Escrita misteriosa de 4.000 anos atrás pode finalmente ter sido decifrada

0
198
Texto em elamita linear em uma tabuleta. (Créditos: Junkir/Wikimedia Commons/CCB 4.0)

Traduzido por Julio Batista
Original de Owen Jarus para a Live Science

Um misterioso sistema de escrita antigo chamado Elamita Linear, usado entre cerca de 2300 a.C. e 1800 a.C. no que é hoje o sul do Irã, pode ter finalmente sido decifrado, embora alguns especialistas sejam céticos sobre as descobertas.

Além disso, não está claro se todos os artefatos usados ​​para decifrar os escritos foram adquiridos legalmente.

Apenas cerca de 40 exemplos conhecidos de elamita linear sobrevivem hoje, tornando a escrita difícil de decodificar, mas os pesquisadores dizem que conseguiram em grande parte exatamente isso, escreveram em um paper publicado em julho na revista Zeitschrift für Assyriologie und Vorderasiatische Archäologie (alemão para o Jornal de Assiriologia e Arqueologia do Oriente Próximo).

A chave para sua decifração foi a análise de oito inscrições em recipientes de prata.

Outras equipes de pesquisa já haviam decodificado diferentes inscrições elamitas lineares, e os autores do novo estudo se basearam neste trabalho anterior, comparando o sistema de escrita nas oito inscrições elamitas lineares com textos cuneiformes (uma escrita já decifrada usada no que é agora o Oriente Médio) que datam por volta do mesmo período e provavelmente contêm os nomes dos mesmos governantes e seus títulos e usam algumas das mesmas frases para descrever os governantes.

A equipe determinou o que muitos outros sinais adicionais significavam, escreveu a equipe. No entanto, cerca de 3,7 por cento dos sinais elamitas lineares permanecem indecifráveis.

Existem mais de 300 sinais elamitas lineares que representam sons diferentes, como um sinal em forma de crescente que soa como “pa”, escreveu a equipe no paper.

A equipe traduziu um pequeno texto que diz (na tradução): “Puzur-Sušinak, rei de Avã, Insušinak [uma divindade] o ama”. O texto acrescenta que quem se rebelar de Puzur-Sušinak deve “ser destruído”.

A equipe escreveu que mais traduções de textos completos serão publicadas no futuro.

O autor correspondente da equipe, François Desset, arqueólogo da Universidade de Teerã e do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica (CNRS), não quis comentar sobre o trabalho da equipe.

A Live Science também entrou em contato com várias outras fontes que não eram afiliadas à pesquisa para obter sua opinião sobre o paper. A maioria recusou comentários ou não respondeu a tempo da publicação.

No entanto, Jacob Dahl, professor de Assiriologia da Universidade de Oxford, disse que não tem certeza se a equipe fez uma decifração bem-sucedida.

Dahl trabalha em outra escrita chamada “proto-elamita” e discordou de uma afirmação que a equipe fez no paper de que proto-elamita e elamita linear têm um relacionamento próximo.

Além disso, ele está preocupado que a equipe tenha usado inscrições encontradas no sítio arqueológico da Idade do Bronze de Konar Sandal (perto de Jiroft, uma cidade no Irã) em sua análise; essas inscrições têm características suspeitas, que podem indicar falsificação, disse Dahl.

Embora os artefatos de Konar Sandal não sejam uma das oito novas inscrições que foram centrais para a decifração, o fato de terem sido usados ​​levanta questões sobre a decifração, observou Dahl.

De onde vieram as inscrições?

Os especialistas não têm certeza de onde as oito inscrições em elamita linear se originaram.

Sete estão na coleção de um colecionador chamado Houshang Mahboubian, enquanto o outro está na coleção de Martin Schøyen, um empresário e colecionador norueguês. A coleção Schøyen tem funcionários que ajudam a supervisionar a coleção e trabalham regularmente com acadêmicos.

A inscrição de Schøyen e centenas de outros artefatos da coleção de Schøyen foram apreendidos pela polícia norueguesa em 24 de agosto de 2021.

Um relatório publicado pelo Museu de História Cultural de Oslo em março disse que Schøyen “não forneceu documentação de remoção legal do Irã e as evidências nas análises indicam saques modernos, contrabando e comércio ilícito” e recomendou que as autoridades iranianas fossem consultadas sobre o que fazer com os artefatos em Elamita Linear.

Em julho, a coleção de Schøyen divulgou uma declaração criticando o relatório, alegando que pelo menos um autor do estudo tinha um forte preconceito contra Schøyen e que a ideia de que o artefato com a inscrição em Elamita Linear foi contrabandeado recentemente era “completamente infundada”.

A coleção acredita que a inscrição em Elamita Linear é da antiga cidade de Susa, no Irã.

Cato Schiøtz, advogado do escritório de advocacia Glittertind, com sede em Oslo, representando Schøyen, disse em comunicado à Live Science que “durante mais de 40 anos em que pratiquei a advocacia, li incontáveis relatórios. Mas nunca um [relatório] tão embaraçosamente fraco quanto este”.

Um porta-voz da coleção disse à Live Science que o artefato em Elamita Linear está atualmente apreendido, mas “foi apreendido erroneamente e deve ser devolvido”.

Enquanto isso, a origem dos artefatos da coleção de Mahboubian não é precisamente clara, escreveu a equipe no novo paper.

Em um paper de 2018 publicado no Iran: Journal of the British Institute of Persian Studies, Desset disse que Mahboubian lhe disse que os artefatos foram desenterrados em escavações realizadas por seu pai, Benjamin Abol Ghassem Mahboubian, em 1922 e 1924 nas cidades de Kam-Firouz e Beyza no Irã. Mahboubian forneceu coordenadas que foram publicadas no paper.

A Live Science examinou as coordenadas no Google Earth e descobriu que, hoje, a cidade de Kam-Firouz cobre parcialmente um local, enquanto a cidade de Beyza cobre completamente o outro.

No paper de 2018, Desset escreveu que Mahboubian lhe disse que os artefatos foram exportados para a Europa antes de 1970.

Uma análise metalúrgica e química realizada nos artefatos da coleção de Mahboubian não encontrou evidências de falsificação, segundo um estudo separado de 2018 Iran: Journal of the British Institute of Persian Studies.

A pátina dos artefatos (uma película que se forma sobre um artefato quando exposto a determinados ambientes ou substâncias por longos períodos) indica que os objetos foram enterrados no solo, o que sugere que sejam autênticos.

Além disso, o processo de fabricação dos artefatos e a proporção de prata para outros metais indicam autenticidade. As descobertas apontam “para artefatos antigos e não para falsificações modernas engenhosas”, escreveu a equipe técnica no paper.

Os membros da equipe técnica recusaram comentários ou não responderam no momento da publicação.

Na década de 1980, Mahboubian e parte de sua coleção fizeram parte de uma série de ensaios que atraíram a atenção da mídia. Em 1987, ele foi condenado por contratar ladrões para roubar parte de sua coleção para que pudesse recolher o dinheiro do seguro. Esta condenação foi anulada em 1989, e um novo julgamento foi ordenado em duas das acusações.

O novo julgamento não foi realizado e as acusações foram retiradas. Em um comunicado em seu site, Mahboubian disse que as acusações contra ele foram motivadas por sua ascendência iraniana.

Um representante da coleção de Mahboubian não retornou os pedidos de comentários até o momento da publicação.