Vítimas de sacrifícios maias são encontradas com misterioso fio azul nos dentes

0
190
A entrada para a Caverna do Terror da Meia-Noite em Belize. (Créditos: Fotografia da Universidade Estadual da Califónria, Los Angeles)

Traduzido por Julio Batista
Original de para a Live Science

Mais de 15 anos após sua descoberta, a Caverna do Terror da Meia-Noite de Belize ainda está deixando pistas sobre mais de 100 pessoas que foram sacrificadas ao deus da chuva maia há mais de um milênio.

Usada para sepultamento durante o período clássico maia (250 a 925 d.C.), a caverna foi nomeada por moradores locais que foram chamados para resgatar um saqueador ferido em 2006. Um projeto de escavação de professores e alunos de três anos pela Universidade Estadual da Califórnia, Los Angeles (Cal State LA) concluiu que os mais de 10.000 ossos descobertos na caverna representavam pelo menos 118 pessoas, muitas das quais tinham evidências de traumas infligidos a elas na hora da morte.

Para mergulhar mais fundo nos momentos finais das vítimas, a pesquisa mais recente não olhou para os ossos, mas sim para a boca, investigando a placa calcificada dos dentes, conhecida como cálculo dentário. O estudo, publicado em 20 de setembro no International Journal of Osteoarchaeology descreve curiosos fios azuis presos aos dentes de pelo menos duas das vítimas.

A autora principal do estudo, Amy Chan, que agora é arqueóloga trabalhando na gestão de recursos culturais, começou sua análise dos dentes da Caverna do Terror da Meia-Noite como estudante de pós-graduação na Cal State LA, onde estava interessada em aprender mais sobre a saúde bucal das vítimas, disse ao Live Science por e-mail.

“Depois de encontrar casos mínimos de patologia dentária, fiquei interessada em determinar quais alimentos as vítimas estavam consumindo”, disse ela

O fio azul, provavelmente feito de algodão, da Caverna do Terror da Meia-Noite em Belize. (Créditos: Fotografia de Linda Scott Cummings/PaleoResearch Institute)

O cálculo dentário pode preservar pedaços microscópicos de comida que alguém comeu – como grãos de pólen, amidos e fitólitos, que são partes mineralizadas de plantas – então Chan raspou os resíduos de seis dentes e os enviou para estudar a coautora Linda Scott Cummings, presidente e CEO do PaleoResearch Institute em Golden, Colorado (EUA). Scott Cummings descobriu que as amostras continham principalmente fios de algodão e que vários deles eram tingidos de azul brilhante.

“A descoberta de fios de algodão azul em ambas as amostras foi uma surpresa”, disse Chan, porque “o azul é importante no ritual maia”.

Um pigmento único “azul maia” foi encontrado em outros locais da Mesoamérica, onde parece ter sido usado em cerimônias – particularmente para pintar os corpos de vítimas de sacrifício, escreveram Chan e colegas em seu trabalho de pesquisa. Esses fios azuis também foram encontrados em uma bebida alcoólica à base de agave em sepultamentos em Teotihuacán, um sítio arqueológico no que hoje é o México.

Mas Chan e sua equipe ofereceram outra explicação para os fios encontrados nos dentes: talvez as vítimas tivessem panos de algodão na boca, possivelmente pelo uso de mordaças que levaram ao sacrifício. Se as vítimas estivessem sob custódia por longos períodos de tempo, seus cálculos dentários poderiam ter incorporado os fios azuis.

O interior da Caverna do Terror da Meia-Noite em Belize, com uma pessoa vestida em azul como escala. (Créditos: Fotografia da Universidade Estadual da Califórnia, Los Angeles)

“É interessante que eles encontraram fio colorido no cálculo dentário”, disse Gabriel Wrobel, um bioarqueólogo da Universidade Esadual do Michigan (EUA) que não esteve envolvido no estudo, disse à Live Science por e-mail. “Muitos pesquisadores pensam que o cálculo reflete apenas a dieta, mas este estudo é um ótimo exemplo de quanto mais informações podem ser aprendidas”.

Claire Ebert  uma arqueóloga ambiental da Universidade de Pittsburgh (EUA) que não esteve envolvida no estudo, disse à Live Science por e-mail que ela é “cética” de que os fios azuis vieram de mordaças. No entanto, ela observou que os estudos de cálculo dentário são importantes porque “podem ser usados ​​para examinar outros aspectos da vida maia, desde o ritual até o doméstico”.

Valeria a pena um estudo expandido incluindo pessoas de elite e que não eram da elite “para ver se o padrão também pode ser detectado” ou se “outras explicações para a presença de fios podem ser mais lógicas”, disse Ebert.

Chan e sua equipe concordam que seu estudo, embora forneça a primeira evidência de fios azuis no cálculo dentário de indivíduos maias, tem algumas limitações. Primeiro, a taxa na qual a placa se forma e endurece varia de acordo com o tipo de alimento ingerido e a fisiologia de uma pessoa, de modo que os pesquisadores não podem saber com certeza quando os fios ficaram presos. Além disso, muito poucos dentes das vítimas da Caverna do Terror da Meia-Noite tinham cálculo dentário para começar, limitando a análise da equipe.

“Estudos futuros fornecerão um contexto mais amplo para interpretar esses dados”, escreveram os pesquisadores em seu estudo.