Desastres espaciais dramáticos que foram evitados por muito pouco

0
178

Por Mark Chen
Publicado no ListVerse

Houve algumas mortes notáveis ​​na história do voo espacial tripulado, dois exemplos famosos sendo a destruição dos ônibus espaciais Challenger e Columbia. Embora os incidentes fatais tenham sido poucos, o número de voos espaciais que poderiam ter resultado em fatalidades é muito maior. Essas nove missões tripuladas ao espaço tinham uma chance muito boa de deixar sua tripulação morta, mas em todas elas os astronautas escaparam na hora certa.

Soyuz 33 (1979) – URSS

Em 10 de abril de 1979, a cápsula Soyuz 33 decolou levando dois tripulantes para a estação espacial Salyut 6 soviética. A tripulação incluiu o primeiro astronauta búlgaro, Georgiy Ivanov, e um russo, Nikolay Rukavishnikov. No entanto, na abordagem final da estação espacial, o motor principal do Soyuz apresentou defeito, sacudindo toda a espaçonave enquanto disparava de forma irregular. Uma segunda tentativa de dar partida no motor também falhou e a tripulação foi orientada a dormir enquanto o problema era analisado.

Rukavishnikov, no entanto, não conseguia dormir. Ele estava preocupado que o acionamento do motor principal pudesse ter danificado o motor de backup. Se isso acontecesse, a espaçonave ficaria presa em órbita e incapaz de tentar a reentrada, prendendo os cosmonautas no espaço. A cápsula Soyuz foi projetada para desorbitar naturalmente 10 dias depois, mas havia oxigênio disponível apenas para cinco dias, o que significa que os cosmonautas teriam se asfixiado bem antes disso.

No final, o motor reserva disparou, mas por 25 segundos a mais, resultando em uma trajetória íngreme e reentrada balística, submetendo os cosmonautas a 10 g. Ambos os tripulantes foram recuperados com segurança, pondo fim à missão angustiante.

Soyuz T-10-1 (1983) – URSS

Em 26 de setembro de 1983, o comandante Vladimir Titov e o engenheiro de voo Gennady Strekalov prepararam-se para entrar em órbita no Soyuz T-10-1 a fim de acoplar a estação espacial soviética Salyut 7. Noventa segundos antes do lançamento do foguete Soyuz, no entanto, uma válvula do motor do foguete apresentou defeito, derramando combustível na plataforma de lançamento. Os vapores se acenderam, envolvendo o foguete em chamas. Isso não era necessariamente um problema para os cosmonautas, no entanto – sua cápsula foi projetada para ser retirada do foguete em chamas por uma torre de escape movida a foguete.

Exceto por um problema: a torre falhou. O fogo havia queimado a fiação que teria ativado automaticamente o sistema, deixando os dois cosmonautas no topo de um foguete em chamas que poderia explodir a qualquer segundo. A única maneira de disparar a torre de escape agora era se dois técnicos em duas salas separadas no controle da missão pressionassem dois botões ao mesmo tempo. No momento em que os botões foram pressionados, 10 segundos cruciais se passaram.

A torre de fuga disparou na hora certa. Apenas alguns segundos depois que os cosmonautas voaram para a segurança, o foguete caiu em chamas na plataforma de lançamento. Quando as equipes de recuperação chegaram ao local de pouso 30 minutos depois, os cosmonautas pediram cigarros e vodca para acalmar os nervos.

Apollo CSM-111 (1975) – EUA

Em 17 de julho de 1975, uma espaçonave americana Apollo atracou com uma espaçonave soviética Soyuz em órbita, marcando o primeiro voo espacial tripulado internacional. Após o desencaixe em 19 de julho, a espaçonave Soyuz fez uma aterrissagem sem intercorrências na Rússia. A espaçonave Apollo, entretanto, não teve tanta sorte. Poucos minutos antes do respingo no Pacífico, os três tripulantes da Apollo notaram um gás amarelo na cápsula que irritou seus olhos e os fez ter acessos de tosse – era tetróxido de nitrogênio altamente tóxico, um produto químico usado como propelente que é letal se inalado em grandes doses. Para agravar o problema, a cápsula capotou ao pousar, prendendo os membros da tripulação. A tripulação procurou as máscaras de oxigênio e um dos astronautas já havia desmaiado quando Thomas Stafford conseguiu alcançá-los.

Stafford acabou ativando os mecanismos para endireitar a cápsula e liberar o gás na cabine. A tripulação acabou no hospital por duas semanas. Embora os resultados tenham sido quase fatais, todos os astronautas tiveram uma recuperação completa. Posteriormente, foi determinado que um astronauta não conseguiu girar um botão durante as verificações finais antes da reentrada, deixando uma válvula aberta que liberava o gás letal para a cápsula.

Liberty Bell 7 (1961) – EUA

O segundo voo espacial norte-americano tripulado, Mercury-Redstone 4, ou Liberty Bell 7, foi lançado em 21 de julho de 1961. Gus Grissom, que seria o segundo americano no espaço, teve um voo normal sem problemas. O splashdown, no entanto, foi mais dramático. A escotilha de saída explodiu prematuramente, inundando a espaçonave. Grissom quase se afogou, mas conseguiu escapar da cápsula.

O helicóptero de recuperação tentou em vão erguer a espaçonave por alguns minutos antes de abandonar o esforço e deixar a cápsula afundar. Grissom lutou para ficar acima da água, mas acidentalmente deixou uma válvula aberta em seu traje, permitindo que a água entrasse e tornasse o traje mais pesado. Quando o helicóptero o alcançou, Grissom estava tão exausto que nem se lembrava do helicóptero tirando-o da água.

O pior estava por vir para Grissom. Na primeira entrevista coletiva pós-missão, os jornalistas o interrogaram sobre se ele havia entrado em pânico e explodido a escotilha de saída, contribuindo para a perda da espaçonave e seu quase afogamento. Grissom negou veementemente as acusações até sua morte no incêndio da Apollo 1 em 1967.

Soyuz 5 (1969) – URSS

A Soyuz 5 foi lançada com três cosmonautas em 15 de janeiro de 1969. Ela atracou com a Soyuz 4 dois dias depois, levando à primeira caminhada no espaço envolvendo dois astronautas. Após o desencaixe, a Soyuz 4 reentrou e pousou normalmente. A Soyuz 5, entretanto, sofreu um incidente quase fatal durante a reentrada.

Após uma queima de combustível, a cápsula de reentrada Soyuz 5, que havia sobrevivido ao calor da reentrada, falhou em se separar do módulo orbital. Isso fez com que a espaçonave reentrasse na direção errada, com uma escotilha em vez do escudo térmico voltado para frente. Quando a borracha nas vedações da escotilha dianteira começou a queimar, os cosmonautas tiveram certeza de que morreriam. Mas a sorte estava do lado deles. Conforme as forças g aumentaram, as oscilações e a temperatura fizeram com que o módulo orbital se soltasse e o módulo de reentrada se endireitasse imediatamente, salvando os cosmonautas de um fogo ardente.

Para piorar a situação, os paraquedas se enroscaram durante o pouso, o que poderia ter sido fatal para os cosmonautas. Mais uma vez, a sorte interveio: os paraquedas se desembaraçaram bem a tempo, embora o pouso tenha sido tão difícil que um dos cosmonautas quebrou os dentes.

Apollo 13 (1970) – EUA

O incidente da Apollo 13 é conhecido como um desastre dramático superado por meio de engenhosidade e inovação. O que é menos conhecido é que o foguete Saturn V que lançou a missão quase falhou. A causa foi um fenômeno conhecido como oscilação pogo, que é uma vibração repetitiva e auto-reforçada causada por motores de foguete movidos a combustível líquido em certas situações.

As oscilações ocorreram quando o segundo estágio do foguete estava disparando. Embora as oscilações do pogo tenham ocorrido em missões anteriores da Apollo, na Apollo 13, as oscilações foram muito mais fortes do que o esperado. A força deles excedeu a gama dos instrumentos de medição antes que um comando automatizado desligasse o motor central, parando as oscilações do pogo. Uma investigação pós-voo estimou que o foguete estava a apenas mais um ciclo de oscilação de uma falha estrutural catastrófica, que teria posto um fim dramático à missão antes mesmo que a Apollo 13 estivesse em órbita. Um supressor de pogo, projetado para abafar as oscilações, foi instalado em todos os voos subsequentes da Apollo.

Gemini 6A (1965) – EUA

Em 12 de dezembro de 1965, a cápsula Gemini 6A deveria decolar e se encontrar com a Gemini 7, conduzindo a primeira atracação no espaço. No entanto, o lançamento da Gemini 6A foi interrompido quando o foguete Titan II foi desligado 1,2 segundos após a ignição do motor. Os astronautas haviam recebido ordens para ejetar de suas espaçonaves se os motores parassem, já que subir apenas alguns centímetros da plataforma de lançamento teria derrubado o foguete. Os assentos ejetáveis eram igualmente arriscados, no entanto. A aceleração extremamente alta usada para lançar os astronautas para longe da cápsula poderia facilmente levar à morte. Manequins foram usados ​​em testes dos assentos ejetáveis. Em vários dos testes, as escotilhas não explodiram e os manequins tinham batidos de cabeça na escotilha fechada a 20 g de aceleração.

Foi preciso uma mão firme sob uma pressão inacreditável para impedir que os astronautas disparassem a cápsula de ejeção. Não tendo sentido nenhuma aceleração, eles adivinharam corretamente que o Titã não havia subido da plataforma. O lançamento foi limpo e a Gemini 6A lançada com sucesso três dias depois.

Vostok 1 (1961) – URSS

O primeiro voo espacial tripulado, Vostok 1, foi lançado em 12 de abril de 1961. Carregando o cosmonauta Yuri Gagarin, ele completou uma órbita da Terra antes que os sistemas automatizados disparassem os retro-foguetes para retornar à Terra. No entanto, enquanto a órbita em si não tinha intercorrências, a reentrada estava repleta de perigos. O módulo de reentrada de Gagarin não conseguiu se separar do módulo de serviço porque um único feixe de fios se recusou a se soltar. Toda a espaçonave começou a girar ao cair na Terra, e a frágil escotilha dianteira de Vostok foi submetida ao calor da reentrada.

Felizmente, os fios queimaram 10 minutos depois e os dois módulos se separaram. Gagarin experimentou forças de desaceleração significativas e giros contínuos, mas permaneceu consciente, ejetando e pousando com segurança. A missão era incerta em mais de um aspecto. Vostok havia sido colocada em uma órbita mais alta do que o planejado, o que era perigoso porque se os retro-foguetes tivessem falhado, Gagarin teria ficado preso em órbita além dos limites de seu suprimento de comida e oxigênio (que era apenas o suficiente para 10 dias). E como ninguém jamais estivera no espaço antes, os planejadores da missão temiam genuinamente que um homem pudesse enlouquecer no espaço. Por causa disso, eles deixaram Gagarin bloqueado e impedido de tocar nos controles da espaçonave, mas ainda permitiram que ele tivesse acesso a um botão de emergência.

STS-1 (1981) – EUA

Embora as perdas dos ônibus Challenger e Columbia sejam bem conhecidas, o que não é do conhecimento convencional é que a primeira missão do ônibus espacial, STS-1, era extremamente perigosa. Em 12 de abril de 1981, 20 anos após o lançamento do Yuri Gagarin, o Columbia decolou. No entanto, ao alcançar a órbita e abrir a baía de carga útil, os astronautas a bordo foram recebidos pela visão de telhas resistentes ao calor faltando na parte traseira do orbitador. Isso levantou sérias preocupações de que os ladrilhos sob o ônibus espacial também estivessem faltando. Mas, embora muitas dessas telhas realmente estivessem faltando, o ônibus espacial pousou com segurança.

Este não foi o único problema durante a missão, nem de longe. Uma onda de sobrepressão dos propulsores de foguetes sólidos fez com que um flap de controle no orbitador fosse estendido mais do que suas tolerâncias de projeto, o que os projetistas do ônibus espacial previram que tornaria a espaçonave incontrolável na reentrada. Os projetistas estavam errados, mas a tripulação não sabia dos danos supostamente fatais até depois de pousarem.

Quando a NASA realizou um estudo de segurança no ônibus espacial 25 anos depois, eles descobriram que a chance de falha de cada um dos primeiros nove voos do ônibus espacial era de uma em nove. Uma chance de morte maior que 10 por cento não é nada desprezível, especialmente porque a NASA havia originalmente fixado a chance de fracasso em 1 em 100.000.