laboratório, trabalhos de campo e pesquisas. No entanto, eu não me sentiria confortável chamando-me de criptozoologista por várias razões. Embora eu tenha gostado da biologia da vida selvagem e da zoologia desde que eu aprendi a ler, eu não sou uma especialista treinada nestes assuntos, e eu não estou dedicada a estudar estes campos. Eu preferia ganhar esse rótulo e respeito através de um bom trabalho.

Não podemos fugir e auto-rotular especializações em ciência. Um cientista em nossa sociedade supostamente deve ter, pelo menos, uma formação especializada e uma licenciatura em um campo científico. Muitas pessoas colocam os cientistas sob um padrão ainda maior, esperando que estejam atualmente trabalhando no campo e realizando ativamente a pesquisa, produzindo dados e publicando estudos. Mas é a educação e a formação de um cientista que é a parte mais crítica. Isso requer prática para aprender a pensar cientificamente. É preciso esforço para reunir resultados de pesquisas cuidadosas, e a ciência é uma cultura especial que tem regras. As normas do que se espera para realizar a pesquisa científica são rígidas, o que dá a ciência sua alta credibilidade.

Chamar um campo de “pseudociência”, sem dúvida, irá gerar controvérsias por causa das ideias coloridas do conhecimento gerado no campo, bem como de seus participantes, mas ele também é usado para descrever um processo de trabalho. Uma linha subjetiva pode ser estabelecida entre ciência e pseudociência, dependendo de qual critério você usa (coletivamente referido como o “problema da demarcação”). “Pseudociência” é um termo claramente pejorativo destinado a definir uma área fora do estabelecimento ou julga-o como inferior à ciência genuína. Ninguém deliberadamente chama a si próprio de pseudocientista. Eu prefiro um outro termo para os esforços pseudocientíficos: “farsa de inquérito”. Onde a criptozoologia normalmente se qualifica.

“farsa de inquérito” é sobre o processo de investigação pseudocientífica e por que os resultados desse processo são inferiores a investigação científica. Uma investigação amadora, na maioria das vezes, não consegue atingir o patamar elevado da ciência por uma variedade de razões. Os métodos de grupos de investigação amadores parecem científicos, com olhares científicos, e podem enganar muita gente para pensar que eles são científicos, mas existem argumentos claros do por que eles não são.

O principal problema, e o ponto que Koerth-Baker chega em seu comentário é que, em geral, criptozoologistas assumem que uma criatura misteriosa está lá fora para eles encontrarem. Eles começam com um viés: Eles são os defensores. Eles não estão testando uma hipótese, e sim buscando provas para apoiar a sua posição. A resposta já está em sua cabeça. (O mesmo pode ser dito para a maioria dos caçadores de fantasmas e ufólogos). Eles também começam com a pergunta errada. Em vez de se perguntarem, “O que aconteceu?”, Eles perguntam: “É um criptido?” e imediatamente buscam as possíveis soluções.

Certamente alguns são piores do que outros. Eu admiro vários denominados criptozoologistas que têm realmente um grande conhecimento e alguns relatórios baseados em condutas científicas. Os meus dois blogs favoritos são o Tetropod Zoologia (http://scienceblogs.com/tetrapodzoology) de Darren Naish e o blog pessoal de Karl Shuker (www.karlshuker.blogspot.com/). Meu podcast favorito, Monster Talk (www.skeptic.com/podcasts/monstertalk/), que traz cientistas genuínos para falar sobre fenômenos criptozoológicos.

O que eu não admiro é quando os ideais básicos da ciência são ignorados: ter uma boa bolsa de estudos em pesquisa, coleta de dados e documentação de qualidade, uma devida publicação, ceticismo e crítica aberta. Em vez disso, a maior parte dos criptozoologistas populares são apenas um amontoado de pessoas que usam as mesmas ideias de má qualidade, uma tonelada de campanhas publicitárias, uma especulação desenfreada, e suposições infundadas – chegando a usar até mesmo teorias de conspiração e, muitas vezes, explicações paranormais.

Amadores e não-cientistas podem fazer ciência, e a criptozoologia poderia ser uma ciência. No entanto, não vejo isso muitas vezes ocorrendo. É preciso um grande esforço para fazer uma investigação adequada, o que exige recursos e uma dedicação à ciência e à verdade que os entusiastas de criptidos não têm.

Eu quero que a qualidade das normas sejam melhoradas qualitativamente para que resolvam, com uma análise racional, os avistamentos das pessoas e os relatos de incidentes estranhos. Você não pode chegar lá indo pelos mesmos caminhos que os últimos criptozoologistas foram, como Coleman frequentemente cita. Qualquer site que alega ser científico deve entregar um exame apropriado das reivindicações, uma investigação aprofundada, uma literatura racional e respostas bem pensadas para críticas. Uma boa notícia para os sites de informações sobre criptozoologia é que eles terão tudo isso sem recorrer a campanha publicitária a fim de aumentar a receita publicitária. Uma excelente investigação já está sendo feita lá fora, como as realizadas por Daniel Loxton, Michael Dennett, Benjamin Radford, Blake Smith, Joe Nickell e David Daegling. Acho que uma crítica detalhada e com uma avaliação cuidadosa, o objetivo destas perguntas curiosas de criptografia serão muito mais gratificantes do que aquelas histórias de aventuras sensacionalistas ou alegações com falsas provas em sites de notícia (que quase sempre acabam viralizando). Eu finalmente encontrei um exame satisfatório de criptidos que eu estava procurando o tempo todo de autores com uma abordagem mais cética.

Meu desejo é que o campo da criptozoologia continue a melhorar. Vários bons trabalhos saíram nos últimos anos, e mais está por vir. Estou animada para estas novas vozes iniciem uma discussão com um nível superior de qualidade e examinem o campo a partir de uma perspectiva mais esclarecida, seguindo em frente, sem mais pseudociência!

CONTINUAR LENDO