Stephen Hawking: “Este é o momento mais perigoso para nosso planeta”

8
1485

Publicado no The Guardian

Como físico teórico de Cambridge, tenho vivido minha vida em uma bolha extraordinariamente privilegiada. Cambridge é uma cidade incomum, centrada em torno de uma das grandes universidades do mundo. Dentro dessa cidade, a comunidade científica de que me tornei parte em meus 20 anos é ainda mais rarefeita.

E dentro dessa comunidade científica, o pequeno grupo de físicos teóricos internacionais com quem passei minha vida de trabalho pode, às vezes, ser tentados a considerarem-se como “a elite intelectual”. Além disso, com a fama que vem de meus livros, e o isolamento imposto pela minha doença, sinto como se uma torre de marfim estivesse ficando mais alta [sobre mim].

Assim, a recente e aparente rejeição das elites – tanto na América quanto na Grã-Bretanha – é seguramente dirigida a mim, tanto quanto a qualquer um. O que quer que pensemos sobre decisão do eleitorado britânico em rejeitar a adesão da União Européia e do público americano em abraçar Donald Trump como seu próximo presidente, não há dúvidas na mente dos comentaristas de que este foi um grito de raiva das pessoas que sentiram que tinham sido abandonadas por seus líderes.

Foi, todos parecem concordar, o momento em que o esquecido falou, encontrando suas vozes para rejeitar o conselho e a orientação de especialistas e da elite em todos os lugares.

Não sou nenhuma exceção a esta regra. Eu adverti, antes da votação do Brexit, que isto prejudicaria a pesquisa científica na Grã-Bretanha, que uma votação para sair seria um retrocesso, e o eleitorado – ou, pelo menos, uma proporção suficientemente significativa dele – não me deu mais atenção do que qualquer um dos outros líderes políticos, sindicalistas, artistas, cientistas, empresários e celebridades… Onde todos deram o mesmo conselho desatento ao resto do país.

O que importa agora, muito mais do que as escolhas feitas por esses dois eleitorados, é como as elites reagem. Nós deveríamos, por sua vez, rejeitar esses votos como derramamentos de populismo bruto que não levam em conta os fatos e tentam contornar ou circunscrever as escolhas que eles representam? Eu diria que este seria um erro terrível.

As preocupações subjacentes a estas votações sobre as consequências econômicas da globalização e a aceleração da mudança tecnológica são absolutamente compreensíveis. A automatização das fábricas já dizimou empregos na fabricação tradicional, e o aumento da inteligência artificial é suscetível de estender esta destruição de trabalho profundamente para as classes médias, com apenas os papéis mais carinhosos, criativos ou de supervisão como restantes.

Isso, por sua vez, acelerará a já crescente desigualdade econômica em todo o mundo. A Internet e as plataformas online torna possível permitir que pouquíssimos grupos consigam enormes lucros ao empregar pouquíssimas pessoas. Isso é inevitável, é progressivo, mas também é socialmente destrutivo.

Precisamos colocar isso ao lado do crash financeiro, que trouxa à nós, as pessoas comuns, que pouquíssimos indivíduos trabalhando no setor financeiro podem acumular grandes recompensas, e o resto de nós subscreve esse sucesso e sofremos com os projetos de leis quando sua ganância nos leva ao erro. Tão juntos, vivemos num mundo de desigualdade financeira cada vez maior, em que muitas pessoas podem ver não apenas seu padrão de vida, mas sua capacidade de ganhar a vida, desaparecendo. Não é nenhuma maravilha, então, que estamos procurando uma opção nova, em que Trump e o Brexit puderam ter parecido representar.

É também o caso que outra consequência involuntária da disseminação global da Internet e das mídias sociais é que a natureza rígida dessas desigualdades é muito mais aparente do que foi no passado. Para mim, a capacidade de usar a tecnologia para se comunicar tem sido uma experiência libertadora e positiva. Sem ela, eu não teria sido capaz de continuar trabalhando por todo este tempo.

Mas também significa que as vidas das pessoas mais ricas nas partes mais prósperas do mundo são agonizantemente diferentes para qualquer pessoa que, por mais pobres que sejam, e que tenham acesso a um telefone. E já que há mais pessoas com um telefone do que o acesso à água limpa na África subsaariana, isso significará, em breve, que quase todo mundo em nosso planeta cada vez mais lotado não será capaz de escapar da desigualdade.

As consequências disto são claras: Os pobres rurais migram às cidades, às favelas, impulsionados pela esperança. E então, muitas vezes, vendo que o Nirvana que viram no Instagram não está disponível para eles lá, eles procuram ele no exterior, juntando um número cada vez maior de migrantes econômicos, em busca de uma vida melhor. Esses migrantes, por sua vez, colocam novas demandas nas infraestruturas e economias dos países em que chegam, minando a tolerância e alimentando ainda mais o populismo político.

Para mim, o aspecto realmente preocupante disso é que agora, mais do que em qualquer outro momento da nossa história, nossa espécie precisa trabalhar em conjunto. Enfrentamos desafios ambientais impressionantes: Mudanças climáticas, produção de alimentos, superpopulação, dizimação de outras espécies, doenças epidêmicas, acidificação dos oceanos…

Juntos, eles são um lembrete de que estamos no momento mais perigoso do desenvolvimento da humanidade. Agora temos tecnologia para destruir o planeta em que vivemos, mas ainda não desenvolvemos a capacidade de escapar dele. Talvez, em algumas centenas de anos, teremos estabelecido colônias humanas entre as estrelas, mas agora temos apenas um planeta e precisamos trabalhar juntos para protegê-lo.

Para fazer isso, precisamos quebrar, não construir, barreiras dentro e entre as nações. Se quisermos ter uma chance de fazer isso, os líderes do mundo precisam reconhecer que fracassaram e estão falhando muito. Com recursos cada vez mais concentrados nas mãos de poucos, vamos ter que aprender a compartilhar muito mais do que no presente.

Com não só os postos de trabalho, mas indústrias inteiras desaparecendo, devemos ajudar as pessoas a se capacitarem para um novo mundo e apoiá-las financeiramente enquanto elas fazem isso. Se as comunidades e as economias não conseguem lidar com os níveis atuais de migração, devemos fazer mais para encorajar o desenvolvimento global, pois é a única maneira que os milhões de imigrantes serão persuadidos a buscar seu futuro em casa.

Podemos fazer isso, e sou um otimista enorme na minha espécie; Mas isto exigirá que as elites, de Londres a Harvard, de Cambridge a Hollywood, aprendam as lições do ano passado. Para aprender, acima de tudo, uma medida de humildade.

CONTINUAR LENDO

Deixe um comentário

8 Comentários em "Stephen Hawking: “Este é o momento mais perigoso para nosso planeta”"

Notify of
avatar
Sort by:   newest | oldest | most voted
Joabe C. Strazzacapa
Visitante

Muito bom!

rogeria souza
Visitante

Maravilhoso!!!

José Eduardo de Camargo
Visitante

Stephen Hawking está certíssimo. Mas querem saber de uma coisa? Que venha logo o meteoro assassino! Porque a minha paciência já se esgotou com essa humanidade de merda! E a propósito, ao contrário do que ele afirma, o planeta sobreviveria a uma colisão catastrófica como as que ocorreram no passado. Muitas espécies seriam extintas, incluindo a nossa por óbvio, mas as sobreviventes evoluiriam e repovoariam o planeta.

Rafael
Visitante

Deixe-me ver se entendi. Os comentários acima só criticaram o primeiro (o que é fácil, o difícil é apontar soluções…) e estão querendo defender a espécie humana, é isso? Me respondam então: quem destrói o próprio planeta? Quem subjuga outras espécies por ganância e vaidade? Quem não estende a mão para o próprio semelhante? E o último comentário ainda cita o envelhecimento do sol… É sério isso? As pessoas não pensam antes de escrever, mais um fato inexorável de que estamos indo de mal a pior como espécie…

henrique
Visitante

Você é um exemplo clássico de pessoa que torce para que tragédias aconteçam, usando o argumento de que a humanidade é uma espécie de “tumor” que deve ser extirpado.
Visto que vc pensa assim, tome uma atitude e dê um exemplo a ser seguido. Trocando em miúdos: se vc acha que os seres humanos devem ser exterminados, SE MATE! Mostre para as pessoas que vc se sacrificou para defender seu ponto de vista.
Quem sabe, outros idiotas sigam seu exemplo e o mundo se torne um lugar melhor, não é mesmo?

João Bosco Coelho Costa
Visitante

Pois uma postura niilista igual a tua só faz piorar as coisas, não melhorar. A Humanidade ao longo da sua extensíssima evolução já passou – e superou – obstáculos que, se contextualizados, fazem parecer os atuais meras dores de cabeça.

Flávio
Visitante

Nunca iria torcer pela extinção da humanidade, pois somos provavelmente a única chance que a vida na Terra tem de escapar da inexorável morte do planeta no futuro distante, com o envelhecimento do Sol. Só nós poderemos eventualmente tirá-la daqui e não deixar que tudo isso desapareça sem deixar rastros.
Mas talvez um evento trágico desses fosse útil pela ruptura social que provocaria, se algo novo e melhor surgisse dessas cinzas.

Joao
Visitante

A terra está toda minada, já mal respira, só extração de minerais, só guerras só ganância, só dão valor ao dinheiro, não conseguem pensar no bem estar do planeta, porque estão tao iludidos com a ganância do dinheiro, e o humano ainda se acha inteligente, mas é o único que se “auto distroi”, não vejo os outros animais a distrair o planeta, e essa de salvar os o planeta está mesmo boa, vê-se mesmo o quanto às pessoas tão formatadas pelos media ou lá o que seja que voces vêem

wpDiscuz