Dinossauros já estavam saindo de cena antes do asteroide atingir a Terra, descobre outro estudo

0
246
Dinossauros sob a chuva de rochas espaciais. (Créditos: Instituto de Paleontologia e Paleoantropologia de Vertebrados)

Traduzido por Julio Batista
Original de Clare Watson para o ScienceAlert

O desaparecimento dos dinossauros há muito tempo cativa os paleontólogos. Sua extinção em massa depois que um meteoro atingiu a Terra cerca de 66 milhões de anos atrás, quando os vulcões entraram em erupção e as temperaturas globais subiram e desceram, foi um fim tumultuoso para o reinado desses monstros outrora dominantes.

Mas agora outro estudo sugere que os dinossauros já estavam saindo de cena milhões de anos antes da queda do meteoro, de acordo com uma análise de mais de 1.000 cascas de ovos fossilizadas desenterradas na China central.

“Os dinossauros foram extintos gradualmente ao longo de milhões de anos, em vez de terem um fim abrupto devido a desastres repentinos”, disse o autor do estudo, Qiang Wang, da Academia Chinesa de Ciências, ao South China Morning Post.

Elas esperam que essas conclusões sejam testadas, no entanto. O estudo pesa em um longo e turbulento debate entre os paleontólogos sobre se os dinossauros não-aviários tiveram um fim abrupto ou se já estavam à beira da extinção antes que um asteroide de 10 quilômetros de largura selasse seu destino.

A nova pesquisa, de uma equipe de geólogos e paleontólogos que trabalham na China, sugere que a biodiversidade de dinossauros estava desaparecendo pelo menos dois milhões de anos antes de os dinossauros serem extintos, no final do Cretáceo, deixando os pássaros como seus únicos descendentes vivos.

Suas conclusões se baseiam em uma coleção de fósseis de ovos, incluindo vários ovos de dinossauros completos e incompletos, preservados em camadas de rocha de 150 metros de espessura que foram depositadas entre 68,2 e 66,4 milhões de anos atrás, pouco antes do show encerrar para os dinossauros.

A Bacia de Shanyang, onde os fósseis de ovos foram encontrados, abriga um dos mais abundantes registros de dinossauros do final do período Cretáceo. E, no entanto, os pesquisadores encontraram apenas três táxons de dinossauros representados nas cascas de ovos fossilizadas – uma clara queda na biodiversidade em comparação com registros fósseis mais antigos.

Esse declínio na variação, suspeitam os pesquisadores, pode ter enfraquecido a capacidade coletiva dos dinossauros de se recuperar do impacto do asteroide de Chicxulub que atingiu o México moderno ou se adaptar às condições ambientais turbulentas da época. Com menos opções em sua cartilha evolucionária, eles foram enganados.

“Nossos resultados suportam um declínio de longo prazo na biodiversidade global de dinossauros antes de 66 milhões de anos atrás, o que provavelmente preparou o cenário para a extinção em massa de dinossauros não aviários do Cretáceo final”, escreveram Fei Han, pesquisador da Universidade de Geociências da China, e colegas em seu paper publicado.

Apesar de suas alegações, a equipe observou com razão que a extinção dos dinossauros permanece contestada por uma série de razões, como “viés de amostragem no registro fóssil, diferenças nas abordagens analíticas usadas e a raridade da datação geocronológica de alta precisão dos fósseis de dinossauros.”

Em seu trabalho, Han e seus colegas usaram um conjunto de técnicas para estratificar milhares de amostras de rochas que circundam as cascas de ovos fossilizadas, estimar a idade dessas amostras e construir uma linha do tempo com esses dados com resolução de 100.000 anos.

Dois dos três ovos de dinossauro ‘ooespécies’ (uma categoria de espécie para dinossauros quando você só tem ovos deles) identificados na mistura eram de um grupo de dinossauros desdentados, parecidos com papagaios chamados oviraptores, com o terceiro grupo de dinossauros poedeiros identificados como hadrossaurídeos herbívoros de bico de pato.

Um aglomerado de ovos de dinossauros fossilizados encontrados na China central. (Créditos: Qiang Wang, Instituto de Paleontologia e Paleoantropologia de Vertebrados/Fei Han e Chen Wen, Universidade de Geociências da China)

A baixa diversidade de espécies que os pesquisadores encontraram combina com restos de esqueletos de dinossauros antigos também descobertos na Bacia de Shanyang, e é comparável a outros depósitos fósseis no sul e leste da China, bem como alguns leitos de ossos na América do Norte que também sugerem o declínio da diversidade de dinossauros. durante o mesmo período.

Tudo “aponta para uma diversidade reduzida e declínio geral entre os dinossauros em escala global”, argumentaram Han e colegas, sugerindo que o declínio pode ter resultado de oscilações climáticas globais e erupções vulcânicas.

Outros estudos que também sugeriram que os dinossauros estavam propensos à extinção sugeriram que sua diversidade pode ter começado a diminuir até 10 milhões de anos antes do meteoro colidir com a Terra.

No entanto, estudos anteriores descobriram o contrário. Uma análise recente e abrangente que simula a especiação de dinossauros – a taxa em que novas espécies aparecem – descobriu que menos de 20% dos dinossauros estavam em declínio terminal antes do impacto do asteroide, enquanto outras espécies estavam prosperando.

A única maneira de resolver essas interpretações conflitantes, concluíram Han e colegas, é encontrar, amostrar e analisar mais fósseis e integrar dados existentes de sítios fósseis em todo o mundo para entender melhor os padrões de extinção.

Certamente não é uma tarefa fácil, mas que pode ajudar a finalmente resolver o que aconteceu à luz do reinado dos dinossauros.

“Nosso estudo na Ásia de fósseis abundantes e datados geocronologicamente é um grande passo nessa direção”, escreveram os pesquisadores.

O estudo foi publicado na PNAS.