Os piores desastres espaciais da história

0
393

Por Brandon Christensen, Ben M. e Chris Young
Publicado no Real Clear History, no ListVerse e no Interesting Engineering

O espaço é notoriamente perigoso. Infelizmente, o desejo da humanidade de explorar além da Terra e entender o Universo levou a alguns desastres ao longo da história das viagens espaciais. Aqui estão alguns dos piores desastres, juntamente com um pouco de informação sobre as almas corajosas que subiram ao espaço em nome de promover nossa compreensão científica do Cosmos.

Intelsat 708 (1996) – CHINA

Quando a China entrou na corrida espacial nos anos 90, ninguém levou Pequim a sério. As coisas mudaram. Em meados da década de 1990, porém, um lançamento de um foguete de teste deu errado e ele aterrissou em uma vila próxima, matando pelo menos seis pessoas e ferindo 57. O Intelsat 708 continha uma tecnologia sofisticada de encriptação de comunicações e, como partes dos destroços nunca foram localizados pelos desenvolvedores do satélite, eles podem ter sido recuperados pelo governo da República Popular da China. A Intelsat e a administração Clinton sofreram críticas nos Estados Unidos por permitir uma possível transferência de tecnologia ilegal para a China por empresas americanas. Estas preocupações levaram a uma investigação pelo Congresso dos EUA. As empresas foram multadas em milhões de dólares. E 1996 foi a última vez que Estados Unidos e China trabalharam juntos na ciência dos foguetes.

Alcântara (2003) – BRASIL

O acidente do VLS em Alcântara, que aconteceu com o programa espacial brasileiro, serve como um lembrete brutal do que acontece quando os países pressionam demais para obter resultados imediatos. Vinte e uma pessoas foram mortas quando o foguete explodiu em sua plataforma de lançamento no nordeste do Brasil. A fumaça do incêndio na selva iniciada pela explosão podia ser vista a centenas de quilômetros de distância. Ao mesmo tempo que ocorria o acidente o presidente da AEB Luiz Bevilacqua, dava uma entrevista coletiva sobre o acordo firmado entre o Brasil e a Ucrânia para uso da base de Alcântara. Sendo informado do acidente por jornalistas, ironizou dizendo “Só se for um foguete de São João”. Foi identificado que o processo de ignição ocorreu antes da hora e com isso a torre de lançamento não foi retirada a tempo sendo esta a principal causa do incêndio.

Plesetsk (1980) – URSS

Na União Soviética, em 1980, um desastre na plataforma de lançamento de Plesetsk matou 48 pessoas e feriu outras 87. O jornal Pravda informou ao povo soviético que o lançamento tinha sido um sucesso, e ninguém sabia do número de mortos até que, novamente, a glasnost seguiu seu curso e as informações começaram a chegar ao país. A explicação oficial para a explosão mortal atribuiu a culpa à tripulação morta, no entanto, menos de um ano depois, em 23 de julho de 1981, após um segundo desastre com a mesma causa ter sido evitado por pouco, descobriu-se que uma falha de projeto nos filtros de combustível do foguete provavelmente era a causa do desastre de 1980, embora tenha sido impossível confirmar que tipo de filtro foi usado no foguete que explodiu.

Nedelin (1960) – URSS

Enquanto os soviéticos testavam um míssil para lançamento espacial no que hoje é o Cazaquistão, ele explodiu, matou e mutilou centenas de pessoas. O número oficial de mortos ainda é desconhecido, mas as estimativas variam de 92 a 126 mortes e centenas de feridos. As pessoas mais próximas foram incineradas instantaneamente; as mais afastadas foram queimadas até a morte ou envenenadas pelos vapores tóxicos dos componentes do combustível. A explosão incinerou Nedelin, um dos maiores projetistas de sistemas de controle de mísseis da União Soviética e chefe das Forças Estratégicas de Foguetes da União Soviética. O desastre foi tão grave que a União Soviética recusou-se a reconhecer o evento até o último suspiro, nos últimos dias da glasnost.

Soyuz 23 (1976) – URSS

Esta missão particular da Soyuz 23 com Vyacheslav Zudov e Valery Rozhdestvensky levou a nave em direção à estação espacial Salyut 5. Uma vez em órbita, a Soyuz tentou acoplar a Salyut 5, mas o programa de acoplamento não funcionou bem e os afastou da estação espacial. Após tentativas fracassadas de corrigir o erro e com o combustível acabando, a Soyuz deu meia-volta e se preparou para a reentrada. A Soyuz deveria pousar em Arkalyk, Cazaquistão, mas ventos violentos a empurraram para um lago gelado a mais de 120 quilômetros de distância. Após o toque, o paraquedas usado para diminuir a velocidade de descida da nave começou a entrar na água, arrastando a nave cada vez mais fundo no lago. Os cosmonautas vestiram todas as roupas de sobrevivência que tinham disponíveis quando a cápsula começou a congelar nas temperaturas de -17 C°. Ao amanhecer, Zudov estava inconsciente. Frost revestia o interior da cápsula. Uma equipe de resgate chegou e tentou retirar o módulo da água, mas seu helicóptero não era forte o suficiente, então eles arrastaram a cápsula para a costa. Onze horas após a aterrissagem da Soyuz 23, ela finalmente alcançou a segurança. Para surpresa da equipe de resgate, os dois cosmonautas emergiram bem e em segurança.

Soyuz 18a (1975) – URSS

Lançada em 5 de abril de 1975 e transportando os cosmonautas Vasili Lazarev e Oleg Makarov, a Soyuz 18a acabou sendo outro desastre para o programa espacial russo. Menos de cinco minutos após a decolagem, os cosmonautas ficaram surpresos ao descobrir que a Soyuz estava descendo inesperadamente rapidamente. A espaçonave enfrentou um pico de 21,3 G de força quando os cosmonautas voaram em direção ao solo. Para colocar isso em contexto, um jato Boeing 747 Jumbo atinge 0,35 G na decolagem. Sofrendo do que Makarov descreveu como visão em preto e branco e visão em túnel, a tripulação estava perigosamente perto de perder completamente a consciência. Felizmente, isso não aconteceu, mas qualquer alívio durou pouco porque a nave em seguida se chocou contra uma montanha gelada da Sibéria. Com o impacto, a cápsula caiu para o lado e imediatamente começou a deslizar em direção a uma queda brusca de 150 metros. Rodando como num filme de Hollywood, o paraquedas se prendeu em alguma vegetação e a nave parou um pouco antes da beira do penhasco.

Voskhod 2 (1965) – URSS

No início e meados da década de 1960, a União Soviética dominava a corrida espacial. Em março de 1965, Alexey Leonov se tornou o primeiro ser humano a realizar uma caminhada no espaço. Por 12 minutos e 9 segundos Leonov andou no espaço, mas quando tentou entrar novamente na Voskhod 2, descobriu que não podia entrar pela porta porque seu traje havia inflado e as coisas ficaram tão tensas dentro da nave espacial que a televisão soviética e o rádio foram cortados das massas. Os problemas para Leonov e sua equipe não terminaram por aí. Enquanto ele era capaz de se espremer dentro da Voskhod 2, fechar a porta provou ser um incômodo e foi apenas com alguns ajustes improvisados ​​soviéticos que a equipe conseguiu se isolar da vasta escuridão do espaço. A Voskhod 2 também pousou quase 500 km fora do curso, na tundra da Sibéria, onde as equipes de resgate não podiam alcançá-los por helicóptero. Para piorar as coisas, a floresta em que pousaram estava repleta de lobos e ursos, e os animais eram particularmente agressivos porque era o auge da estação de acasalamento. No tempo muito frio, os cosmonautas também tiveram que tirar e derramar o suor acumulado em seus trajes espaciais para evitar queimaduras. Depois de uma noite exaustiva nessas condições, eles foram salvos no dia seguinte, quando a equipe de resgate chegou com suprimentos e tendas.

Apollo 1 (1967) – EUA

O programa espacial Apollo quase terminou antes de começar. Infelizmente, em outro exemplo de corrida pela glória em vez de priorizar a segurança, várias falhas foram apontadas pela equipe e pelos técnicos da Apollo 1 antes que um incêndio atingisse a cabine da tripulação da missão, matando os três astronautas a bordo. Uma faísca perdida iniciou o incêndio no ambiente de oxigênio puro dentro do módulo 204 da Apollo, matando os astronautas Virgil “Gus” Grissom, Edward White e Roger Chaffee por asfixia. Falhas no design da porta da escotilha a tornavam pesada e lenta para abrir, o que significava que era impossível os astronautas puxarem ela a tempo. Como parece ter sido o caso de uma quantidade infeliz de missões espaciais, a tripulação e vários engenheiros expressaram suas preocupações sobre os problemas da espaçonave Apollo 1 em vários estágios durante os preparativos. Apesar disso, as pressões no cronograma e o desejo de ser visto como um país pioneiro levaram a que medidas adicionais de segurança fossem descartadas em favor de uma janela de lançamento mais rápida.

Soyuz 1 (1967) – URSS 

Vladimir Komarov é uma das figuras verdadeiramente trágicas da corrida espacial que aqueceu entre os EUA e a Rússia nos anos 50. Na descida de volta à Terra, o sistema de pára-quedas da espaçonave Soyuz I falhou, levando seu único membro da tripulação, Vladimir Komarov, a cair no chão em uma bola de chamas. O que torna essa história tão trágica é que Komarov sabia que a missão estava comprometida. De fato, sua transmissão final gravada da nave o fez gritar e xingar seus superiores que, segundo ele, o “mataram”. O querido amigo, colega de Komarov e herói espacial soviético Yuri Gagarin, inspecionou a espaçonave com outros técnicos e encontrou 203 problemas estruturais. Apesar dos pedidos de adiar o voo espacial, Leonid Brezhnev, o líder da União Soviética da época, avançou os planos – o voo espacial foi essencialmente uma façanha para comemorar o 50º aniversário da revolução comunista e não pôde ser adiado. Tragicamente, Komarov e Gagarin pediram para voar. Cada um queria salvar o outro do que provou ser a morte certa. Antes de Komarov voar, os relatórios dizem que ele pediu um funeral de caixão aberto para que a liderança soviética pudesse ver o que isso havia feito com ele. Ele conseguiu seu desejo.

Soyuz 11 (1971) – URSS

Esse desastre é responsável pelas únicas três pessoas que morreram enquanto estavam no espaço. Após o bem-sucedido pouso lunar da missão Apollo, a União Soviética estava ansiosa para deixar sua marca em seu programa espacial e superar seus colegas americanos. Em abril de 1971, eles certamente deixaram sua marca ao lançar a primeira estação espacial do  mundo, Salyut-1. Dois meses depois, três cosmonautas ganharam status de herói na Rússia decolando no foguete Soyuz 11, atracando em Salyut-1 e passando três semanas a bordo realizando observações científicas. Tudo parecia estar indo conforme o planejado até a viagem de volta em 30 de junho. A sonda fez uma reentrada normal e um pouso perfeito. No entanto, quando os agentes de Terra abriram a escotilha, todos os três cosmonautas não responderam. A Soyuz 11 pousou automaticamente. Durante a descida, um respiradouro com defeito foi aberto, levando à despressurização da cabine. Nenhum dos cosmonautas usava trajes espaciais, o que significa que eles rapidamente ficaram sem oxigênio e provavelmente morreram sufocados aproximadamente 30 minutos antes do pouso. Como um legado do desastre da Soyuz 11, tornou-se um requisito obrigatório para os cosmonautas e astronautas usarem trajes espaciais durante qualquer estágio de uma missão em que a despressurização pudesse ocorrer.

Columbia (2003) – EUA

Em 1º de fevereiro de 2003, retornando à atmosfera da Terra em sua 28ª missão, o ônibus espacial Columbia quebrou na reentrada, matando todos os sete astronautas a bordo. O incidente levou diretamente à aposentadoria da frota de ônibus espaciais da NASA em 2011 e à falta de missões verdadeiramente ambiciosas nos últimos anos, com a NASA atualmente trabalhando em um sucessor do Projeto Artemis. Uma investigação determinou que o problema começou durante o lançamento da Columbia na Terra 16 dias antes. Um pequeno pedaço de espuma isolante se soltou de um tanque de combustível durante o lançamento e perfurou um pequeno buraco na asa esquerda do ônibus espacial. A espuma havia realmente se desprendido durante lançamentos anteriores de ônibus espaciais sem incidentes, levando os funcionários da NASA a acreditar que não era um problema. No entanto, nessa ocasião, o pequeno buraco na asa levou à despressurização e à eventual quebra da aeronave, devido aos gases atmosféricos que sangravam no ônibus espacial durante sua rápida reentrada.

Challenger (1986) – EUA 

A décima missão do ônibus espacial Challenger terminou em tragédia. O ônibus espacial, que transportava sete astronautas, incluindo Christa McAuliffe, uma professora do ensino médio que havia sido selecionada como parte do novo programa “Professor no Espaço” da NASA, se separou 73 segundos após o seu lançamento em Cabo Canaveral. Em seguida, colidiu com o oceano Atlântico a uma altitude de aproximadamente 15 mil metros. Uma investigação após o incidente constatou que a NASA sabia que temperaturas congelantes poderiam danificar os o-rings de borracha da espaçonave, construídos para separar os propulsores de foguetes e impedir vazamentos de combustível, além de impedir a vedação. Um engenheiro que trabalhou no ônibus Challenger, Bob Ebeling, havia tentado desesperadamente avisar que não havia dados suficientes sobre como os o-rings de borracha lidariam com temperaturas mais baixas que 12° C e que o lançamento deveria ser adiado. Seu pedido caiu em ouvidos surdos. Após uma reunião particularmente frustrante com funcionários da NASA, Ebeling teria ido para casa e dito à esposa que o ônibus Challenger explodiria. A NASA decidiu prosseguir com o lançamento, apesar desses avisos, levando a indignação generalizada e a suspensão temporária do programa de ônibus espaciais.

Felizmente, esses trágicos eventos levaram a um legado de viagens espaciais mais seguras. No entanto, não podemos deixar de sentir que algumas das lições, como diminuir a produção e os cronogramas de lançamento quando surgem preocupações de segurança, são voluntariamente deixadas de lado por algumas empresas hoje. Só podemos construir um futuro de viagens aeroespaciais seguras e prósperas quando a segurança das pessoas a bordo sempre for a primeira prioridade.