DNA antigo de 1 milhão de anos atrás é descoberto na Antártica

0
313
Pinguins em um iceberg no Mar da Escócia, onde a descoberta foi feita. (Créditos: Thomas Ronge)

Traduzido por Julio Batista
Original de David Nield para o ScienceAlert

Como somos uma espécie com capacidade de atenção cada vez menor, pode ser difícil compreender há quanto tempo a vida existe na Terra. No entanto, tente entender isso: cientistas desenterraram fragmentos de DNA que datam de 1 milhão de anos atrás.

Encontrados sob o fundo do Mar da Escócia, ao norte da Antártica, esses fragmentos de material orgânico podem ser inestimáveis ​​para mapear a história da região – mapeando o que viveu no oceano e em que tipo de períodos de tempo.

Tecnicamente referido como DNA seda – para DNA sedimentar antigo – as amostras recuperadas provavelmente serão úteis nos esforços em andamento para entender como as mudanças climáticas podem afetar a Antártica no futuro.

“Isso compreende de longe o mais antigo DNA seda marinho autenticado até hoje”, disse a ecologista marinha Linda Armbrecht, da Universidade da Tasmânia, na Austrália.

O DNA seda é encontrado em muitos ambientes, incluindo cavernas terrestres e pergelissolo subártico, que produziram DNA seda com 400.000 e 650.000 anos, respectivamente.

Temperaturas frias, baixo oxigênio e falta de radiação UV tornam os ambientes marinhos polares, como o Mar da Escócia, ótimos locais para o DNA seda permanecer intacto, apenas esperando que o encontremos.

O DNA recuperado foi extraído do fundo do oceano em 2019 e passou por um processo abrangente de controle de contaminação para garantir que os marcadores de idade incorporados no material fossem precisos.

Entre as outras descobertas, a equipe descobriu diatomáceas (organismos unicelulares) que datam de 540.000 anos atrás. Tudo isso ajuda a informar nossa visão geral de como essa parte do mundo evoluiu ao longo de vastas extensões de tempo.

A equipe conseguiu vincular a abundância de diatomáceas a períodos mais quentes – o último dos quais no Mar da Escócia se inseria há cerca de 14.500 anos. Isso levou a um aumento na atividade geral da vida marinha em toda a região da Antártica.

“Esta é uma mudança interessante e importante que está associada a um aumento mundial e rápido do nível do mar e à perda maciça de gelo na Antártica devido ao aquecimento natural”, disse o geólogo Michael Weber, da Universidade de Bonn, na Alemanha.

Este último estudo é uma evidência de que essas técnicas de DNA seda podem ser úteis na reconstrução de ecossistemas ao longo de centenas de milhares de anos, dando-nos um novo nível de percepção de como os oceanos mudaram.

Os cientistas estão melhorando constantemente a remoção desses fragmentos de DNA antigos do solo e removendo o ‘ruído’ e a interferência deixada por todo o DNA moderno que existe desde então para obter uma visão autêntica do passado.

Entender mais sobre as mudanças climáticas passadas e como o ecossistema oceânico respondeu significa modelos e previsões mais precisos para o que pode acontecer em torno do Polo Sul.

“A Antártica é uma das regiões mais vulneráveis ​​às mudanças climáticas na Terra, e estudar as respostas passadas e presentes desse ecossistema marinho polar às mudanças ambientais é uma questão de urgência”, escreveram os pesquisadores em seu paper publicado.

A pesquisa foi publicada na Nature Communications.